Passatempo Mill-Books – Ganhe exemplares de “Os Senhores da Vida e da Morte”, de Carlos Almeida

mb-srs-corvosO Porta-Livros, em associação com a editora Mill Books, tem para oferecer três exemplares de ““Os Senhores da Vida e da Morte”, de Carlos Almeida.

Partindo do tema desta obra o autor, Carlos Almeida, propõe aos nossos leitores um desafio: Escreva numa frase um exemplo ou definição de esplendor da vida. As três melhores ideias recebem um livro cada.

Até às 23h59 do dia 6 de Maio podem enviar as vossas sugestões para o mail rui.azeredo@gmail.com . Os participantes devem indicar o nome, morada e endereço electrónico.

As melhores respostas serão posteriormente analisadas em conjunto com o editor da Mill-Books, Luís Miguel Rocha, e com o autor.

Os vencedores serão anunciados na segunda semana de Maio no Porta-Livros.

“Meninos de Ninguém”, de Ana Cristina Pereira, apresentado no Porto e em Braga

ul-meninos1A Ulisseia e a Direcção-Geral de Reinserção Social apresentam a 29 de Abril, no Porto, a obra “Meninos de Ninguém – O caso Gisberta e outras histórias”, assinada pela jornalista Ana Cristina Pereira. A sessão de apresentação vai ter lugar às 22h00, no Armazém do Chá, na Rua José Falcão, e conta com a presença de Amílcar Correia (jornalista do Público) e de Luís Fernandes (professor da faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto). Será lido um excerto da obra pelo actor Rui Spranger.

No dia 30 de Abril, será feira a apresentação em Braga, na feira do livro local, a partir das 21h30. O escritor José Manuel Mendes estará encarregue de falar sobre a obra.

 

Mais informações em: www.meninosdeninguem.wordpress.com

Caminho lança a 14 de Maio “O Caderno do Algoz”, do estreante Sandro William Junqueira

cam-caderno2A Caminho continua a apostar na nova literatura portuguesa e no dia 14 de Maio vai lançar “O Caderno do Algoz”, de Sandro William Junqueira.

Da obra em si ainda pouco foi divulgado, sabe-se apenas que o autor se assume como um escritor disposto a “criar um universo próprio, um território novo”. William Junqueira, sobre o “O Caderno do Algoz”, disse: “Não sei se rompe ou não com a tradição, nem estou preocupado com isso. Quero apenas exercer a liberdade e autoridade que a escrita me dá. Sem fazer favores, nem obedecer a normas.”

Sandro William Junqueira nasceu em 1974 em Umtali na Rodésia. Em 1976 regressou a Portugal e em 1998 começa a trabalhar como designer. Um ano mais tarde, juntamente com o Paulo Quaresma, fundou o grupo de teatro A GAVETA. Desde aí, tem trabalhado como responsável artístico, encenador e actor. A partir de 2002, publicou com regularidade poesia e contos em revistas e fanzines. Em 2007 iniciou um trabalho regular em escolas e bibliotecas com a criação e interpretação de diversos ateliers e espectáculos vocacionados para a promoção do livro e da leitura.

Bertrand lançou “Visibilidade”, novo thriller de Boris Starling

Capa.cdrA Bertrand acabou de lançar no mercado mais uma obra de Boris Starling – autor de “Vodka”, “Tempestade” e “Messias” – intitulada “Visibilidade”.

Neste trepidante thriller, há um homem que guarda um segredo que pode mudar o mundo. Contudo, terá ele tempo suficiente para o revelar?

A acção começa em Londres em Dezembro de 1952, numa altura em que a Guerra Fria se mostrava cada vez mais quente. A capital inglesa viu-se envolvida numa combinação mortal de poluição com condições meteorológicas adversas, que ficou conhecida como o Grande Nevoeiro. Este fenómeno foi responsável por mais de 12 000 mortes. Um homem encontra a morte nas águas baixas e geladas da Long Water e embora haja quem diga que estava apenas bêbado, vagueando no Hyde Park, para Herbert Smith, novo detective da Scotland Yard, o corpo torna-se uma pista muito mais interessante ao descobrir que a sua morte não foi acidental. A vítima era um bioquímico e poucas horas antes de morrer tinha reclamado estar na posse de um segredo que podia mudar o mundo.

