Porta-Livros soma um milhão de visualizações

DSC_1791O Porta-Livros atingiu, neste dia 26 de setembro de 2013, um milhão de visualizações desde que foi criado em dezembro de 2008. Ou seja, uma média de cerca de 570 visualizações diárias.
Agradeço a todos os que contribuíram para este número que não deixa de me surpreender e espero que continuem a gostar de passar por aqui. Quero agradecer também a todos os autores e editoras que têm contribuído para o sucesso do blog.
É um prazer escrever sobre livros e espero que sintam um prazer idêntico ao ler o que por aqui se escreve.
Cumprimentos, abraços ou beijos, e mais uma vez obrigado pelas vossas visitas,

Rui Azeredo

Top-10 dos «posts» com mais visualizações
Nómada – Stephenie Meyer (17 292 visualizações)
No Teu Deserto – Miguel Sousa Tavares (15 464)
Marina – Carlos Ruiz Zafón (14 746)
A Invenção de Hugo Cabret – Brian Selznick (13 871)
5º Margarida Rebelo Pinto apresenta O dia em que te esqueci a 25 de Novembro (13 104)
História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar – Luis Sepúlveda, com ilustrações de Sabine Wilharm (12 565)
7º Gailivro ataca 2010 com zombies e Christopher Paolini (7 088)
O Coração das Trevas – Joseph Conrad (5 960)
O Planalto e a Estepe – Pepetela (5 812)
10º About Rui Azeredo (4 693)

Novidades Editoriais de Outubro (II)

capa_Heroi.aiHerói – Bernard Cornwell (Saída de Emergência)
«Bernard Cornwell volta a demonstrar porque é considerado um mestre no género do romance histórico.
Com a mestria e excelência a que Bernard Cornwell habituou os seus leitores, eis que mergulhamos na devastação da Guerra Civil Americana e testemunhamos as vitórias e derrotas dos exércitos do Sul e Norte.
Estamos no ano de 1862 e Nathaniel Starbuck torna-se comandante de um batalhão de castigo: os seus soldados não passam de um bando de cobardes, ladrões, desertores e assassinos. Sob a sua firme liderança, os homens de Starbuck partem ao encontro do exército do General Robert E. Lee e chegam a Harper’s Ferry a tempo de tomarem parte da captura da guarnição.
Daí, o regimento parte para o lendário horror de Sharpsburg, na região Sul, onde decorreu a Batalha de Antietam, que para sempre será recordada como o dia mais sangrento da guerra civil. É então que Starbuck e as suas tropas terão a sua coragem e lealdade testadas ao limite. E poderão voltar para casa como heróis… se sobreviverem.»
11 de outubro

pe-comercioUm Comércio Respeitável – Philippa Gregory (Porto Editora)
«1787. Bristol é uma cidade em franco crescimento, uma cidade onde o poder atrai os que estão dispostos a correr riscos. Josiah Cole, um homem de negócios que se dedica ao comércio de escravos, decide arriscar tudo para fazer parte da comunidade que detém o poder na cidade. No entanto, para isso, Cole vai precisar de capital e de uma esposa bem relacionada que lhe abra as portas necessárias.
Casar com Frances Scott é uma solução conveniente para ambas as partes. Ao trocar as suas relações sociais pela proteção de Cole, Frances descobre que a sua vida e riqueza dependem do comércio respeitável do açúcar, rum e escravos.
Entretanto, Mehuru, um conselheiro do rei de Ioruba, em África, é capturado, vendido e enviado para Bristol, onde será educado nos padrões ocidentais por Frances, por quem, inexoravelmente, se irá apaixonar.
Em Um Comércio Respeitável, Philippa Gregory oferece-nos um retrato vívido e impressionante de uma época complexa onde impera a ganância e a crueldade que devastaram todo um continente.»
4 de outubro

aa-horasNumerosas Linhas — Livro de Horas III – Maria Gabriela Llansol (Assírio & Alvim)
«Nas palavras de João Barrento, “Os Livros de Horas que continuamos a editar a partir dos cadernos manuscritos do espólio de Maria Gabriela Llansol, representam a concretização de um projeto que nasceu das nossas últimas conversas com a escritora, entre finais de 2007 e início de 2008. Foi nessa altura que Llansol nos deu a conhecer um primeiro núcleo de setenta cadernos de escrita (a que se acrescentariam mais seis, descobertos mais tarde), por ela própria numerados a partir de 1974, manifestando então o desejo de começar a transcrever deles, por ordem cronológica, os textos diarísticos que iriam integrar o livro que se seguiria a Os Cantores de Leitura (Assírio & Alvim, 2007), e a que daria o título genérico de Livro de Horas. Este título reflete, assim, uma das últimas vontades de Maria Gabriela Llansol.”
Sobre Maria Gabriela Llansol fala-nos ainda Eduardo Lourenço, dizendo que “Ela, efetivamente, fez do texto um objeto cénico da sua própria visão, da matéria, em última análise, do universo. […] É uma descrição do mundo extraordinariamente visceral, e ao mesmo tempo virtual e imaginária, como não há outra na literatura portuguesa.”»
4 de outubro

aa-cortesCortes – Almeida Faria (Assírio & Alvim)
«Nova edição profundamente revista pelo autor e com prefácio de Manuel Gusmão.
Sábado de aleluia, abril de mil novecentos e setenta e quatro, pouco antes do dia que mudará Portugal. Saído de casa em conflito com a ordem patriarcal, João Carlos, o protagonista, parte para Lisboa ao encontro da namorada. Arminda, a irmã, imagina amores subversivos. André, o irmão mais velho, agarra-se aos valores do passado. Os mais novos, Jó e Tiago, socorrem-se da fantasia para escaparem aos seus pesadelos, medos e pressentimentos. A mãe lamenta o crescente afastamento do marido e dos cinco filhos, a decadência da casa, a sua própria decadência física. Duas criadas e um velho servo submetem-se ou revoltam-se contra o meio semifeudal em que vivem. Ao longo das vinte e quatro horas deste segundo painel da chamada Tetralogia Lusitana, sonhos e premonições anunciam cortes profundos no mundo das suas personagens.»
4 de outubro

