Monthly Archives: Janeiro 2012

Colecção José Jorge Letria enriquecida com «O Livro dos Dias» e «O Amor O Que É?»

O Clube do Autor acaba de lançar dois volumes da colecção José Jorge Letria, O Livro dos Dias, ilustrado por Simona Traina, e O Amor O Que É?, ilustrado por Catarina França.

O Livros dos Dias
«Quase todos os dias há, no nosso calendário, datas para celebrar que têm significado nacional e internacional e que nos ajudam a ser melhores cidadãos. De forma poética, o autor escreve sobre o que representam esses dias e sobre o modo como eles nos podem tocar e mobilizar para causas e valores. Cada poema vale por si, mas o conjunto tem o valor de um olhar sobre as coisas que vale a pena lembrar, nas datas certas, e que podem tornar este mundo melhor.»

O Amor O Que É?
«O amor faz bem a tudo e torna a nossa vida mais bela. Mas será possível definir o amor nas várias maneiras de o sentir e de o partilhar, tentando chegar aos mais pequenos e também aos mais crescidos? É o que José Jorge Letria faz neste livro. Se há muitas maneiras de dizer e sentir o amor, algumas delas estão neste livro que é bom para ler e para dar às pessoas de quem gostamos e que nos enchem o coração de ternura, num tempo tão cheio de egoísmo, incerteza e medo. Vamos todos pensar e dizer que o amor é a melhor maneira de salvarmos este mundo e de o fazermos viver em paz.»

Bertrand lançou «Dinheiro de Sangue», de David Ignatius

David Ignatius, autor de Corpo de Mentiras e de Jogo Duplo, acaba de lançar mais um thriller político, Dinheiro de Sangue. O romance do autor norte-americano, tal como os anteriores, foi editado pela Bertrand, líder neste género pois é também a responsável pela edição entre nós de Daniel Silva e Brad Thor.

Sobre o livro: «Alguém no Paquistão anda a matar os membros de uma unidade de inteligência da CIA que tenta comprar a paz aos inimigos da América. Cabe a Sophie Marx, uma jovem agente, descobrir os culpados e as suas razões. O seu ponto de partida é Londres, mas a investigação não tarda a alargar-se a vários outros pontos do globo.
Sophie parece ter um forte apoio de várias frentes, mas, à medida que se aproxima do cerne da questão, começa a perceber que nesta galeria de espelhos nada é aquilo que parece ser. Encontra-se perante um teatro de violência e vingança, do qual não poderia sequer ter imaginado o último ato.
Um romance inquietante e envolvente em que o preço das políticas adotadas é pago com sangue e a paz só é possível através da traição.»

