Monthly Archives: Outubro 2012

«Charlie e o Grande Elevador de Vidro», de Roald Dahl, editado pela Civilização

Charlie e o Grande Elevador de Vidro começa onde acaba Charlie e a Fábrica de Chocolate e acaba de ser lançado em Portugal pela Civilização, editora que tem vindo a publicar as obras de Roald Dahl. Entre os títulos já editados entre nós constam – além do já citado Charlie e a Fábrica de ChocolateO Fantástico Sr. Raposo, James e o Pêssego Gigante e Matilda.

Sobre o livro: «Charlie Bucket GANHOU a fábrica de chocolate de Willy Wonka e está a caminho para se apossar dela. Num grande elevador de vidro! Mas quando o elevador faz um som assustador, Charlie e a família veem-se na órbita da Terra. Uma aventura audaciosa começou e é o espantoso Sr. Willy Wonka quem a conduz. Charlie e o Grande Elevador de Vidro começa onde acaba Charlie e a Fábrica de Chocolate, um dos livros mais emblemáticos de Roald Dahl, autor que vendeu mais de 100 milhões de livros em 45 línguas.»

Anúncios

Artur Portela regressa e apresenta-nos «A Cidade da Saúde»

Artur Portela, autor de obras cativantes e satíricas como A Guerra da Meseta e História Fantástica de António Portugal, lançou mais um romance, A Cidade da Saúde, editado pela Bizâncio.

Sinopse: «A Cidade da Saúde destina-se a políticos da saúde, assessores, gestores, seguradores, bastonários, psiquiatras, neurologistas, dream teams da cirurgia, médicos em geral, enfermeiros, doentes, utentes, respectivos familiares, laboratórios, técnicos, farmacêuticos, estudantes de medicina, funcionários dos hospitais e serviços clínicos públicos e privados, maqueiros, empresas de segurança, banqueiros, agências de notação, mercados, todos os manifestantes do 15 de Setembro, etc. É também um livro de auto-ajuda, um mapa do tesouro (ou se quiserem um GPS) que se consulta e se lê com a mais-valia de ser também uma ficção entre realista, satírica e fantástica.»

Porto Editora publica prosa de Sophia de Mello Breyner Andresen

A Porto Editora anunciou que ira publicar a obra em prosa de Sophia de Mello Breyner Andresen. A 6 de Novembro passam 93 anos sobre o nascimento da escritora e a data será assim assinalada com a edição de A Fada Oriana, A Menina do Mar e Quatro Contos Dispersos. As ilustrações ficaram a cargo, respectivamente, de Teresa Calem, Fernanda Fragateiro e João Caetano.
Vasco Teixeira, director editorial do Grupo Porto Editora, revelou que a ideia é reaproximar Sophia de Mello Breyner Andresen dos leitores, «principalmente, divulgando-a junto dos mais novos». Assim, será feito um forte trabalho de divulgação das novas edições junto de todas as escolas portuguesas, procurando envolver professores e alunos da (re)descoberta de Sophia.

A Fada Oriana
«Dizia Sophia que as fadas são seres da natureza. Queria com isto lembrar que elas nascem da nossa capacidade de atribuir vida, vontade e intenções ao mundo da natureza.
Em A Fada Oriana, encontramos o dom da proteção sobre os seres mais frágeis que vivem numa floresta, encontramos as tão humanas oscilações entre a solidariedade, o sentido da responsabilidade e o egoísmo e a vaidade. Encontramos, como é próprio de muitos contos tradicionais e para a infância, as peripécias de uma luta entre o bem e o mal.»

A Menina do Mar
«A Menina do Mar é o primeiro conto de Sophia para a infância e foi editado, pela primeira vez, em 1958.
Tendo a praia como cenário, este conto revela-nos uma história de amizade entre um rapaz e a Menina do Mar. Cada um vive no seu mundo, o rapaz na terra e a menina no mar, mas a curiosidade de ambos leva-os a querer partilhar essas diferenças: a menina fica a saber o que é o amor, a saudade e a alegria; o rapaz aceita viver com ela no fundo do mar.»

Quatro Contos Dispersos
«Este livro reúne quatro contos escritos entre 1985 e 2004.
O adjetivo “dispersos” incluído no título indica que foram primeiramente editados em publicações diversas e em diferentes datas, concordando com a ausência de ligação entre as várias narrativas.
Estes Quatro Contos Dispersos apresentam-nos, assim, histórias com enredos bem distintos: os preparativos para a execução de um homem; um encontro insólito durante uma viagem de comboio; as deambulações de um músico cego na Lisboa pós-revolucionária; e as histórias de vida e morte de Ana Bote, a mulher do banheiro de uma praia atlântica.»