Em outubro não podia faltar Daniel Silva, desta feita com «O Anjo Caído»

CapaA 4 de outubro a Bertrand dá seguimento à publicação das obras do norte-americano Daniel Silva com O Anjo Caído, thriller que, mais uma vez, tem por protagonista Gabriel Allon, figura de vulto dos serviços secretos israelitas cujo maior desejo é ter descanso para se dedicar à sua paixão, o restauro de obras de arte. Felizmente que Daniel Silva não lhe dá tréguas e todos os anos o arranca da «reforma» para nos fazer vibrar com as suas aventuras. Desta vez tudo começa com um crime no Vaticano…
Daniel Silva, que já foi jornalista, é o autor de obras como A-Marcha, O-Desertor, O Confessor, As-Regras-de-Moscovo e O-Artista-da-Morte, entre outras.

Sinopse: «Depois de ter sobrevivido por um triz à sua mais recente missão, Gabriel Allon, o herói dos serviços secretos israelitas, refugiou-se por detrás dos muros do Vaticano, onde se encontra a restaurar uma das obras-primas de Caravaggio. Mas certa manhã, bem cedo, é chamado à Basílica de São Pedro por monsenhor Luigi Donati, o influente secretário privado de Sua Santidade o Papa Paulo VII. Foi encontrado o cadáver de uma bela mulher debaixo da magnífica abóbada de Miguel Ângelo. A polícia do Vaticano suspeita de suicídio, mas Gabriel não concorda. E, segundo parece, o mesmo se passa com Donati, que receia que uma investigação pública possa vir provocar no seio da Igreja e, por isso, chama Gabriel para que ele descubra discretamente a verdade. Com uma advertência: “Regra número um no Vaticano”, diz Donati. “Não faça demasiadas perguntas.”
Gabriel descobre que a mulher morta desvendara um segredo perigoso, que ameaça uma organização criminosa que anda a pilhar tesouros da Antiguidade e a vendê-los a quem oferecer mais dinheiro. Mas não se trata apenas de ganância. Um agente misterioso planeia uma sabotagem que irá mergulhar o mundo num conflito de proporções apocalípticas…»

Novidades Editoriais de Outubro

qtz_primeiras_coisas13As Primeiras Coisas – Bruno Vieira Amaral (Quetzal)
«A Humanidade inteira arde no Bairro Amélia, um lugar perdido na Margem Sul do Tejo, onde a História é reconstruída por personagens que raramente aparecem na nossa literatura.
Memórias, embustes, traições, homicídios, sermões de pastores evangélicos, crónicas de futebol, gastronomia, um inventário de sons, uma viagem de autocarro, as manhãs de Domingo, meteorologia, o Apocalipse, a Grande Pintura de 1990, o inferno, os pretos, os ciganos, os brancos das barracas, os retornados.
Quem matou Joãozinho Treme-Treme no terreno perto do depósito da água? O que aconteceu à virginal Vera, desaparecida de casa dos pais a dois meses de completar os dezasseis anos? Quem foi o homem que, a exemplo do velho Abel, encontrou a paz sob o céu pacífico de Port of Spain? Porque é que os habitantes do Bairro Amélia nunca esquecerão o Carnaval de 1989? Quem é que poderá saber o nome das três crianças mortas por asfixia no interior de uma arca? Onde teria chegado Beto com o seu maravilhoso pé esquerdo se não fosse aquela noite aziaga de setembro? Quantos anos irá durar o enguiço de Laura? De que mundo vêm as sombras de Ernesto, fabuloso empregado de mesa, Fernando T., assassinado a 26 de dezembro de 1999, Jaime Lopes, fumador de SG Ventil, Hortênsia, que viveu e morreu com medo de tudo? Quando é que Roberto, anjo exterminador, chegará ao bairro para consumar a sua vingança?»
11 de outubro

planoK_Ensaios_DFW2Uma Coisa supostamente Divertida Que nunca mais Vou Fazer – David Foster Wallace
«Celebrizado pela sua obra de ficção, David Foster Wallace foi também um excecional ensaísta e repórter. Alguns dos seus artigos mais conhecidos deram-lhe um reconhecimento transversal e captaram o interesse de muitos leitores para este escritor original que estava tão à vontade a falar da ficção pós-moderna norte-americana como a relatar a sua experiência num cruzeiro. Graças ao talento do seu autor, peças como a de Roger Federer, a do Festival da Lagosta do Maine ou a da indústria pornográfica norte-americana transcenderam os limites das publicações em que apareceram pela primeira vez e, atualmente, fazem parte dos textos canónicos sem os quais não se pode entender a dimensão do génio de Foster Wallace.»
11 de outubro

finale_netFinale – Becca Fitzpatrick (Porto Editora)
O destino lança os dados neste capítulo final da saga hush, hush. Nora está absolutamente certa sobre o seu amor por Patch. Anjo caído ou não, Patch é o homem da sua vida. A herança e o destino que couberam a Nora ditam que terá de ser inimiga do seu amor, mas não há como lhe voltar as costas. Agora, Nora e Patch deverão unir forças para enfrentar o derradeiro desafio. Assistiremos ao regresso de velhos inimigos e ao nascimento de novos aliados. Um amigo será o protagonista de uma inesperada traição que ameaçará a paz com que Patch e Nora sonham tão desesperadamente. As linhas da batalha estão formadas… mas de que lado devem lutar? E, no final, será o amor capaz de conquistar todos os obstáculos?»
4 de outubro

