Monthly Archives: Dezembro 2012

«Estrela do Mar», de Joseph O’Connor, foi a minha pérola literária de 2012

dq-estrelaNeste ano que agora termina mais uma vez li bons livros e alguns mais ou menos; uns quantos (raros) deixei-os no «pause» para outra (ou nenhuma) oportunidade próxima.
Aqui apresento a lista dos dez melhores que li em 2012, o que não quer dizer que sejam os que mais prazer me proporcionaram, até porque isso muitas vezes depende do estado de espírito com que os lemos.
Não me foi difícil seleccionar Estrela do Mar, do irlandês Joseph O’Connor, como o melhor, como poderão perceber ao ler aqui o que escrevi em Março sobre este magnífico romance. No top 3 figuram ainda Bar Flaubert, do grego Alexis Stamatis, e A Magia das Estrelas, do galês Tom Bullogh, obras face às quais não tinha expectativas mas que se revelaram belas surpresas. Como se vê, duas «estrelas» nos três primeiros lugares – será que o título tem assim tanta influência? 🙂
Uma nota final para dois ausentes. Para começar, uma obra que só estará ausente por já não me ser possível terminá-la antes do final do ano, dada a sua dimensão. Trata-se de O Corsário dos Sete Mares, de Deana Barroqueiro (Casa das Letras), que, a não ser que tenha uma parte final desastrosa (o que não me parece possível), estaria de certeza bem colocado neste top 10. O mesmo se aplica (a impossibilidade de terminar a leitura em tempo útil, mas não o tamanho) a Dr. No, de Ian Fleming (edição Contraponto), que se está a revelar um belo entretenimento neste ano em que 007 regressou em grande aos cinemas.

Capa_Magia das Estrelas_bxpe-bar1.º Estrela do Mar – Joseph O’Connor (Dom Quixote)
2.º Bar Flaubert – Alexis Stamatis (Porto Editora)
3.º A Magia das Estrelas – A Fabulosa Vida de Konstantin – Tom Bullogh (Matéria-Prima)
4.º Lágrimas na Chuva – Rosa Montero (Porto Editora)
5.º Arde o Musgo Cinzento – Thor Vilhjálmsson (Cavalo de Ferro)
6.º Persépolis – Marjane Satrapi (Contraponto)
7.º Os Filhos de Krondor – O Corsário do Rei – Raymond E. Feist (Saída de Emergência)
8.º Equador – Miguel Sousa Tavares (Oficina do Livro)
9.º Os Monstros Também Amam – Clara Sánchez (Matéria-Prima)  
10.º As Mais Belas Fábulas Africanas – Recolha de Nelson Mandela (Alfaguara)

Nota: O facto de ter lido estas obras este ano não implica que sejam uma edição de 2012, como o exemplifica Estrela do Mar, nomeadamente.

Feliz Natal!

CatxmasFeliz Natal para todos os amigos do Porta-Livros 🙂

(imagem «roubada» a Simon’s Cat, de Simon Tofield)

Alexandre Rocha estreia-se com «A Conspiração dos Fidalgos»

esq-fidalgosAlexandre Rocha, nascido no Rio de Janeiro no seio de uma família portuguesa e a viver em Portugal desde 2001, lançou recentemente o seu primeiro romance, A Conspiração dos Fidalgos, editado pela Ésquilo. É licenciado em Comunicação pela Universidade do Minho, onde é hoje em dia Gestor de Ciência e Tecnologia.