«De Olhos Pousados em Deus» – Zora Neale Hurston

Não se deixem enganar pela capa nem pelo facto de De Olhos Pousados em Deus, da norte-americana Zora Neale Hurston, ter sido grandemente elogiado por Oprah Winfrey. Esta não é definitivamente uma obra de literatura cor-de-rosa; nem sequer é uma obra exclusivamente para o público feminino. É uma história de amor que tem por protagonista uma mulher. Mas como é uma boa história e está bem escrita, é indicada para todo o tipo de leitores. Para quem ainda estiver desconfiado, refiro então que este romance, originalmente editado em 1937, foi considerado pela revista Time um dos cem melhores romances de língua inglesa escritos entre 1923 e 2005.
A protagonista é Janie Crawford, uma mulher negra na casa dos quarenta que é alvo das bisbilhotices da vizinhança por causa da vida independente que leva e por ter vivido segundo lhe ditava o coração, o que na sociedade da época era difícil de aceitar, principalmente numa mulher… e negra. Assim, para que acabem as mexeriquices resolve contar à sua amiga Phoeby a história da sua vida, dos seus três casamentos, para que esta a transmita à comunidade inquieta. É esse o ponto de partida para conhecermos esta mulher corajosa. Nesses três casamentos, teve de tudo, primeiro um por imposição da avó moribunda que a fez casar, aos 16 anos, com um homem mais velho para que tivesse segurança na vida. Este obrigava-a a trabalhar arduamente e ela acaba por fugir com um homem cheio de ideias que do nada chega a presidente de uma câmara e a grande proprietário de terras. Após a morte deste, Janie, já com uma vida confortável, segue finalmente o amor, casando com Tea Cake, um amante da liberdade a quem os bens materiais pouco interessavam e que tinha dificuldade em criar vínculos. É a sua relação com Tea Cake o grande “momento” desta obra, pois por amor segue este homem “sem cabeça” cujo grande lema parece ser viver a vida sem preocupações. Por amor, Janie abdica do conforto e conquista a felicidade no meio da precariedade (a viver do trabalho sazonal que havia nas plantações) e é através da forma como enfrenta as adversidades que vemos a força desta mulher.
É óbvio que através da vida desta mulher, dos seus homens, dos seus amigos e inimigos, obtemos um retrato vivo de uma época atribulada (os primeiros anos do século XX no Sul dos EUA) onde as questões raciais eram muito vincadas e a distinção homem-mulher também muito forte, levando, portanto, Janie a ter de enfrentar não só preconceitos raciais como também sexistas.
Uma nota para a tradução cuidada de Maria João Freire de Andrade que respeitou a fonética dos diálogos encontrando em português boas soluções para os muitos erros e falhas presentes na fala pobre dos personagens – arranjou equivalentes na nossa língua que não quebraram o fluir do enredo, muito pelo contrário. E se de início parece complicado, não desistam, quando derem por ela já estão sob um alpendre a conversar alegremente com Janie, Tea Take e os outros. Assim, somos mais facilmente transportados para os ambientes criados por Zora Neale Hurston na descrição da história de Janie. E isso, neste tipo de obra, é tremendamente importante.

Autora: Zora Neale Hurston
Título original: Their Eyes Were Watching God
Editora: Clube do Autor
Tradutora: Maria João Freire de Andrade
Ano de Edição: 2011
Sinopse: «Contada pela voz cativante de uma mulher que se recusa a viver na dor, na amargura ou no medo, De Olhos Pousados em Deus apresenta-nos Janie Crawford, uma mulher negra de pensamentos e sentimentos profundos, que embarca numa demanda em busca do seu verdadeiro eu.
A viagem de Janie inicia-se aos dezasseis anos, quando a avó moribunda a obriga a casar com Logan Killicks, um homem mais velho que Janie despreza. Revoltando-se contra as tentativas de Logan em transformá-la numa moura de trabalho, Janie decide fugir com Joe Starks, um homem da cidade com grandes sonhos. Os dois seguem para Eatonville, onde, passado pouco tempo, Joe se transforma no seu presidente de Câmara, chefe dos correios e proprietário de terras.
Depois da morte de Joe, Janie apaixona-se por um trabalhador de espírito livre muito mais novo do que ela. Tea Cake é o verdadeiro amor de Janie e na sua companhia ela tem finalmente liberdade para se transformar nela mesma.»

Porto Editora lança colecção de literatura infantil chamada O Mundo das Histórias

A Porto Editora lança no final de Janeiro O Mundo das Histórias, uma nova colecção de literatura infantil de autores portugueses para crianças a partir dos cinco anos. Serão sempre abordado temas diferentes, “da realidade à ficção, do dia a dia das crianças ao mundo da selva e da fantasia”.
Os quatro primeiros títulos a chegar às livrarias são: Letras com Histórias, de Catarina Águas, Os Segredos de Constança, de José Braga-Amaral, Colar de Contos, de Leonor Mexia, e Ungali, de Elsa Serra, que contam com ilustrações, respectivamente, de Elsa Fernandes, Nósnalinha, Helena Simas e Carlota Flieg.

Letras com Histórias – Catarina Águas^
«Era uma vez um livro com muitas letras e histórias… Mas este é um livro especial: cada história destaca uma das letras do alfabeto! São histórias divertidas, repletas de personagens simpáticas e onde se encontram muitos exemplos de palavras começadas pela letra destacada. Certamente, este livro vai encantar os mais novos e auxiliará pais, educadores e professores a partirem com eles à descoberta das letras e dos seus sons de uma forma lúdica e divertida.