1001-diurnaA Guerra Diurna – Peter V. Brett (1001 Mundos)
«Na noite da Lua Nova, os demónios erguem-se em força, procurando as mortes dos dois homens com potencial para se tornarem o lendário Libertador, o homem que, segundo a profecia, reunirá o que resta da humanidade num esforço derradeiro para destruir os nuclitas de uma vez por todas.
Arlen Fardos foi outrora um homem comum, mas tornou-se algo mais: o Homem Pintado, tatuado com guardas místicas tão poderosas que o colocam à altura de qualquer demónio. Arlen nega constantemente ser o Libertador, mas, quanto mais se esforça por se integrar com a gente comum, mais fervorosa se torna a crença destes. Muitos aceitariam segui-lo, mas o caminho de Arlen ameaça conduzir a um local sombrio a que apenas ele poderá deslocar-se e de onde poderá ser impossível regressar.
A única esperança de manter Arlen no mundo dos homens ou de o acompanhar reside em Renna Curtidor, uma jovem corajosa que arrisca perder-se no poder da magia demoníaca.
Ahmann Jardir transformou as tribos guerreiras do deserto de Krasia num exército destruidor de demónios e proclamou-se Shar’Dama Ka, o Libertador. Tem na sua posse armas ancestrais, uma lança e uma coroa, que consubstanciam a sua pretensão e vastas extensões das terras verdes se curvam já ao seu poderio.
Mas Jardir não subiu ao poder sozinho. A sua ascensão foi programada pela sua Primeira Esposa, Inevera, uma sacerdotisa ardilosa e poderosa cuja formidável magia de ossos de demónio lhe permite vislumbrar o futuro. Os motivos de Inevera e o seu passado encontram-se envoltos em mistério e nem Jardir confia nela por completo.
Outrora, Arlen e Jardir foram próximos como irmãos. Agora, tornaram-se os maiores rivais. Enquanto os inimigos da humanidade se erguem, os únicos dois homens capazes de os derrotarem encontram-se divididos pelos mais mortais de todos os demónios: aqueles que se escondem no coração humano.»
1 de outubro

Novidades Editoriais de Setembro (VI)

pre-leoO Jogo do Leopardo – Nelson DeMille (Marcador)
«O agente da Brigada Antiterrorista John Corey e a sua mulher, a agente do FBI Kate Mayfield, são destacados para Sanaa, no Iémen – um dos lugares mais perigosos do Médio Oriente.
Sem muita informação além de que iam trabalhar com uma pequena equipa para encontrar um dos cérebros por trás do bombardeamento do USS Cole: um operacional de alta patente da Al Qaeda conhecido como o Leopardo. John e Kate não sabem porque é que foram escolhidos para esta missão em particular, mas rapidamente se apercebem de que estão a ser usados como isco: o Leopardo está à procura de vingança pela morte de Asad Khalil, um terrorista líbio que John abateu recentemente em Nova Iorque.»

Capa Cartas da Nossa PaixãoCartas da Nossa Paixão – Karen Kingsbury (Topseller)
«Ellie Tucker e Nolan Cook são mais do que amigos. Apesar de terem apenas quinze anos, ele repete-lhe constantemente que ela nunca irá encontrar alguém que a ame tanto. Mas uma tragédia familiar obriga Ellie partir subitamente. Na véspera desse dia triste, ela e Nolan sentam-se sob o velho carvalho do parque onde partilharam tantos momentos felizes e escrevem uma carta um ao outro, que enterram numa caixa de metal enferrujado. Combinam regressar exatamente onze anos depois, e lerem em conjunto as duas cartas.
Passaram os anos e os dois nunca mais se encontraram. Ellie tem hoje vinte e seis anos e é mãe solteira, lutando diariamente para sustentar a sua filha. Nolan conseguiu realizar o sonho de se tornar jogador de basquetebol e é uma famosa estrela da NBA. Mas desde o dia em que o pai sucumbiu a um ataque cardíaco, Nolan sofre com a solidão. Afogado num oceano de dor, pensa frequentemente em Ellie, a paixão da adolescência que nunca esqueceu, e na inocência da infância que partilharam.
À medida que se aproxima a data, Ellie e Nolan sonham com o reencontro sob o velho carvalho. Mas será que, onze anos depois, ainda há alguma hipótese de serem felizes?»

pre-messiMessi – O Melhor Futebolista do Mundo – Leonardo Faccio (Marcador)
«Na história do futebol mundial cinco jogadores acotovelavam-se no degrau mais alto do pódio: Eusébio, Pelé, Di Stefano, Cruyff e Maradona. Nos últimos anos, um sexto juntou-se à categoria desse clube restrito de futebolistas imortais: o argentino Lionel Messi. As suas exibições semanais confirmam-no dia a dia como o número um indiscutível.
Admirado e idolatrado mundialmente, Messi quebrou todos os recordes. Neste livro, Leonardo Faccio traça um perfil fascinante do melhor futebolista do século. Um miúdo tímido, pequeno e de aparência frágil, que se tornou a joia mais valiosa do maior espetáculo do planeta.»