Sinopse: «No final do Século XVIII, a aristocracia canavieira do nordeste brasileiro vivia os seus últimos dias de esplendor, manchados por uma horrível cicatriz social: a escravidão negra.
As enormes quintas do sertão, conhecidas por engenhos de açúcar, como autênticas vilas, são muitas vezes povoadas por dezenas ou mesmo centenas de escravos envolvidos no cultivo da cana-de-açúcar. Comandados por um escasso número de colonos brancos, estes pouco ou nada sabem dos costumes religiosos dos negros.
No vilarejo de Nossa Senhora da Conceição, a vida de Miguel Herculano, ainda menino, será para sempre alterada assim que a fúria de um dos deuses africanos é supostamente despertada contra a família desta última geração de senhores da cana.
Relatando a sua vida desde a sua infância, passando pela sua educação e as primeiras paixões adolescência adentro, este protagonista fala-nos dos ocorridos funestos que enfrentou e que lhe reforçaram a convicção de que fora indelevelmente marcado algures no passado.
Fugindo de um destino ingrato e também por amor, Miguel Herculano será forçado a trocar o pequeno lugar onde cresceu pela luxuriante Lisboa do início do Século XIX. Que efeitos terá a vida agitada da corte, centro da metrópole, quando antes a única capital em que estivera fora São Salvador da Bahia? Ainda mais grave, o facto de chegar num dos piores momentos já enfrentados pela monarquia portuguesa, ameaçada então pelo poderio bélico napoleónico.
Aos poucos, vê-se envolvido numa das mais obscuras conjuras documentadas na história joanina, a “Conspiração dos Fidalgos”, levada a cabo por ninguém mais que a esposa do Príncipe Regente D. João VI, a Princesa Carlota Joaquina. Enquanto isso, terá a oportunidade de fazer novos amigos, cruzando-se com nomes como Bocage, um dos maiores poetas da nacionalidade, ou Alberto, uma metáfora da valentia e simplicidade do povo português. Procurando encontrar-se no meio de tantos acontecimentos, Miguel poderá acabar por perder-se nesta teia de intrigas e egos, definitivamente, para sempre, em especial quando o destino o coloca frente a frente, mais uma vez, com aquela que poderá ser a sua grande e verdadeira paixão…
Será possível que o encadear dos acontecimentos seja ditado por um mero capricho de um deus? E que saída terá Miguel, ao mesmo tempo com que se debate com as suas dúvidas amorosas, com os inimigos que a sua missão lhe impõe e com a iminência das invasões francesas napoleónicas à capital?»

«A Magia das Estrelas – A Fabulosa Vida de Konstantin» – Tom Bullogh

Capa_Magia das Estrelas_bxÉ bom quando um romance nos surpreende, não é? Confesso que à primeira vista (ou seja, quando vi a capa) este A Magia das Estrelas, editado pela Matéria-Prima, me deixou algo de pé atrás. Pareceu-me um livro assim do tipo… espiritual. Mas ao ver que se tratava de um romance baseado na história verdadeira de Konstantin Tsiolkovsky, que, no século XIX, se revelou um dos primeiros a acreditar que seria possível viajar no espaço, fiquei curioso. Primeiro constatei que a capa se desdobra (literalmente) numa agradável surpresa, e depois, e isso é efectivamemte o que mais interessa, pude verificar que o texto se «desdobra» num belo e cativante romance.
Trata-se da história de alguém que tem de enfrentar ao longo da vida uma constante série de adversidades, começando desde logo pelo facto de ter nascido numa região remota da Rússia Central, em Ryazan, junto ao rio Oka, cercado por frio, neve e, claro, lobos. Como se isso não bastasse, Konstantin fica surdo, infectado por escarlatina. Mas isso não o deteve e por entre as belas páginas descritivas de Bullogh, que quase nos faz sentir na pele o frio gélido russo, vemos Konstantin crescer, uma infância como a de qualquer outra criança mas onde revelou uma curiosidade aguçada, incidindo particularmente no funcionamento das máquinas. A era do vapor foi intensamente vivida pelo rapaz que, dada a sua demonstrada inteligência e engenho mesmo com parcos meios, acaba por ser enviado para a longínqua Moscovo – na altura, seria quase tão difícil ir a da Rússia Central a Moscovo, como hoje em dia da Terra ao Espaço.
Os ambientes são brilhantemente descritos pelo autor, tanto os rurais e nevosos como os citadinos, da buliçosa Moscovo, onde o nossa protagonista, vivendo no seio de grande pobreza, vai passando os dias na biblioteca a acumular a sabedoria que viria a fazer dele um professor apreciado, conhecido por efectuar experiências «bizarras» com as quais pretendia testar futuras possibilidades de se viajar até ao Espaço. É curioso que, numa fase inicial da sua estadia em Moscovo, passa pelas mãos e olhos de Kosntantin a Viagem à Lua de Júlio Verne que ele inicialmente entende tratar-se de um livro científico.
Este excelente retrato de época leva-nos assim de uma floresta gelada pejada de lobos até ao Espaço, com a vantagem de na viagem ficarmos a conhecer a vida preenchida do pioneiro Konstantin Tsiolkovsky.
Como curiosidade, refira-se que a acção começa com lobos na floresta, em 1867, e termina com lobos na floresta, cerca de um século mais tarde, na sequência de uma das pioneiras viagens espaciais. Um ciclo de cem anos que se fecha depois de alcançados grandes feitos pelo homem e de uma grande vida de um homem que contribuiu enormemente para essas conquistas já fora do nosso planeta.