Os Segredos de Constança – José Braga-Amaral
«Era uma vez um livro com muitas letras e histórias… Mas este é um livro especial: cada história destaca uma das letras do alfabeto! São histórias divertidas, repletas de personagens simpáticas e onde se encontram muitos exemplos de palavras começadas pela letra destacada. Certamente, este livro vai encantar os mais novos e auxiliará pais, educadores e professores a partirem com eles à descoberta das letras e dos seus sons de uma forma lúdica e divertida.»

Colar de Contos – Leonor Mexia
«Colar de Contos é um desfiar de histórias ternas e simples. Tem primos e amigos, discussões e zangas, com lições de vida e dias normais. Tem cheirinho a Natal e malandrices de bruxas. Nascimento de irmãos ou serões em família. Como num colar, que conta a conta se fecha, também Colar de Contos dá a volta ao ano, com pequenas histórias que nos prendem uns aos outros…»

Ungali – Elsa Serra
«Quando não chove durante muito e muito tempo, os rios e as plantas secam, e os animais ficam sem água e sem comida. Como será que vão resolver este problema? Qual será o animal mais corajoso, que salvará todos os outros? Ungali é uma história surpreendente da selva africana, onde a magia também acontece.»

«Anjos na Neve», de James Thompson – um policial nórdico escrito por um americano

A Porto Editora lançou recentemente Anjos na Neve, novo título da colecção de policiais Alta Tensão e que é o romance de estreia de James Thompson. Trata-se de um americano que foi viver para a Finlândia, onde se inspirou para escrever este policial.

Sobre o livro: «O inspetor Kari Vaara é o protagonista deste romance que nos leva ao submundo violento e obscuro da Finlândia, onde a noite polar, kaamos, é a época mais lúgubre do ano. Quando uma bela imigrante somali aparece brutalmente mutilada num campo coberto de neve, com uma injúria racista gravada no ventre, Kari Vaara sabe que é crucial manter o crime em segredo, pois este seria um escândalo num país que convive mal com a sua xenofobia.
Por outro lado, as exigências da investigação começam a afetar o seu próprio casamento – Kate, a atual mulher, norte-americana, adapta-se mal à cultura e ao modo de vida finlandês. E o próprio Vaara vê-se inesperadamente confrontado com o passado: as suas suspeitas sobre o assassino da jovem somali recaem no homem por quem a sua primeira mulher o trocou…»

João Tordo, Stieg Larsson e Murakami em formato de bolso

No dia 28 de Janeiro chegam às livrarias quatro novos volumes da BIS, colecção de livros de pequeno formato da Leya, que desta vez optou por nomes como João Tordo (O Bom Inverno), Stieg Larsson (A Rainha no Palácio das Correntes de Ar), Haruki Murakami (Sputnik, Meu Amor) e Dr. Michael F. Roizen e Dr. Mehmet C. Oz. (You – Manual de Instruções – 2.º Volume).
Todos custam 7,50 euros, excepto o thriller de Stieg Larsson.

O Bom Inverno – João Tordo
«Quando o narrador – um escritor frustrado e hipocondríaco – se desloca a Budapeste para um encontro literário, está longe de imaginar até onde a literatura o pode levar. Planeando uma viagem rápida e sem contratempos, acaba por conhecer um escritor italiano mais jovem, mais enérgico e muito pouco sensato, que o convence a ir com ele até Sabaudia, em Itália, onde o famoso produtor de cinema Don Metzger reúne um leque de convidados excêntricos numa casa escondida no meio de um bosque.
Neste romance absorvente e magnificamente narrado, com alguns dos melhores diálogos da literatura portuguesa, João Tordo coloca a sua arte ao serviço de uma história carregada de suspense, em que o amor e a literatura se misturam com sexo, crime e metafísica, agarrando o leitor da primeira à última página.»