Capa Mente Aberta Coração CrenteMente Aberta, Coração Crente
– Papa Francisco (Nascente)
«Revelando a profundidade da sua vida espiritual, o Papa Francisco leva-nos, em quatro meditações, ao encontro com Jesus através dos diálogos que nos fornecem os Evangelhos. É um vislumbre da rica tradição Inaciana do autor, que será um grande impulso para a vida da Igreja nestes tempos de nova evangelização. O Papa Francisco também escreve sobre a Igreja na sua vida real, com a sua grandeza e os seus pontos fracos, e termina com textos dedicados à oração.
Uma obra de caráter espiritual, para ajudar a crescer na Fé os crentes e todos os que procuram dar sentido espiritual à sua vida.»
26 de setembro

el-maesMães e Filhas com Historia – Fátima Lopes (Esfera dos Livros)
«
O amor entre uma mãe e uma filha pode ser vivido e sentido de diferentes formas. Pode ser um amor incondicional. Um amor abnegado. Um amor cúmplice, baseado na mais profunda amizade. Um amor temeroso ou respeitador. Castrador ou potenciador.
Foi na procura destas diferentes formas de amor que Fátima Lopes enveredou pela História, para descobrir estas Mães e Filhas.
Catarina de Bragança foi Rainha de Inglaterra, mas sempre viveu na sombra da sua poderosa e demasiado exigente mãe Luísa de Gusmão.
D. Maria II assistiu ao sofrimento da sua adorada mãe, maltratada pelo marido e jurou a si própria não seguir o seu exemplo.
Catarina de Áustria é Rainha de Portugal, mulher de poder, austera, que nunca esqueceu os terríveis anos de cativeiro vividos ao lado da sua mãe, Joana a Louca, no Mosteiro de Tordesilhas.
Filipa de Lencastre, mãe da Ínclita Geração, fez questão de educar os filhos na fé e em valores fortes. Isabel sua filha irá honrar a sua memória ao se tornar na distinta Duquesa de Borgonha.
Sissi, Imperatriz da Áustria e da Hungria viu os seus filhos serem afastados de si por uma sogra controladora. Apenas a última filha Maria Valéria viveu a seu lado e tornou-se na sua verdadeira obsessão.
Já Maria Antonieta confessava em surdina o medo que sentia da sua mãe a imperatriz Maria Teresa.»

CAPApeq_eu_sara_me_confessoEu, Sara, me ConfessoSara Norte (Oficina do Livro)
«Filha de pais atores, Vítor Norte e Carla Lupi, Sara Norte cedo mostrou interesse pelo mundo artístico, quer através das suas brincadeiras de criança quer pela vontade de participar ativamente no meio e, com a sua simpatia e profissionalismo, acabou, também, cedo por encantar quem a viu em cena.
Aos quatro anos fez o primeiro anúncio televisivo. Posteriormente muitos outros. Entrou na Rua Sésamo, aos oito anos na ópera Falstaff, aos doze na famosa série televisiva Médico de Família e, anos depois, na telenovela Lusitana Paixão. As suas convicções eram fortes e o sonho era ir estudar Teatro para Londres, mas também fazer um curso superior que lhe permitisse ter segurança profissional e financeira. Tudo era disciplinado e fazia sentido, até um dia… o dia em que a sua estabilidade emocional e familiar abalou e o seu mundo desabou!
Sara passou por muitas fases más, negras até. Dos sofrimentos familiares ao mundo da droga, da cocaína, aos comprimidos de extasy, às consecutivas viagens a Marrocos para traficar haxixe que acabaram por culminar na sua detenção e prisão.
Agora, Sara Norte está decidida a lutar e a vencer. E espera, num futuro mais longínquo, construir a sua própria família, com a estabilidade que não teve e ser feliz a fazer aquilo que mais gosta: representar.»

 civ-ilhaA Ilha da Aventura – O Mistério das Grutas dos Assobios – Helen Moss (Civilização)
«Quando o Scott e o Jack Carter têm de ficar com a sua tia-avó durante o verão, preparam-se para as férias mais aborrecidas de sempre. Mas depois conhecem a Emily e o seu amoroso cão, o Drift. A Emily mostra-lhes o farol, o castelo e as fantásticas grutas dos assobios. Segundo a lenda, quando as grutas pararem de assobiar, o castelo será atacado e é exatamente isso que acontece!
São roubados tesouros incalculáveis e a Emily e os rapazes estão determinados a investigar o caso. Como é que o tesouro foi roubado do castelo? Porque é que as grutas deixaram de assobiar? Será que os três amigos vão conseguir resolver o mistério a tempo de apanharem o ladrão?
Esta é a primeira de uma nova séria de emocionantes aventuras com muitos mistérios para descobrir!»

Blogue A Filactera lançou a revista de BD Calafrios!, publicação online grátis de histórias de terror

calaO blogue A Filactera, de Filipe Azeredo, lançou uma revista de BD grátis, chamada Calafrios!, dedicada a histórias de terror da década de 1950.
As suas paginas são ocupadas com histórias curtas ilustradas por autores como Alex Toth e Basil Wolverton. Segundo A Filactera, «o objectivo da Calafrios! é divulgar em português algumas obras praticamente desconhecidas do lado de cá do Atlântico mas que fazem parte da História dos horror comics».
As histórias publicadas neste primeiro número, traduzidas por Ana Patrícia Azeredo, são O Navio Fantasma, O Monstro do Pântano e O Cadáver que Veio Jantar.
A revista pode ser lida online (ISSUU) ou transferida para o computador ou tablet em PDF ou CBR.
Para deitarem a mão à Calafrios!, basta ir aqui.