Sinopse: «Estamos no Inverno de 1867, em Ryazan, uma cidade nas margens do rio Oka, na Rússia Central. Konstantin tem dez anos e os dias cheios de sonhos de voo — até Moscovo, até às estrelas distantes. Um dia, apanha uma constipação nos bosques gelados, perto de casa, e todo o seu mundo se torna silencioso. Surdo depois da escarlatina, as perspectivas de futuro parecem desesperadas. Apenas o seu encantamento pela nova era de mecanização e as suas extraordinárias visões acerca do futuro da humanidade parecem fazer chegar-lhe alguma esperança.
Para fugir à Terra, Konstantin aprende que tem de viajar a uma velocidade dez vezes superior à de uma bala de espingarda, e oitocentas vezes maior do que a de um comboio expresso. Mas como atingir tão incrível velocidade?
Tom Bullough, dá-nos a conhecer o ambiente de um país no final do século XIX. Das florestas infestadas de lobos, aos bordéis de Moscovo, dos confins da vida na aldeia, ao deslumbramento da Era do Vapor, de uma terrível tragédia à maravilhosa descoberta de um grande amor, A Magia das Estrelas, o brilhante e inspirador romance de Tom Bullough, conta-nos a história extraordinária, e real de Konstantin Tsiolkovsky, o primeiro homem a acreditar que viajar no espaço iria ser uma realidade. A história de um homem, da natureza e do ilimitado poder da imaginação.»

Autor: Tom Bullogh
Título original: Konstantin
Editora: Matéria-Prima Edições
Tradução: Maria do Carmo Vasconcelos
Ano de Edição: 2012
Páginas: 212