Leituras de Halloween, de Frankenweenie a Walking Dead

Esta noite celebra-se o Halloween e uma das formas de o fazer, além das habituais festas e jantares e dos filmes de terror, é lendo livros «assustadores». Na moda, e muito bem, está Frankenweenie, capaz de cativar grandes e pequenos e, por isso, porque não dedicar-se à leitura do livro nascido do filme de Tim Burton, dirigido a um público mais jovem, é certo, mas nem por isso deixando de ser adequado a todas as idades. Aliás, até pode ser lido em conjunto e em voz alta, em família ou entre amigos, com vozes soturnas e num ambiente à luz da vela. É bem capaz de resultar.
Entretanto, para quem tiver um iPad deixo aqui a sugestão de um iBook gratuito relativo a este filme. Trata-se de Frankenweenie: AnElectrifying Book e pode ser descarregado aqui. É um «livro» bastante interactivo, com clips do filme, textos leves descritivos sobre as personagens e a produção do filme, entrevistas, música, etc. É em inglês, naturalmente, mas mesmo para quem não domina a língua vale pelas imagens.

Eis então uma lista de livros apropriados para esta «quadra».

Frankenweenie (DOM QUIXOTE)
«Preparem-se para conhecer o Victor, um miúdo super inventivo que adora criar experiências científicas e filmes em 3D. Preparem-se para conhecer o Sparky, o cão do Victor – a estrela dos seus filmes e o seu melhor amigo. Certo dia, porém, um terrível acidente leva a vida do Sparky e toda a alegria do Victor. É então que, numa noite de desgosto sem fim, o Victor começa a ter uma ideia. Se resultar, poderá mudar tudo e trazer de volta o seu melhor amigo.»

A Mulher de Negro – Susan Hill (SUMA)
«Arthur Kipps, um jovem solicitador a fazer carreira em Londres, é chamado a uma vila remota para assistir ao funeral de uma cliente da firma para que trabalha. Mrs. Alice Drablow vivia sozinha numa mansão isolada, quase sempre envolta num denso nevoeiro e apenas acessível por um estreito caminho. O solicitador decide instalar-se na mansão enquanto trata dos assuntos da falecida Mrs. Drablow. E o que parecia ser uma tranquila viagem de negócios transforma-se numa experiência aterradora quando Arthur começa a ser assombrado por sons e imagens arrepiantes – uma cadeira de baloiço a ranger num quarto vazio, o grito de uma criança perdido no meio das brumas e a visão de uma mulher de aspecto fantasmagórico.
Ainda mais denso do que o nevoeiro e a escuridão que todas as noites caem sobre a velha mansão são os trágicos segredos que Arthur vem a desvendar, sempre perseguido pela temível mulher de negro. Com mais de um milhão de exemplares vendidos, A mulher de negro faz jus à melhor tradição das clássicas histórias de fantasmas. Agora adaptada ao cinema, com Daniel Radcliffe no papel de Arthur Kipps.

O Lar da Senhora Peregrine para Crianças Peculiares – Ransom Riggs (CONTRAPONTO)
«Uma ilha misteriosa. Uma casa abandonada e uma estranha coleção de fotografias peculiares.
Uma terrível tragédia familiar leva Jacob, um jovem de 16 anos, a uma ilha remota na costa do País de Gales, onde vai encontrar as ruínas do lar para crianças peculiares, criado pela senhora Peregrine.
Ao explorar os quartos e corredores abandonados, apercebe-se de que as crianças do lar eram mais do que apenas peculiares; podiam também ser perigosas. É possível que tenham sido mantidas enclausuradas numa ilha quase deserta por um bom motivo. E, por incrível que pareça, podem ainda estar vivas…
Um romance arrepiante, ilustrado com fantasmagóricas fotografias vintage, que fará as delícias de adultos, jovens e todos aqueles que apreciam o suspense.»

As Histórias de Terror do Tio Montague – Chris Priestley, com ilustrações de David Roberts (ARTEPLURAL)
«As histórias de terror do tio Montague reúne vários contos ilustrados, todos eles cheios de suspense e com uma única intenção: arrepiar o público mais jovem.
Este livro conta a história de Edgar, um menino que se refugia na casa do tio para ouvir as suas histórias de terror. Para Edgar, os contos são apenas invenções fantásticas do excêntrico tio, mas para Montague, são narrativas que deveriam não apenas assustar o sobrinho, mas ensiná-lo que, quando o assunto é o além, todo o cuidado é pouco. Mas haverá alguma ligação do seu tio a estas histórias sinistras?»