«O Livro do Anjo» – Alfredo Colitto

ca-O Livro do AnjoHá livros que nos surpreendem. No meu caso, O Livro do Anjo, de Alfredo Colitto, editado pelo Clube do Autor, foi um deles.
Peguei-lhe convicto de que iria servir para me entreter em tempo de férias, uma leitura descontraída, um «policial» no século XIV, mas pouco mais do que isso. E se não tivesse passado disso já teria sido bom, afinal era o que eu procurava. Mas, era algo mais, pois não só se revelou um bom retrato de época, Veneza em 1313, como apresenta uma boa história, bem pensada e apresentada, reforçada com personagens plausíveis e cativantes. Ou seja, Alfredo Colitto, autor que eu desconhecia, mas a que vou estar agora mais atento, sabe prender a atenção do leitor.
Escolher Veneza como cenário é uma opção segura, mas é preciso saber agarrá-la, e Colitto assim o fez, descrevendo a cidade com uma vida e um pulsar magnéticos, com cor e movimento, de um modo quase cinematográfico, muito visual.
Veneza não é uma cidade como as outras e naturalmente já não o era no século XIV, e portanto não é de estranhar que possa praticamente ser considerada uma verdadeira personagem. Tudo se passa da maneira que se passa porque se está em Veneza, e o autor aproveita-se bem disso. Depois, lançou lá uma série de personagens cativantes, começando pelo protagonista, Mondino de Liuzzi, um médico com «jeito para detetive» que é levado a investigar o homicídio de um judeu, que entretanto morre na prisão. Tudo está relacionado com o Sefer-ha-Razim, o Livro dos Mistérios que teria sido ditado pelo anjo Raziel a Noé. A vertente religiosa, sempre presente neste tipo de obras e quase inevitável, é introduzida de um modo natural, cruzando-se harmoniosamente com uma outra história paralela, esta dizendo respeito aos templários. Pelo meio, ou melhor, como motor do enredo, está, como também é natural, uma feroz ânsia de poder, motivada por razões que caberá ao leitor descobrir.
Tal amálgama de temas foi bem gerida por Colitto que, apimentando a obra com crimes horrendos e sangrentos, doseia e gere com sabedoria o ritmo da história, prendendo o leitor com pormenores lançados aqui e acolá de modo a que o interesse na leitura seja constante, equilibrado e duradouro.
A mim prendeu-me mais do que eu esperaria. Haja surpresas assim.

Autor: Alfredo Colitto
Título Original: Il Libro dell’Angelo
Editora: Clube do Autor
Tradução: Maria Irene Bigotte de Carvalho
Ano de Edição: 2013
Páginas: 296
Sinopse: «1313. A cidade de Veneza fervilha com os preparativos para a festa da Ascensão até que a maré alta traz à porta da Basílica de São Marcos os cadáveres de três crianças cristãs que haviam sido crucificadas. Um crime tão hediondo tem de ser expiado sem demoras. Eleazar de Worms, judeu, é acusado do homicídio e acaba por morrer na prisão. Na cela onde foi encarcerado, Eleazar deixa escrita uma misteriosa frase em latim. Porque a terá escrito com o seu próprio sangue? Qual o seu significado?
Afinal, a macabra descoberta pode ter ligação com o Sefer-ha-Razim, o Livro dos Mistérios que, segundo a lenda, foi ditado pelo anjo Raziel a Noé que, por sua vez, o terá transcrito numa pequena «tábua» de safira. Mondino de Liuzzi, médico anatomista, parte para Veneza na tentativa de ilibar o judeu. Quando este morre, Liuzzi decide continuar a investigar. O médico rapidamente percebe que terá de lutar contra os mais poderosos da cidade ao mesmo tempo que se encontra frente a frente com a mulher que ama e com aquela que amou no passado — e talvez ainda ame. Sendo ele próprio perseguido, conta com a ajuda do seu amigo Gerardo para chegar à verdade. O jovem, outrora membro da Ordem dos Templários, tem também uma missão: pôr a salvo o precioso mapa de Lamberto de Saint-Omer, que indica o caminho para as Terras Austrais, para lá do oceano. Mondino, desafiando o poder de Veneza e arriscando a própria vida, terá de descobrir o enigma de uma antiga linhagem de guardiães que remonta aos tempos do dilúvio, numa história de intriga, mistérios e morte.»

«Uma Breve História de África» – Gordon Kerr

Breve Historia de AfricaQue Libéria viria de liberdade já eu calculava, vem de liber, mais precisamente, mas que Monróvia, a capital, vem de Monroe, presidente norte-americano, é que me era desconhecido. Vem tudo explicado em Uma Breve História de África – Das Origens da Raça Humana à Primavera Árabe, obra do escocês Gordon Kerr editada pela Bertrand, mas não se trata de um livro de curiosidades. É, como o nome indica, um livro de história. Há pormenores que para mim se transformaram em curiosidades porque, na verdade, me eram completamente desconhecidos. E acredito que o sejam também para inúmeros de vós que me leem neste momento.
A verdade é que África, apesar de aqui tão próxima (por exemplo, a distância que separa Lisboa de Madrid em linha reta é de 503 quilómetros, enquanto da nossa capital a Rabat, em Marrocos, são apenas 561 quilómetros), na sua essência continua a ser-nos desconhecida. Sim, é verdade, se calhar conhecemos bem Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe, mas porque nos unem laços históricos. Mas, o que se passou nesses territórios antes de lá chegarmos, ou antes de chegaram os outros colonizadores ocidentais a África? Quanto a isso pouco se sabe, mas é possível começar a conhecer algo mais lendo este Uma Breve História de África, livro escrito de forma sucinta e clara, e assim a chave ideal para começar a abrir as portas do conhecimento.
Gordon Kerr não se alonga em grandes descrições e explicações, nem em julgamentos, e muitos haveria a fazer dada a profusão de guerras e conflitos que assolaram (e assolam) o continente africano. Limita-se o autor a ser factual, cabendo a quem lê, caso o entenda, fazer os seus juízos. Recolhidas estas pistas, poderá o leitor partir para outras leituras mais específicas, desenvolvendo o seu conhecimento sobre o berço da civilização.
Uma boa leitura para quem pretenda que África seja algo mais do que as nossas cinco ex-colónias ou de que um mero destino turístico.