O autor, Boris Starling, nasceu em 1969 em Eaton, onde estudou e viveu até se dedicar à sua licenciatura em História, feita em Cambridge. Boris Starling, que vive em Londres, trabalhou numa companhia de serviços que iam desde as investigações confidenciais até à negociação de raptos. Foi jornalista do The Sun e do The Daily Telegraph.

Passatempo Mill-Books – “Os Senhores da Vida e da Morte”, de Carlos Almeida

senhores1O Porta-Livros, em mais uma parceria com a Mill-Books, vai lançar amanhã (30 de Abril) um passatempo relativo ao lançamento de “Os Senhores da Vida e da Morte”, obra de Carlos Almeida recentemente chegada às livrarias

Temos para oferecer três exemplares desta obra, numa iniciativa que apelará à imaginação dos leitores. O desafio será apresentado amanhã de manhã, quando serão dados mais pormenores sobre esta iniciativa.

 “Os Senhores da Vida e da Morte” tem a particularidade de surgir em duas capas distintas: edição Senhores da Morte (tem dois corvos) e a edição Senhores da Vida (ilustrada com mãos).

Esta obra, densa e intensa e apresentada em forma de mosaico de vidas, lança uma série de questões: “Mas afinal onde começa a vida e onde acaba? E onde a nasce a morte? Afinal será este corpo o todo da vida ou seremos muito mais do que a sua simples existência? E onde começam a fronteiras mais verdadeiras do nosso pensamento? A moral, a religião, a ética, o direito à morte, o direito à vida, a eutanásia…? Será que a eutanásia se resume às leis escritas ou também se rege pela lei mais frontal de todas, a da consciência? E onde termina o domínio da religião para explicar o sofrimento? E o medo de perdermos alguém poderá provocar-nos o medo de viver? Até onde os medos nos podem condicionar a vida?”

E, lembra, também: “É sempre cedo demais para se morrer, mas nunca é tarde demais para se começar a viver.”

Edições 70 apresenta “As Sete Maravilhas do Mundo Antigo – Fontes, Fantasias e Reconstituições” a 30 de Abril, em Coimbra

e70-maravilhasO livro “As Sete Maravilhas do Mundo Antigo – Fontes, Fantasias e Reconstituições”, lançado pela Edições 70, vai ter lugar a 30 de Abril (quinta-feira), pelas 18h30, na Almedina do Estádio Cidade de Coimbra.

A obra, assinada por diversos autores, será apresentada por António Filipe Pimentel, do Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras de Coimbra.

“As Sete Maravilhas do Mundo Antigo – Fontes, Fantasias e Reconstituições” faz uma recolha, tradução e comentário das fontes gregas, latinas e cristãs sobre a tradição das sete maravilhas do mundo antigo (As Pirâmides de Gizé, Os Jardins Suspensos de Babilónia, A Estátua de Zeus em Olímpia, O Mausoléu de Halicarnassus, O Templo de Ártemis em Epheseus, O Colosso de Rhodes e O Farol de Alexandria, no Egipto). Inclui um estudo de cada maravilha do cânone, acompanhada do elenco das fontes antigas que nos chegaram.

A equipa de autores é formada por investigadores doutorados, especialistas em Estudos Clássicos, História, Arqueologia e Patrística, das universidades de Lisboa, Coimbra e Minho.

Gailivro lança “Amanhecer”, de Stephenie Meyer, a 9 de Junho

gai_amanhecer_finalAmanhecer”, de Stephenie Meyer, sem dúvida um dos livros mais aguardados do ano, chega a 9 de Junho às livrarias portuguesas, sendo editado, tal como os anteriores da saga, pela Gailivro.