The Walking Dead – A Ascensão do Governador – Jay Bonansing e Robert Kirkman (SAÍDA DE EMERGÊNCIA)
«O que faria para sobreviver num mundo pós-apocalíptico? Até onde iria para preservar a sua vida?
No universo de “The Walking Dead” (uma admirável BD agora transformada numa premiada série de TV) não há maior vilão do que o Governador. Ele é o déspota que governa a cidade isolada de Woodbury e tem doentias noções de justiça: seja a forçar prisioneiros a combater zombies na arena para divertimento dos locais, seja a destroçar violentamente aqueles que o confrontam. O Governador é um vilão que tão cedo não se esquece e a sua história é uma das mais controversas que Robert Kirkman, criador de “The Walking Dead”, alguma vez concebeu. Agora, pela primeira vez, os fãs irão descobrir como é que o Governador se tornou neste homem implacável e aquilo que o levou a tais extremos.»

O Tesouro – Selma Lagerlöf (CAVALO DE FERRO)
«Numa pequena cidade costeira, os habitantes perguntam-se o que se passa com a natureza: é quase Verão e o mar continua gelado. Três soldados, nobres escoceses, aguardam que o seu barco desencalhe para partirem com um misterioso baú. Um deles, um homem elegante e bem vestido, reconhece a jovem Elsalill, que trabalha na estalagem após ter escapado aos assassinos que mataram toda a sua família. Elsalill não se lembra deste homem e dentro dela nascem emoções fortes que colocam a sua vida em risco.»

«Quarteto de Alexandria», de Lawrence Durrell, reunido num único volume

A Dom Quixote vai lançar a 19 de Novembro O Quarteto de Alexandria, de Lawrence Durrell. Será a primeira vez em Portugal que esta obra sai num único volume, tratando-se de uma edição reunida e revista pelo autor em 1962.
Os quatro livros que compõem O Quarteto de Alexandria – Justine, Balthazar, Mountolive e Clea – são, indica a editora, «quatro romances exploram a sociedade daquela cidade poliglota e cosmopolita, repleta de intrigas, mistério e sensualidade, retomando genericamente uma mesma história sob diferentes pontos de vista, acrescentando e refazendo pormenores e situações».

«Dez Contos para Ler Sentado» apresentado a 2 de Novembro em Paredes

Vai ser apresentado a 2 de Novembro, às 21h30, na Biblioteca Muncipal de Paredes, o livro 10 Contos para Ler Sentado, onde Abraão Vicente (Cabo Verde), Ana Paula Maia, Arthur Dapieve, Vinicius Jatobá (Brasil), João Tordo, Sandro William Junqueiro (Portugal), Luís Cardoso (Timor-Leste), Mia Couto (Moçambique), Ondjaki (Angola) e Waldir Araújo (Guiné-Bissau) apresentam dez abordagens diferentes ao tema «Cadeira».
Os autores, de países da CPLP, responderam ao desafio lançado pelo PAREDES – Polo do Design de Mobiliário e o livro é editado em parceria com a Caminho no âmbito da mega exposição «Art on Chairs» em exibição em Paredes até 18 de Novembro. Os contos já estão disponíveis em formato áudio na exposição «10 contos para ler sentado», patente nos jardins da Casa da Cultura de Paredes.
No lançamento oficial do livro vão estar presentes os autores Abraão Vicente, Ana Paula Maia, Luís Cardoso, Vinicius Jatobá e Waldir Araújo para uma conversa informal.

«The Killing» em versão literária chega a 12 de Novembro

The Killing – Crónica de um Assassínio (Vol. I), de David Hewson, é um livro a ser editado pela Dom Quixote a 12 de Novembro que teve origem numa excelente série dinamarquesa chamada Forbrydelsen, que passou por Portugal algo discretamente. A versão norte-americana desta série passa actualmente no canal Fox. Não é tão boa, mas serve para o gasto.
Este livro é baseado no argumento de Søren Sveistrup e a este primeiro volume seguir-se-á um segundo, a publicar em Janeiro de 2013.

Sinopse: «Sarah Lund está a acabar o seu último dia como detective no departamento de Copenhaga antes de partir com o filho adolescente para a Suécia onde vai viver com o namorado. Mas tudo muda quando Nanna Birk Larsen, uma estudante de dezanove anos, é encontrada morta nos bosques em redor da cidade com sinais evidentes de ter sido brutalmente agredida e violada. Os planos de Lund para deixar o país vão sendo adiados à medida que a investigação com o seu colega, o detective Jan Meyer, se torna cada vez mais complexa.»