Autor: Gordon Kerr
Título Original: A Short History of Africa: From the origins of the human race to the Arab Spring
Editora: Bertrand
Tradução: Pedro Carvalho
Ano de Edição: 2013
Páginas: 184
Sinopse: «África. O berço da civilização. Dos primórdios da era humana no continente africano pré-histórico à “chamada Primavera Árabe” de 2011, Gordon Kerr apresenta uma introdução abrangente à vasta história deste enorme continente.
Começa pelas origens da raça humana e pelo desenvolvimento da tecnologia na Idade da Pedra, percorre as eras antiga e medieval e aborda o significado da presença árabe, os estados muçulmanos e o comércio transariano.
A obra prossegue com a ascensão e queda de estados-nação e reinos antes da chegada dos europeus; o Império do Gana, os reinos da Floresta e da Savana, Ioruba, Oyo, Benim, Ashanti, Luba, Luanda, Lozi e muitos outros, o início do comércio de escravos, bem como as conquistas europeias e a colonização da áfrica subsariana, a “Corrida por África”.
Por fim, o autor avança para os frequentes e amargos conflitos pela independência, começando no período de colonização e exploração do continente, e culminado com a análise da África do século XXI.»

Hoje há novo Nobel nas livrarias: «O Herói Discreto», de Mario Vargas Llosa

PrintO Herói Discreto, assim se chama o novo romance de Mario Vargas Llosa, escritor peruano que conquistou em 2010 o Nobel da Literatura. A obra, editada pela Quetzal, sai hoje (20 de setembro) e sucede a O Sonho do Celta e ao conjunto de ensaios A Civilização do Espetáculo, dedicados ao estado da cultura na atualidade.
Mario Vargas Llosa, que nasceu em março de 1936 no Peru, abandonou o seu país em 1959 para ir estudar na Universidade Complutense de Madrid, passando depois a residir em Paris. A seguir, passou pela Grécia, de novo Paris, Londres e Barcelona, até que em 1974 regressou ao Peru, onde conseguiu finalmente, dedicar-se em exclusivo à literatura e ao jornalismo. Depois, e até ao Nobel… foi o que se viu: A Tia Júlia e o Escrevedor, A Festa do Chibo, A Guerra do Fim do Mundo, A Casa Verde ou O Paraíso na Outra Esquina.

Sinopse: «Felícito Yanaqué é um homem de cinquenta anos, respeitado pela comunidade e proprietário de uma empresa de transportes que fundou e fez prosperar na cidade de Piura, no noroeste do Peru. Sem instrução, oriundo de uma família pobre e gestor cuidadoso dos seus bens, Felícito conquistou tudo a pulso, de uma forma tranquila, discreta e constante, atributos que se poderiam também aplicar à sua personalidade. Casado, com filhos já adultos, Felícito Yanaqué mantém uma amante de longa data, exuberante beleza da cidade. E também outra relação – não de natureza sexual – com Adelaida, uma vidente cujo conselho Felícito segue quase sempre, quer se trate de negócios ou de matéria puramente pessoal ou, mesmo, íntima.
Tudo corre bem na sua cidade; tudo normal. Só que Felícito Yanaqué começa a receber cartas anónimas de extorsão; e quando a ameaça de represálias passa à concretização, Yanaqué decide resistir a tudo isto sem apoio, estoica e discretamente. Como um herói.»

Novidades Editoriais de Setembro (V)

alfa-coraCoração Tão Branco – Javier Marías (Alfaguara)
«Durante um almoço de família, Teresa, acabada de regressar de lua-de-mel, vai à casa de banho, olha-se ao espelho, desabotoa a blusa e mata-se com um tiro no coração. Muitos anos depois, este segredo continua a fascinar Juan, cujo pai foi casado com Teresa antes de casar com a sua mãe. Jovem e recém-casado, e ainda pouco adaptado à mudança de estado civil, Juan procura descobrir o motivo por trás do suicídio de Teresa. Só uma pessoa sabe porque Teresa o fez e guardou para si esse segredo obscuro durante muitos anos.
À medida que procura saber mais, Juan sentirá um mal-estar crescente, uma sensação de “desastre iminente” em relação ao seu próprio casamento. A chave desse mal-estar, porém, pode estar no passado, uma vez que o pai haveria de se casar três vezes antes de ele poder nascer…
Um romance hipnótico sobre o segredo, o dito e o não-dito, o casamento, a suspeita e a tentação. Uma história de corações brancos, que se vão tingindo e acabam por ser o que nunca quiseram ser.
Coração tão branco, profusamente premiado e unanimemente aclamado pela crítica espanhola e internacional, é já um clássico da literatura contemporânea.