«O Lar da Senhora Peregrine Para Crianças Peculiares» – Ransom Riggs

capa_SenhoraPeregrineEste romance editado pela Contraponto é muito mais do que a capa possa sugerir. Parece um livro assustador, mas, não deixando de o ser, é isso sim uma bela história num mundo de magia e fantasia que não pode deixar de ser emocionalmente associada às aventuras de Peter Pan.
A primeira ideia do autor, Ransom Riggs, era publicar um álbum com uma série de fotografias antigas estranhas que descobrira, mas, desafiado pela sua editora, acabou por escrever um romance inspirado nessas mesmas imagens. Pois ainda bem que o fez, uma vez que dessa ideia nasceu a história de Jacob, um complicado adolescente americano de 16 anos (ainda mais complicado do que um teenager normal) muito ligado ao seu avô, um homem conhecido por contar histórias mirabolantes alegadamente verdadeiras. Após a morte do avô em circunstâncias estranhas e violentas, Jaco torna-se um rapaz ainda mais complicado e fechado em si próprio. Os pais acabam por concordar que a solução para tal pode passar por um melhor conhecimento do passado do avô. Assim, Jacob e o pai viajam então para uma ilha remota do País de Gales na senda do passado do seu avô e o rapaz acaba por literalmente  viajar no tempo até à Segunda Guerra Mundial. É que nessa ilha Jacob descobre numa casa abandonada um portal que dá acesso ao passado, onde finalmente verá esclarecidas todas as dúvidas em relação ao avô e a si próprio. Do outro lado do portal depara-se com um grupo de crianças peculiares, com quem irá espantar-se e viver grandes aventuras e desvendar mistérios de passado/presente.
Mesmo sendo uma obra com grande aposta nos diálogos, apresenta boas descrições de lugares e ambientes e presenteia o leitor com um final pleno de acção e emoção.
O romance, aparentemente, será vocacionado para os mais jovens, mas não duvidem de que é bem apropriado para os mais velhos dado o seu imaginativo e bem concebido enredo, capaz de assustar, intrigar e maravilhar.

PS – O livro está recheado com as tais fotos estranhas que Ransom Riggs descobriu.

Sinopse: «Uma ilha misteriosa. Uma casa abandonada e uma estranha coleção de fotografias peculiares.
Uma terrível tragédia familiar leva Jacob, um jovem de 16 anos, a uma ilha remota na costa do País de Gales, onde vai encontrar as ruínas do lar para crianças peculiares, criado pela senhora Peregrine.
Ao explorar os quartos e corredores abandonados, apercebe-se de que as crianças do lar eram mais do que apenas peculiares; podiam também ser perigosas. É possível que tenham sido mantidas enclausuradas numa ilha quase deserta por um bom motivo. E, por incrível que pareça, podem ainda estar vivas…
Um romance arrepiante, ilustrado com fantasmagóricas fotografias vintage, que fará as delícias de adultos, jovens e todos aqueles que apreciam o suspense.»

Autor: Ransom Riggs
Título original: Miss Peregrine’s Home for Peculiar Children
Editora: Contraponto
Ano de Edição: 2012
Páginas: 344

O Porta-Livros faz hoje 4 anos – obrigado a todos!

imageO Porta-Livros assinala hoje, 15 de Dezembro de 2012, o seu quarto aniversário e não podia deixar passar a data sem agradecer a todos os que visitam este blog, assim como aos que também o ajudam a alimentar, ou seja os escritores e autores e todos os representantes das editoras, que se têm mostrado tão cooperantes.
“Isto” começou por ser uma espécie de arquivo pessoal de textos mas depois foi crescendo e crescendo e hoje, depois de 861 270 visitas aos 2198 posts que já coloquei, penso que já é de todos e para todos.
Eu vou continuar por aqui a divulgar os livros e as letras, espero que também continuem  por aí a espreitar, sejam de Portugal ou do Brasil, ou vindos de outros sítios como Gabão, Haiti, Austrália, Bahamas, Belize, EUA, etc.
Beijos, abraços e boas leituras!
Rui Azeredo

Sugestões para um cabaz de Natal (Parte II – Os mais velhos)