A Rainha no Palácio das Correntes de Ar – Stieg Larsson
«Neste terceiro volume da trilogia Millennium, Lisbeth Salander sobreviveu aos ferimentos de que foi vítima, mas não tem razões para sorrir: o seu estado de saúde inspira cuidados e terá de permanecer várias semanas no hospital, impossibilitada de se movimentar e agir. As acusações que recaem sobre ela levaram a polícia a mantê-la incontactável. Lisbeth sente-se sitiada e, como se isso não bastasse, vê-se ainda confrontada com outro problema: o pai, que a odeia e que ela feriu à machadada, encontra-se no mesmo hospital com ferimentos menos graves e intenções mais maquiavélicas… Os elementos da SAPO continuam as suas movimentações; Mikael Blomkvist tenta de todas as maneiras ilibar Salander; Dragan Armanskij, o inspector Bublanski e Anita Giannini unem esforços para que se faça justiça; Erika Berger sente-se também ameaçada; e quem é Rosa Figuerola, a bela mulher que seduz Mikael Blomkvist?»

Sputnik, Meu Amor – Haruki Murakami
«O narrador, um jovem professor primário, está apaixonado por Sumire, uma rebelde que conheceu na Universidade. Um dia, num casamento, Sumire conhece Mil, uma mulher fascinante e misteriosa, de meia-idade, por quem se apaixona loucamente, acabando por se transformar na sua secretária. Partem para a Europa, numa busca que as empurra para uma estranha e mútua descoberta, e também para um desenlace assombrado.»

You – Manual de Instruções – 2.º Volume – Dr. Michael F. Roizen e Dr. Mehmet C. Oz
«Numa época em que vivemos obcecados com o físico, a verdade é que pouco sabemos sobre o fascinante funcionamento do nosso corpo. Conscientes disso, os médicos Michael F. Roizen e Mehmet C. Oz juntaram-se para escrever um dos mais populares guias de saúde de que há memória. Ambos partiram do princípio de que mais vale prevenir do que remediar. E chegaram à conclusão de que o primeiro passo nesse sentido é o autoconhecimento – quanto mais soubermos sobre os nossos órgãos e a química que nos move, mais poder teremos para desenvolver um modo de vida saudável.
O que sabemos, realmente, sobre o nosso corpo? Que mitos devem ser quebrados? Quais os segredos do nosso coração, cérebro, sistema digestivo e reprodutor? Como cuidar de cada um deles?»

Pergaminho explica «Como Não Escrever um Romance»

Ora aqui está um livro essencial para aqueles (muitos) aspirantes a escritores que não compreendem a rejeição de que o seu manuscrito foi alvo por parte de tantas editoras. Para esses incompreendidos, que tal ler Como não escrever um romance, de Howard Mittelmark e Sandra Newman, livro a editar a 3 de Fevereiro pela Pergaminho? Ambos são autores e críticos literários com experiência em leitura de originais e, diz a editora, “revelam, com humor e perspicácia, o que não deve fazer-se quando se quer escrever um romance elegante, equilibrado e eloquente”. Mas atenção, eles às vezes podem ser duros.

Sobre o livro: «São inúmeros os manuscritos que chegam às editoras, mas serão todos possíveis de publicação?
Howard Mittelmark e Sandra Newman, autores e críticos literários com muita experiência em leitura de manuscritos inéditos, revelam, com humor e perspicácia, o que não se deve fazer quando se quer escrever um romance elegante, equilibrado e eloquente. Apresentam ainda alguns conselhos sobre o processo de contratação e de contactos com editoras.
Quase todos os manuais de escrita criativa concordam que a escrita é uma vocação que se trabalha ao longo do tempo e que não se pode simplesmente “aprender” a escrever bem. Pode-se sim, aprender como não escrever – ou seja, que erros fatais de narrativa, enredo, caracterização e estilo deve-se evitar a todo o custo (pelo menos a custo de vir a ser publicado).
Seja de terror, policial, romântico, histórico – Como não escrever um romance – é um guia indispensável para não se perder os caminhos da escrita.