pe-patioA Liberdade de Pátio – Mário de Carvalho (Porto Editora)
«Um homem é incumbido de transportar uma estranha caixa contendo uma cabeça. Um excelso professor vê-se condenado a passar o resto dos seus dias numa prisão deveras invulgar. A história por detrás da internacionalização de uma das maravilhas culinárias de Portugal. Quatro professores reformados que o destino uniu num jardim municipal decidem aliar as suas bibliotecas. Um frequentador assíduo do metro calha em faltar com a sua palavra, despertando a indignação de um dos funcionários. Um comandante da Marinha incapaz de aceitar um não. As memórias da iniciação sexual de um jovem, num tempo em que os tios tomavam a seu cargo essa tarefa. Sete contos. Sete histórias que representam a multiplicidade de registos na escrita inigualável de Mário de Carvalho.»
27 de setembro

tc-angolaMais um Dia de Vida – Angola 1975 – Ryszard Kapuscinski (Tinta-da-China)
«“Luanda não estava a morrer da forma que as nossas cidades polacas morreram na última guerra. Não havia ataques aéreos, não havia ‘pacificação’, não havia destruição de bairro após bairro. Não havia cemitérios nas ruas e nas praças. Não me lembro de um único incêndio. A cidade estava a morrer como morre um oásis quando o poço seca: esvaziou-se, prostrou-se inanimada, caiu no esquecimento. Mas a agonia viria mais tarde; naquela altura, havia uma actividade febril por todo o lado. Toda a gente estava cheia de pressa, toda a gente se ia embora. Toda a gente tentava apanhar o avião seguinte para a Europa, para a América, para qualquer lado.”
Ryszard Kapuscinski

“‘Mais Um Dia de Vida’, publicado originalmente na Polónia em 1976, é o relato de viagem por uma cidade que apenas existiu três meses: a Luanda entre o êxodo português e a proclamação da independência pelo MPLA.
É, por isso, um documento único. Talvez seja também bom jornalismo. É, sem dúvida, grande literatura.

Pedro Rosa Mendes, Prefácio»
27 de setembro

civ-suezRegresso ao Suez – Stevie Davies (Civilização)
«Regresso ao Suez é um drama humano e político envolvente, passado no período pós-guerra quando a Grã-Bretanha, o vencedor falido da Segunda Grande Guerra, tentou assumir-se como potência imperial num mundo totalmente alterado. O romance tem lugar imediatamente antes da Crise do Suez, que acabou por ser um modelo das futuras invasões do Iraque e do Afeganistão.
Nesta história comovente, a tragédia de Joe é a de um trabalhador comum da sua geração: é um homem encantador, bem-humorado e sentimental em quem a dose comum de racismo e misoginia ganha proporções doentias e dolorosas. Ailsa, inteligente, curiosa e ansiosa por explorar a realidade do Egito a que acaba de chegar, conhece, na viagem, Mona, uma palestiniana que a incentiva a desejar um mundo que está para lá dos seus horizontes.
Quando o melhor amigo de Joe é assassinado por terroristas egípcios, a relação entre Joe e Ailsa entra numa espiral de tragédia. Apesar de tudo, o amor resiste. Na velhice, a sua filha Nia recorda o passado e segue o rasto dos pais, atravessando o Canal do Suez acompanhada da agora idosa Mona. Foi dito a Nia que o seu pai era um herói da guerra: agora ela irá encarar uma dolorosa verdade.»

ac-velocidadeA Velocidade dos Objectos Metálicos – Tiago R. Santos (Clube do Autor)
«Tiago R. Santos, autor das séries “Conta-me como Foi” e “Liberdade 21” e dos filmes “A Bela e o Paparazzo” e “Call Girl”, estreia-se nos livros com A Velocidade dos Objectos Metálicos, um romance intenso e surpreendente que questiona os valores do mundo em que vivemos. Partindo do universo repressivo de um colégio de Lisboa, o livro segue a vida de alunos e professores, onde o passado e as experiências da adolescência estão sempre presentes, como tatuagens que nunca precisam de ser retocadas.
O livro retrata um universo marcado pela violência gratuita, o medo, a tentação do abismo e a amizade, que se manifestam de formas inesperadas. Deuses e homens procuram uma ordem, mas boicotam-se a eles próprios. A provar, a todo o momento, que o mundo dos adultos não é feito para crianças.»
19 de setembro

ca-livrariaA Minha Pequena Livraria – Wendy Welch – (Clube do Autor)
«A história de A Minha Pequena Livraria não é ficção, aconteceu. As pessoas são reais e a livraria existe. E também por isso, este livro é altamente recomendado a todos quantos têm um coração em forma de livro.
Wendy e Jack sempre sonharam ter uma livraria, por isso, quando trocaram os exigentes empregos por uma vida mais simples numa cidade mineira no interior dos Estados Unidos, aproveitaram uma inesperada oportunidade de perseguir esse sonho. E conseguiram. Contra todas as probabilidades, mas com muita determinação, otimismo, perseverança e um amor incondicional pelos livros, mais do que estabelecer um negócio, o casal consegue criar uma comunidade em torno da sua livraria.
Atualmente, Wendy e o marido, o cantor escocês Jack Beck, são donos da Tales of the Lonesome Pine Used Books, na pequena cidade de Big Stone Gap, nos EUA. A Minha Pequena Livraria conta a sua história e a forma como este casal, dois gatos, dois cães e três mil e oitocentos livros ajudaram uma pequena cidade a abrir o seu coração através do poder transformador dos livros. E eis a prova de que vale sempre a pena perseguir os nossos sonhos.»
19 de setembro

ca-navegadorA Epopeia do Eterno Navegador – Maria Antonieta Moreira Costa (Clube do Autor)
«Em Lisboa, na época das descobertas, pululam escravos e vive-se uma atmosfera efervescente. Cristãos, judeus e mouros coabitam numa harmonia aparente, marcada pela ação repressiva da Inquisição. É neste tempo de mudança que Luís Vaz de Camões encontrará o seu primeiro amor proibido, fará grandes amigos e privará com o profeta Bandarra. Entre as intrigas palacianas e a aventura épica por terras de Magrebe e nos mares do Oriente, o poeta encontrará o seu destino.
Eis um romance que levará o leitor a uma viagem ao centro do mundo e a conhecer uma vida de amores e infortúnios, um fado cruel e duro, mas que Camões cumprirá, intrépido, legando-nos uma obra genial.»
19 de setembro

