“O Miúdo que Pregava Pregos numa Tábua” – Manuel Alegre

Vou ter de recorrer, para descrever este livro, a uma expressão que, sinceramente, detesto, mas, na verdade, de momento não me ocorre uma outra mais apropriada: “É uma delícia.” Talvez, se no futuro descobrir algo que substitua este “é uma delícia”, venha aqui ao texto e faça a troca, mas, na verdade, quem me lê agora já não o vai saber, e quem me ler na altura, nunca saberá que eu achei O Miúdo que Pregava Pregos numa Tábua “uma delícia”. Mas, isso agora pouco importa, na altura se verá.
A verdade é que o novo livro de Manuel Alegre, uma novela, recentemente editado pela Dom Quixote, é um verdadeiro page turner (agora este texto tornou-se mais técnico e com menos alma), mas não no sentido que costuma ser aplicado aos best-sellers que enchem os tops das livrarias, construídos de forma a prender o leitor. O Miúdo que Pregava Pregos numa Tábua prende o leitor de uma forma, digamos, “natural”, desinteressada.
Trata-se de um livro muito pessoal pois retrata episódios de uma infância (e outros já mais à frente na idade) que, na essência, é a de Alegre (não podemos menosprezar o papel da imaginação), onde ele toma contacto pela primeira vez com o processo criativo, uma “história” entre muitas outras, todas, nota-se, relatadas com sentimento, com orgulho, com nostalgia. Há referências familiares (os pais, os avós a irmã), geográficas (Porto, Espinho, Paris), de gostos (a caça), que ajudam a “explicar” a personalidade de Alegre, que se dá a conhecer pela perspectiva de um miúdo ansioso por conhecer o mundo que o rodeia.
É, portanto, um livro em que dá conhecer uma parte bastante importante da sua vida, aquela que o levou a ser aquilo que é hoje. É, também, um livro de reconhecimento, agradecimento, homenagem às pessoas que o influenciaram e “orientaram”, nomeadamente Sophia de Mello Breyner Andresen e Miguel Torga, entre outras referências mais “familiares”.
Mas, acima de tudo, porque é isso que na verdade interessa ao leitor, é um livro muito interessante e agradável de ler, independentemente de abordar a infância de Alegre, sobre um miúdo que pregava pregos numa tábua. Uma história bem contada e bem escrita. E o que mais se pode querer de um livro, seja ele uma novela ou romance?

Actual Editora lança “Enriquecer”, de Mark Tier

A Actual Editora vai lançar Enriquecer, de Mark Tier, um novo título da Colecção Conselhos de Quem Sabe, assim como Aprender a Ser Gestor, de Linda Hill, e a versão em audio-livro de Free – O Futuro é grátis.

Enriquecer – Mark Tier
Sobre o livro: «Mark Tier demonstra neste livro os segredos que tornaram Buffett, Icahn e Soros os três investidores mais ricos do mundo. Os três seguem religiosamente os mesmos hábitos e estratégias mentais, muito diferentes da tradicional mentalidade do Wall Street. Por exemplo:
– Buffett, Icahn e Soros não diversificam. Quando compram, compram tudo o que podem.
– Não estão focados nos lucros que esperam fazer. Eles não investem pelo dinheiro.
– Não acreditam que os grandes lucros envolvem grandes riscos. Na verdade, estão muito mais concentrados em não perder dinheiro do que em ganhá-lo.
– Nunca lêem os relatórios de Wall Street, nem estão interessados no que os outros pensam. Buffett diz que só lê os relatórios de analistas quando precisa de dar uma gargalhada.
Com este livro poderá avaliar se tem investido da melhor forma, e comparar as suas próprias estratégias de investimento com as estratégias utilizadas por Buffett, Icahn e Soros. Pode ainda descobrir como deve aplicar o seu dinheiro para conseguir construir riqueza ou melhorar os seus resultados de investimento.»

Aprender a Ser Gestor – Linda Hill
Sobre o livro: « Em Aprender a ser Gestor, a autora ajuda o leitor a enfrentar a desafiante transição de um jovem talento para um gestor competente. Linda Hill oferece aos potenciais gestores conselhos para ultrapassarem esta difícil transição. Uma obra sobre como liderar, ganhar confiança e respeito, motivar, e encontrar o equilíbrio certo entre a delegação e o controlo. Com testemunhos instrutivos, este é um livro de referência imprescindível no percurso de formação de qualquer gestor.»