A capa definitiva já está escolhida (pode ser observada mesmo aqui ao lado) e também já é possível ler as primeiras páginas desta obra que não vai desiludir, por certo, os fãs das aventuras destes vampiros muito especiais.

Finalmente, será dado um desenlace à história de Bella, Edward e Jacob, e quando tudo parece encaminhar-se para uma solução, nomeadamente após o surgimento de um novo ser na vida deste trio de protagonistas, surge uma situação que poderá pôr em causa todo o equilíbrio das suas vidas, e não só. Num crescendo constante de emoção, chega-se, no final, ao momento mais aguardado, que colocará frente a frente muitos dos eternos desavindos desta saga, num encontro emocionante e com um desfecho imprevisível.

Deixamos, de seguida, a sinopse do sucessor de “Crepúsculo”, “Lua Nova” e “Eclipse”:

“Amares aquele que te matava, deixava-te sem qualquer opção. Como poderias fugir ou lutar, se ao fazê-lo magoarias o teu amor? Se a tua vida era tudo o que tinhas para dar, como recusá-la a alguém que amavas verdadeiramente?

Para Bella Swan, o amor irrevogável por um vampiro enreda-se, de um modo fantástico e terrível, com a realidade perigosamente opressiva. Impelida, num sentido, pela paixão intensa por Edward Cullen e, no outro, pela ligação profunda ao lobisomem Jacob Black, Bella enfrentou um ano tumultuoso de tentações, perdas e conflitos que agora a irá colocar perante um momento final e decisivo. A escolha eminente entre ingressar num mundo tenebroso, mas sedutor dos imortais, ou prosseguir uma existência inteiramente humana é o fio do qual se suspendem os destinos dos dois clãs.

Agora que Bella já tomou uma decisão, uma cadeia perturbante de acontecimentos sem precedentes está prestes a desenrolar-se, antevendo efeitos potencialmente devastadores e incomensuráveis. Quando os fragmentos corroídos da sua vida, inicialmente desvendada em ‘Crepúsculo’ e, depois, estilhaçada e dilacerada em ‘Lua Nova’ e ‘Eclipse’ parecem prestes a sarar e a unir-se num todo, poderão ser destruídos… para sempre?”

 

O primeiro capítulo pode ser lido aqui:

 

http://glups.leya.com/index_intro.php?action=getFlash&publicacao_id=271

“O Príncipe do Rio” – Manuel Alegre e Danuta Wojciechowska (ilustrações)

o_principe_do_rioO poeta e romancista Manuel Alegre lançou, em parceria com a ilustradora Danuta Wojciechowska, um livro infantil que é, acima de tudo, um convite à imaginação. O seu título, “O Príncipe do Rio”, sendo uma edição da Dom Quixote. 

Através de João, o protagonista desta bela história, quem lê este livro vê-se envolvido num mundo de fantasia, onde é difícil (felizmente) discernir o real da imaginação. Essa é, aliás, a grande dificuldade de João, quando, durante uma das suas pescarias no rio, sob um frondoso salgueiro, ouve uma voz misteriosa a falar com ele. Não era mais do que príncipe que estava aprisionado naquela árvore e que já antes se lamentara a um rouxinol relativamente à sua tristeza por ninguém o ver, dado a sua pequenez. Por ser tão pequeno e praticamente invisível a olho o nu, o príncipe resolver falar para ser ver notado, no fundo ganhar vida. Foi pela voz que conquistou o seu direito a que nele reparassem.

Mas, quando João contou aos pais que tinha ouvido uma voz, não acreditaram nele e disseram que tudo não passara de imaginação, uma forma de ultrapassar as horas solitárias gastas na pesca.

João voltou ao rio e voltou a ouvir a voz, revelando-lhe o príncipe que só poderia sair da árvore e reconquistar o seu reino e o seu povo se alguém nele acreditasse, ou seja, se o visse. Naturalmente, não há uma conclusão óbvia neste livro, já que, tal como sucede a João, é dado espaço à imaginação do leitor. Essa é a mensagem da história, a imaginação permite-nos criar um mundo belo a partir de quase nada, sendo apenas necessário colher as pequenas coisas que se nos deparam no dia-a-dia.     