Depois de ter montado e apresentado um cabaz de Natal para os mais novos, agora é a vez de preparar um para os «adultos». Ou seja, o que aqui faço, basicamente, é apresentar uma série de sugestões de prendas em forma de livro.
CAPA_MARILYN.inddO meu cabaz de Natal para um público mais «crescido» começa com um belo álbum dedicado a Marilyn Monroe, intitulado Fragmentos, que inclui poemas, cartas e notas íntimas da célebre actriz. São textos inéditos escritos pelo punho da sex symbol entre 1943 e 1962. O livro, editado pela Objectiva, tem prefácio de Antonio Tabucchi e apresenta ainda uma série de fotos de Marilyn no seu dia a dia, uma breve biografia e a reprodução do elogio fúnebre feito por Lee Strasberg, assim como as capas de alguns livros da biblioteca pessoal da actriz. Como curiosidade, pode referir-se que entres se contam The Secret Agent, de Conrad, Madame Bovary, de Flaubert, A Farewell to Arms, de Hemingway, e On the Road, de Kerouac.
O Corsário dos Sete Mares - Fernão Mendes PintoOutra excelente opção de prenda literária é O Corsário dos Sete Mares, de Deana Barroqueiro, romance histórico sobre Fernão Mendes Pinto e as suas viagens que nos leva, isso mesmo,  numa longa viagem de mais de 600 páginas. Do bom pedaço que já li deste livro retenho uma linguagem cuidada e rica que descreve pormenorizadamente, mas sem aborrecer, partes importantes da História de Portugal a um ritmo de aventura, traçando um vivo retrato da época dos Descobrimentos. Escrito com um detalhe precioso, o livro de Deana Barroqueiro, uma edição Casa das Letras, transporta-nos para uma outra época e faz de nós, leitores, testemunhas e participantes desta peregrinação pelo século XVI. Um livro de um colorido e uma vida excepcionais capaz de cativar quem gosta de História e/ou grandes aventuras.
Histórias Secretas de Reis PortuguesesJá que andamos pela História de Portugal, que tal vasculhar as Histórias Secretas de Reis Portugueses? Trata se de uma obra de Alexandre Borges, numa edição Casa das Letras, que nomeadamente fala de um rei que queria ser papa mas não foi, da república que teve um rei do Porto, de um monarca que perdia a cabeça com freiras e da rainha louca que trancou uma santa num baú.
CapaXSem sair da História mas saindo de Portugal, vamos viajar no tempo ate à Segunda Guerra Mundial. Este é precisamente o título do livro de Antony Beevor, historiador que nos leva desde a invasão da Polónia em 1939 até 1945 e o rescaldo da guerra. Trata-se de uma edição Bertrand e são mais de 1000 páginas resultado de uma exaustiva investigação.
sde-corsarioRegressando aos corsários, mas agora do mundo da fantasia, sugiro O Corsário do Rei, de Raymond E. Feist (uma edição Saída de Emergência),  segundo e derradeiro volume da série Os Filhos de Krondor, iniciada com O Príncipe Herdeiro – mas dá perfeitamente para ler isolado do primeiro volume. Este que é até agora o meu livro preferido do autor entre os que traduzi do autor conta a história de Nicholas, o filho mais velho do príncipe Arutha, que se aventura até bem longe da sua pátria para resgatar duas amigas, mas que se depara com algo de dimensões bem maiores, que pode pôr em risco todo o mundo de Midkemia. Trata-se de um verdadeiro romance de aventuras, com viagens marítimas, abordagens, piratas, lutas, etc. Ou seja, um romance de aventuras à antiga!

ts-alexMontes de acção
Para quem gostar de livros trepidantes, uma boa opção é oferecer Alex Cross, um policial de James Patterson, autor norte-americano que vende milhões por todo o mundo. Se duvida que este livro, editado pela Topseller,  tem um ritmo alucinante, repare neste pormenor: são 377 páginas, e dentro delas cabem 121 capítulos. Ou seja, pouco mais de 3 páginas por capítulo para contar a história de um polícia de Washington, Alex Cross, que vê a sua mulher ser assassinada à sua frente por um desconhecido. Uns anos mais tarde, abandona a polícia e torna se psicólogo e um bem-sucedido escritor de policiais. Quando a vida parece ter regressado a normalidade, o seu antigo parceiro na polícia aparece  e pede-lhe ajuda para capturar um assassino e Alex Cross nem imagina que estará prestes a enfrentar o causador da morte da sua mulher. Alex Cross chegará em breve às salas de cinema, tal como…
asa-reacherJack Reacher. Este é o nome da personagem criada por Lee Child e que será interpretado por Tom Cruise, num filme a estrear pouco depois do Natal. A ASA lançou recentemente 61 Minutos, thriller onde Jack Reacher se depara, no meio do Dakota do Sul, com uma violenta tempestade de neve e um acidente com um autocarro turístico. Reacher irá arriscar a vida para proteger uma importante testemunha, ameaçada por um assassino.