Free – O Futuro é Grátis – Chris Anderson
Sobre o audio-livro: «Segundo o autor Chris Anderson, oferecer produtos pode fazer aumentar as receitas de um negócio. No bestseller A Cauda Longa, este autor demonstra como a internet fez com que os produtos e os consumidores se interligassem de uma forma inédita. Em Free – O Futuro é grátis é apresentado o conceito de “grátis” para conquistar mais receitas. Um guia prático para ter sucesso nos negócios que pode ouvir facilmente numa viagem de automóvel ou num leitor de música.»

Colecção Arrepios está de volta com a nova série TerrorLândia

A colecção Arrepios, uma criação de R.L. Stine, está de volta às livrarias portuguesas, desta vez por mão da Porto Editora. A 8 de Abril chegam os seis primeiros títulos, integrando uma nova série intitulada TerrorLândia.
A acção decorre na TerrorLândia, um enorme parque temático que o autor descreve como o local mais assustador do mundo. Em cada livro, segundo a editora, “uma criança é atraída ao parque e aí reencontra vilões e heróis dos livros da colecção anterior, que lhes proporcionam aventuras de arrepiar”.
Os seis títulos são: A vingança do boneco vivo, Trevas nas profundezas, Sangue de monstro pela manhã, O grito da máscara maldita, Dr. Maníaco vs. Robby Schwartz e Onde está a múmia?.

Passatempo Presença – “Observações”, de Jane Harris

O Porta-Livros tem para oferecer (em parceria com a Editorial Presença) três exemplares de Observações, romance de época da autoria de Jane Harris.
O primeiro leitor que desde já ultrapasse o seguinte desafio será presenteado com um livro. Os outros dois vencedores serão encontrados por sorteio a realizar entre todos os restantes participantes que até às 23h59 de 6 de Abril (terça-feira) respondam acertadamente às três questões.
A lista de vencedores será publicada neste blog e os mesmos serão avisados por e-mail.
Para encontrar as respostas certas basta, por exemplo, fazer uma pequena busca neste blog.

1 – A quem pertence a mansão onde vai trabalhar a protagonista de Observações, Bessy Buckley?

2 – Que exigência faz Arabella à sua nova criada?

3 – Em que universidade estudou a autora do romance, Jane Harris?

As respostas devem ser enviadas por e-mail para blogportalivros@gmail.com
Juntamente com as respostas, os participantes devem enviar os seus dados, nomeadamente: NOME, MORADA e E-MAIL.
Cada vencedor receberá oportunamente, por correio, enviado directamente pela Presença, o livro com que foi premiado.
Só podem participar residentes em Portugal.

Shirley Jackson chega a Portugal através da Cavalo de Ferro com “Sempre Vivemos no Castelo”

A Cavalo de Ferro vai editar a 4 de Abril uma autora norte-americana até agora inédita em Portugal que considera estar ao nível de Flannery O’Connor. Trata-se de Shirley Jackson, que chega aos leitores portuguesas com o título o Sempre Vivemos no Castelo. (Na imagem o postal promocional da editora.)

Aqui fica o prometedor primeiro parágrafo: «Chamo-me Mary Katherine Blackwood. Tenho dezoito anos e vivo com a minha irmã Constance. É frequente pensar que se tivesse tido um pouco de sorte poderia ter nascido lobisomem, porque o anular e o dedo médio das minhas mãos têm o mesmo comprimento, mas tive de me contentar com aquilo que tenho. Não gosto de me lavar, nem de cães ou barulho. Gosto da minha irmã Constance, de Ricardo Coração de Leão e do Amanita phalloides, o cogumelo da morte.
Todas as outras pessoas da minha família estão mortas.»

Novo romance de Glenn Cooper, “O Livro das Almas”, chega a 7 de Abril

A Planeta lança a 7 de Abril O Livro das Almas, de Glenn Cooper, que se trata da sequela de A Biblioteca da Morte, obra ainda há pouco tempo editada por esta mesma editora e que vendeu mais de um milhão de exemplares em todo o mundo.

Sinopse: «Uma verdade chocante jaz entre as páginas dos livros de uma velha biblioteca, fechada no interior de um complexo de alta segurança nos confines do deserto do Nevada. E o governo dos EUA fará tudo o que estiver ao seu alcance para conservar esse segredo. Agora, um grupo obscuro de ex-funcionários quer que o mundo saiba, por muito aterrorizadora que essa verdade possa ser. Quando um só volume misteriosamente desaparecido da colecção original emerge numa casa de leilões londrina, o grupo convence o antigo agente do FBI Will Piper a ajudá-los a encontrá-lo e a desvendar, de uma vez por todas, o segredo que jaz no coração da biblioteca. Viajando para Inglaterra, Will descobre que o texto encontrado contém um soneto que encerra uma série de pistas – pistas essas que mostram que o livro teve um efeito profundo na história da humanidade. Perseguido pelos guardiões dos segredos da biblioteca, Will acabará por testemunhar que a verdade é demasiado poderosa para permanecer escondida.»