pla-sacrletScarlet – Marissa Meyer (Planeta)
«Em Cinder, o primeiro livro, recontava-se a história da Cinderela. Neste segundo livro, ficamos a conhecer a história futurista do clássico Capuchinho Vermelho.
Neste livro temos duas histórias paralelas: a continuação das aventuras de Cinder que se cruza com Scarlet, uma rapariga do campo que vive no outro lado do mundo e que se depara com o misterioso desaparecimento da sua avô.
A par destas duas personagens femininas não podia faltar uma nova personagem masculina – Wolf –, enigmática e fascinante que irá cativar os leitores.
A história revela-nos mais sobre a vida de Cinder na Terra, da sua natureza cyborg e a plena consciência dos seus dons particulares e da sua natureza lunar…»
19 de setembro

pla-vozA Voz dos Deuses – A Idade dos Cinco – Livro III – Trudi Canavan (Planeta)
«Depois de A Sacerdotisa da Luz, e O Tecedor de Sonhos, chega agora o último livro desta trilogia, que tem cativado os fãs de autores como George R.R. Martin e Juliet Marillier.
Uma fascinante e envolvente saga de um mundo mágico, de heróis e heroínas, de deuses e de amores proibidos.
Uma história que chega agora ao fim, soberbamente escrita, e uma trama intensa que tornam este livro obrigatório para os amantes de fantasia com qualidade.
Como a promessa de paz morre, os dois povos estão mais uma vez a caminhar inexoravelmente para a guerra.
Apesar da sua esperança de paz como protectora de Siyee, Auraya não consegue evitar ser apanhada no meio do conflito. Ela sente que tem de escolher entre aqueles que ama e os que jurou servir.
Mirar desfruta a aceitação e o respeito que recuperou entre o seu povo, e Emerahl é por fim capaz de se juntar aos Pensadores para a busca do Pergaminho dos Deuses.
Os Pentadrians estão determinados a vingar-se dos Circlians conquistados, urdindo um esquema para os derrubar, evitando o conflito directo.
Porém, a chave poderá encontrar-se entre os Selvagens, que embarcam numa busca de segredos enterrados há muito.
Segredos que podem mudar o mundo…»
19 de setembro

pla-biblioteA Bibliotecária – Logan Belle (Planeta)
«A jovem Regina Finch adora livros e sente-se feliz porque conseguiu o seu emprego de sonho: trabalhar na New York Public Library. Mas o que parecia ser a promessa de uma rotina tranquila no meio de clássicos da literatura revela-se um irresistível jogo de sedução quando conhece o enigmático Sebastian Barnes, mecenas da biblioteca e um dos homens mais cobiçados da cidade.
Um dia Regina descobre por entre os corredores do santuário bibliotecário uma tórrida cena sexual entre Sebastian e uma funcionária.
Incapaz de desviar o olhar, esconde-se e observa. Uma mistura de repulsão e desejo consome Regina e uma paixão despertará na jovem sensações jamais imaginadas.
Sentindo-se perdida com o misto de emoções que sente, uma tarde repara num livro e mergulha na vida de Bettie Page, a rapariga ingénua que foi convertida na modelo-fetiche mais popular do mundo, e no próprio despertar sexual de Bettie Page.
Com estes trunfos, Regina espera descobrir a sua destreza sexual e seduzir o homem que ama.»
19 de setembro

art_Horta_peq1Uma Horta Para Ser Feliz – Marc Estévez Casabosh (Arteplural)
«Quer transformar a sua casa num autêntico jardim comestível? Não importa onde viva ou quanto espaço tenha: alfaces na varanda, tomates no terraço, abóboras em vasos e morangos no pátio das traseiras, onde haja um pouco de espaço, luz – e vontade! –, pode haver uma horta.
Hoje em dia, são bastante reconhecidas as propriedades e os benefícios da horticultura, e multiplicam-se à nossa volta as hortas urbanas, familiares, coletivas e escolares. O cultivo ecológico de alimentos está a espalhar-se como… um pé de hortelã! Afinal, ter uma horta representa a possibilidade de contemplar os ritmos da natureza, de relaxar, de se divertir e ainda por cima comer alimentos mais saudáveis, frescos… e baratos!
Uma Horta para Ser Feliz é um livro muito prático e acessível que lhe permitirá começar a “semear” a sua felicidade! Mesmo que nunca tenha mexido em terra fresca ou já seja um “jardineiro de fim de semana”, este livro está recheado de bons conselhos, dicas úteis e toda a informação que precisa para obter a melhor comida que alguma vez provou – a cultivada por si!
27 de setembro

mp_adolescentesbxUm Bom Filho Volta Sempre – Fernando Alberca (Matéria-Prima)
«Como educar e deixar crescer um adolescente com tranquilidade e sabedoria.
Descubra e aproveite a adolescência, aprenda a torná-la mais fácil (para si e para eles) e disfrute de uma fase decisiva na vida do seu filho.
Um livro de referência sobre a disciplina e psicologia na adolescência.
O que pensa e sente o adolescente?
Porque tem certos comportamentos e como devem reagir os pais?
Como se aumenta a auto-estima de um adolescente?
Como podemos interpretar os seus gestos e palavras?
Como fazê-lo compreender que os seus pais não são o inimigo e estão do seu lado, mesmo quando o corrigem?
De acordo com Fernando Alberca a adolescência é uma das fases mais importantes na definição da personalidade do ser humano. É aqui, mais do que na infância, que os pais podem ter um papel determinante e decisivo no que será o adulto de amanhã.
Com este livro os pais irão sentir-se mais seguros e orientados na relação nem sempre fácil com o seu filho adolescente.»
19 de setembro