os irmaos sisters PRODDo western às histórias de amor
Outro tipo de aventura e o que nos propõe Patrick DeWitt com Os Irmãos Sisters, um western à antiga cuja acção decorre em 1851, a era da corrida ao ouro na Califórnia. Os protagonistas deste livro editado pela Alfaguara são os dois irmãos Eli e Charlie, que se fazem à estrada para cumprir uma missão. O alvo deles é um homem misterioso envolvido na prospecção de ouro. Vão ter de o abater mas após uma grande odisseia constatam tratar-se do inventor de uma fórmula mágica que pode fazer muita gente rica.
CapaNoutro tipo de registo, sugiro Erri de Luca, nome de referência da literatura italiana cujo seu mais recente romance, Montedidio, foi editado pela Bertrand. Trata-se de uma história passada em Nápoles, mais precisamente num dos seus bairros, Montedidio, ou seja, Monte de Deus. O protagonista é um rapaz de treze anos que aprende um ofício, o italiano e o ammore – com dois emes. Em segredo, treina-se para fazer voar um pedaço de madeira e entretanto um seu amigo, um velho sapateiro judeu vindo do Norte da Europa, vê finalmente chegar a realização de uma profecia, sob a forma de um bater de asas…
pe-cadaCada Dia, Cada Hora, de Nataša Dragnić, lançado pela Porto Editora, conta a história de Dora e Luka que sentem, «cada dia, cada hora», estar destinados um ao outro. Em crianças eram inseparáveis, até que a família de Dora parte da pequena cidade croata onde viviam. Dezasseis anos mais tarde, o destino volta a uni-los, mas em Paris. Mas, como seria de esperar, nem tudo são rosas…

121202 CAPA.inddLembra-se de A Laranja Mecânica?
A Laranja Mecânica, livro de Anthony Burgess que ficou imortalizado pela versão cinematográfica de Stanley Kubrick, está a comemorar 50 anos, pois a sua primeira edição data de 1962. A Alfaguara lançou recentemente a edição especial deste livro, que recupera o texto do romance tal como o autor o concebeu. Além disso, o livro inclui uma série de entrevistas, artigos e recensões, assim como reproduções do manuscrito com anotações e ilustrações. Mas não é tudo… esta edição inclui também um glossário de Nadsate, a língua inventada por Burgess neste romance.

plv-ermidaBanda desenhada
Por fim, duas sugestões de banda desenhada. Comecemos por A Ermida, de Rui Lacas, álbum editado pela Polvo que se inspirou na Ermida Nossa Senhora da Conceição, integrada na iniciativa cultural e pluridisciplinar Projecto Travessa da Ermida. O livro relata as peripécias do padre Fortunato vividas na Travessa do Marta Pinto, em Belém, onde se localiza o Projecto Travessa da Ermida. Com um enredo em torno de uma procissão e de jóias roubadas, esta história termina com um final insólito e surpreendente.
osirisOsíris, da série Keos, criada por Jacques Martin, um dos meus autores preferidos de BD, era para sair em Janeiro, mas a nova editora NetCom2 decidiu (e ainda bem) antecipar o lançamento para 18 de Dezembro. Neste primeiro álbum da série vemos como após a Morte de Ramsés II e de o seu escudeiro ter sido levado para morrer com ele, o filho deste, o jovem Keos, se torna órfão e amigo e conselheiro do novo faraó Minepath e de Moshe (Moisés). Este último vê em Keos o mais nobre dos filhos do Egipto.