Passatempo Editorial Presença – “Observações”, de Jane Harris

O Porta-Livros vai realizar hoje (30 de Março), às 11h00, em parceria com a Editorial Presença, um passatempo em que oferecerá três exemplares de Observações, um romance de época de Jane Harris, a editar a 6 de Abril. Este é o romance de estreia da autora, que ganhou o Waterstone’s Book of the Month (Abril 2006), o USA Book of the Month Club’s First Fiction Prize (2007) e foi incluído na lista Waterstone’s 25 Authors for the Future.
Temos para oferecer três exemplares deste romance, que serão oferecidos ao primeiro leitor que responda acertadamente a três questões relativas ao livro e a outro dois concorrentes através de sorteio. Participarão no sorteio todos os restantes concorrentes que acertem nas três questões e que respondam até às 23h59 de 6 de Abril.
Esteja atento, às 11h00 será lançado o passatempo.

Sinopse: «Em plena época vitoriana, Bessy Buckley, uma irlandesa de 15 anos, encontra um lugar de criada numa mansão isolada que pertence à encantadora Arabella Reid e ao seu marido, um político com ambições. Arabella faz-lhe várias e intrigantes exigências entre as quais a de que descreva, num diário, as suas tarefas e os seus pensamentos mais íntimos. Apesar de tudo Bessy afeiçoa-se à sua patroa, mas acaba por descobrir que a mansão esconde segredos surpreendentes. Uma sátira inteligente à hipocrisia vitoriana, bem-humorada e com um enredo que cria um suspense psicológico subtil.»

A autora: «Jane Harris nasceu em 1962, na Irlanda, cresceu em Glasgow e estudou na Universidade de East Anglia. Publicou vários contos e realizou diversas curtas-metragens que foram premiadas.»

Ahab lança “Winesburg, Ohio”, clássico do norte-americano Sherwood Anderson

A Ahab Edições acaba de lançar mais uma obra, desta vez optando pela literatura norte-americana do início do século XX. Winesburg, Ohio é um romance de Sherwood Anderson (1876-1941), que nasceu em Clyde, no Ohio, povoação que lhe serviu de inspiração para este livro, considerado por Paul Auster “uma das grandes obras-primas da literatura norte-americana”. 

Sobre o livro: «Winesburg, Ohio é um vivo retrato de uma pequena povoação da América profunda. O fio condutor da narrativa é o jovem George Willard, um repórter do jornal local a quem os habitantes da povoação confidenciam as suas esperanças, sonhos e medos. Com uma escrita tão depurada como sensível, Anderson mostra-nos a vida íntima de figuras estranhas e comoventes marcadas pelo desassossego e pela solidão.
Winesburg, Ohio é considerada uma obra de referência da narrativa norte-americana e o quilómetro zero de onde partem, entre muitos outros, Hemingway, Faulkner, Cheever, Carver e Updike.»

“Wolf Hall” (Man Booker Prize 2009), de Hilary Mantel, à venda a 9 de Abril

Wolf Hall, de Hilary Mantel, romance vencedor do Man Booker Prize 2009, é posto à venda a 9 de Abril, numa edição da Civilização.

 Sinopse: «Inglaterra, década de 1520. Henrique VIII está no trono, mas não tem herdeiros. O cardeal Wolsey é o conselheiro do rei encarregue de obter o divórcio que o papa recusa conceder. Neste ambiente de desconfiança e necessidade aparece Thomas Cromwell, primeiro como secretário de Wolsey, e depois como seu sucessor. Cromwell é um homem muito original: filho de um ferreiro bruto, é um génio da política, um subornador, um galanteador, um arrivista, um homem com uma habilidade incrível para manipular pessoas e aproveitar ocasiões. Implacável na procura dos seus próprios interesses, Cromwell é tão ambicioso nos seus objectivos políticos como nos seus objectivos pessoais. O seu plano de reformas é implementado perante um parlamento que apenas zela pelos seus interesses e um rei que flutua entre paixões românticas e fúrias brutais.
De uma das melhores escritoras contemporâneas, Wolf Hall explora a intersecção de psicologia individual com objectivos políticos. Com uma grande variedade de personagens e uma rica sucessão de incidentes, recua na História para nos mostrar a Inglaterra dos Tudor como uma sociedade em formação, que se molda a si própria com grande paixão, sofrimento e coragem.