As ilustrações de Danuta Wojciechowska são uma boa ajuda para o leitor criar o seu mundo imaginário, embora possam parecer algo inacessíveis, de início, ao público infantil mais jovem, habituado a imagens de mais fácil apreensão.

“Eu e as Mulheres da Minha Vida” – Tiago Rebelo

pre-mulherTiago Rebelo, autor de obras como “O Último Ano em Luanda” e “O Tempo dos Amores Perdidos”, acaba de relançar na Presença “Eu e as Mulheres da Minha Vida”, romance que já fora editado em 2003, mas então sob a assinatura de João Tomás Belo.

Trata-se de um romance que se pode ler de uma assentada, escrito de forma ligeira e que conta uma história que por muitos terá sido vivida ou que, pelo menos, muitos já terão ouvido contar da boca de um amigo ou de uma amiga: um homem que, aos 35 anos, saturado da sua vida rotineira de marido e pai, dá por si envolvido com uma mulher que de início imaginou inacessível e para a qual não teria unhas.

Quase sem saber como, foi promovido no seu emprego e chega a director do banco onde era um amorfo funcionário. Foi nessa altura que, também quase sem saber como, a sua colega Cátia, a quem sugestivamente chamavam Monica Bellucci, revela ter interesse nele. Enfadado com a sua vida, envolve-se com ela, achando estar a viver um sonho. É claro que, esgotado o efeito novidade, essa nova relação acaba também ela por se tornar rotineira e o sonho vira pesadelo. Só que, nessa altura, a vida do marido (chama-se Zé, neste caso) estava já toda desordenada, vendo-se completamente incapaz de por ordem na casa. Junta à primeira uma segunda amante e entretanto começa a constatar que afinal de quem sente falta é da mulher, a genuína.

Portanto, é uma história já muitas vezes contada, especialmente no boca a boca, e que Tiago Rebelo resolveu passar à escrita, criando um romance muito leve e descontraído que pode ser lido de uma assentada. Não faltará quem se identifique com o enredo ou, pelo menos, com episódios do mesmo. A obra tem os seus momentos divertidos e vive, essencialmente, das personagens masculinas e dos seus diálogos, bastante vivos – era um livro que daria, por exemplo, uma peça de teatro bem animada, ou uma série despretensiosa. No cinema poderia dar uma comédia ligeira, mas isso é algo que em Portugal é uma espécie de sonho irrealizável. Se bem que se o Zé conquistou a Monica Bellucci…

Em conclusão, “Eu e as Mulheres da Minha Vida” é um livro para ler como puro entretenimento, sem outras perspectivas que não seja ver no papel aquelas histórias que toda a gente ouve contar. Mas não se pense que é um livro só para homens, muito pelo contrário, aqui as mulheres poderão observar uma faceta da psicologia masculina.  

Actual Editora lança em Abril “Deslocalização” e “Gerir a Carreira”

act-deslocalizacao_1239047019A Actual Editora lançou em Abril duas novas obras, “Deslocalização – Tendências Críticas em Economia e Gestão”, de Diana Farrell, e “Gerir a Carreira”, de vários autores.

Segundo a primeira destas obras, a deslocalização permite às multinacionais conseguirem um maior lucro a custos mais baixos, o que resulta num impulso na produtividade para a economia global. Porém, os lucros da deslocalização não fluem directamente para as pessoas envolvidas, nomeadamente os trabalhadores das economias desenvolvidas, transferidas pela deslocalização.

“Gerir a Carreira” reúne os conselhos exclusivos dos líderes de topo do mundo dos negócios. Cada autor partilha pequenos episódios pessoais de cariz inesperado, oferecendo ao leitor conselhos práticos baseados na sua experiência de anos de esforço.