Monthly Archives: Junho 2010

William Gaddis e Kjell Askildsen no Julho da Ahab

A Ahab lança a 15 de Julho duas novas obras, Ágape, Agonia, do norte-americano William Gaddis, e Um Repentino Pensamento Libertador, do norueguês Kjell Askildsen.

Um Repentino Pensamento Libertador – Kjell Askildsen
«Kjell Askildsen é reconhecido como uma das vozes mais singulares e intensas da narrativa breve contemporânea. A sua escrita concisa e dolorosamente eficaz, o humor negro que destila e a sua capacidade para iluminar as tragédias da vida quotidiana são alguns dos traços deste escritor norueguês, por muitos considerado o Raymond Carver europeu. Neste volume reúnem-se alguns dos seus melhores contos, seleccionados pelo próprio autor, entre eles Um repentino pensamento libertador e o aclamado Últimas notas de Thomas F. para o público em geral, que em 2006 foi eleito pelo jornal Dagbladet a melhor obra de ficção publicada na Noruega nos últimos 25 anos. Em todos eles, Askildsen surpreende as suas personagens em cenários quotidianos, aparentemente insignificantes, para desvelar, com a cumplicidade do leitor, os profundos sismos da alma.»

Ágape, Agonia – William Gaddis
«Jack Gibbs, figura do elenco de JR e narrador de Ágape, Agonia, dirige-se a nós do seu leito de morte e não é um narrador feliz. O seu corpo atraiçoou-o, e o mundo é uma merda e está dominado por tecnocratas.
E o seu romance – em que está há anos a trabalhar – desfaz-se em pedaços soltos e desconexos.
Resta pouco tempo para voltar a afirmar a mesma coisa de sempre: a tecnologia nunca poderá suplantar a criatividade dos homens. De modo que adeus à pontuação convencional e olá ao livre fluir da consciência e à livre associação de ideias que permitem ao narrador – ao orador, num quase delírio de agonizante – invocar tanto Glenn Gould como John Kennedy Toole, Miguel Ângelo e Tolstói, para destilar uma derradeira poção mágica, um tónico para tentar obter o ‘ágape’: a sensação amorosa de se ser uno com o mundo celebrada pelos primeiros e nada buro­cráticos escritores cristãos.
Não o consegue, claro. Mas no fracasso de Gibbs reside o triunfo de Gaddis, alertando-nos, do Além, para a invisível mas indubitável música da entropia.
E este pequeno grande livro é isso, na realidade: um tractat derradeiro, uma última vontade e um desejo final de que, pelo menos, tentemos com­preender o incompreensível. E depois veremos o que fazer a esse respeito.»
Do Prefácio de Rodrigo Fresán

“Fetiche”, de Tara Moss, engrossa colecção Alta Tensão

A Porto Editora lança a 8 de Julho o segundo volume da colecção Alta Tensão. Desta vez é uma obra da australiana Tara Moss, intitulada Fetiche, que assim sucede a O Projecto Janus, de Philip Kerr.

Sinopse: «Makedde Vanderwall é estudante de Psicologia Forense e, nas horas vagas, modelo internacional. Contactada pela agência para realizar alguns trabalhos de moda e relançar a sua carreira, viaja até Sydney, aproveitando a oportunidade para visitar a sua melhor amiga, Catherine Gerber. Mas as passarelas e as intrigas do mundo da moda depressa perdem importância quando Mak tropeça literalmente no corpo mutilado da amiga. Catherine é a mais recente vítima do “assassino dos stilettos”, um homicida cruel que sequestra as suas presas e as tortura, para em seguida as matar. Incapaz de se afastar da investigação, Mak ver-se-á enredada num mortífero jogo do gato e do rato, longe de saber que ela própria se tornou na obsessão de um sádico psicopata…»

“Relato Secreto da Implantação da República” desvendado pela Guerra & Paz

A Guerra & Paz lança a 12 de Julho, a propósito do centenário da República, O Relato Secreto da Implantação da República Feito pelos Maçons e Carbonários, uma obra organizada por Costa Pimenta, que também assina o prefácio.
O livro, informa a editora, revela os relatórios oficiais sobre a implantação da República elaborados, em 1910, pelos próprios agentes do movimento revolucionário – maçons e carbonários. Segundo a nota de imprensa da Guerra & Paz, “através dos textos confidenciais agora desvendados, o leitor recordará o nome de Magalhães Lima, a quem se deve fundamentalmente a implantação da República, conhecerá o Código Fundamental da República Portuguesa, aprovado pela Assembleia Nacional Constituinte em 1911, e ficará mais familiarizado com a Maçonaria e Carbonária – os seus fins, métodos e juramentos secretos”.
Costa Pimenta, autor de Salazar, o Maçon, é magistrado e investigador do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa.

Porto Editora lança “As Nove Plantas do Desejo”, de Margot Berwin

O romance As Nove Plantas do Desejo, de Margot Berwin, sai a 8 de Julho, lançado pela Porto Editora. Segundo a Porto Editora trata-se de uma obra vocacionada para o público feminino com um enredo de cariz exótico e cosmopolita. O livro deverá ser adaptado ao cinema no próximo ano, com o papel principal a ser representado por Julia Roberts, igualmente produtora do filme.  

Enredo: «Pouco depois do divórcio, a publicitária Lila Nova compra a sua primeira planta.
Trata-se de uma exuberante estrelícia e o vendedor é David Exley, um agrossexual rude, que promete fazê-la ver estrelas. Lila fica imediatamente obcecada – pelas plantas e pelo homem que as vende – mas, quando David a inicia no mito das nove plantas do desejo e depois de ela conhecer um homem chamado Armand que diz possuí-las todas, a sua obsessão alcança dimensões inesperadas. Porque, segundo a lenda, se ela encontrar todas as plantas, verá cada um dos seus desejos mais profundos realizado.
Mas Lila confia em quem não deve e, em breve, ver-se-á envolvida numa aventura inesperada: no coração do Iucatão, sozinha, com uma mochila carregada de guias turísticos e um champô demasiado caro, acabará por desvendar os mistérios da selva – e da sua própria vida.»

Yann Martel regressa oito anos depois com “Beatriz e Virgílio”

6 de Julho é o dia marcada pela Editorial Presença para a chegada de Beatriz e Virgílio, o novo livro de Yann Martel, o escritor canadiano autor do best-seller A Vida de Pi, com o qual ganhou o Man Booker Prize 2002.

Sinopse: «Henry, um escritor reconhecido, decide escrever um livro, meio ficção e meio ensaio, como forma de abordar todos os aspectos de um mesmo tema. Completamente desencorajado pelos seus editores, desiste do projecto e vai viver para outra cidade. Aí, contudo, continua a receber cartas de leitores e, um dia, um taxidermista escreve-lhe a pedir ajuda. Henry apercebe-se então de que estão ambos a tentar escrever sobre o mesmo tema. Um livro polémico e provocador, que confirma o autor de A Vida de Pi, o Man Booker Prize de 2002, como um dos mais surpreendentes escritores canadianos da actualidade.»

João Morgado estreia-se no romance com “Diário dos Infiéis”

João Morgado, director do site Kaminhos.com, formador e consultor de comunicação e imagem, estreia-se no romance com Diário dos Infiéis, obra editada pela Oficina do Livro. O livro será lançado a 2 de Julho – com apresentação do escritor Manuel da Silva Ramos e de Marcelo Teixeira, editor da Oficina do Livro – às 17h00, na Biblioteca Municipal da Covilhã, e às 21h00, na Biblioteca Municipal de Castelo Branco

Sobre o livro: «Quatro casais, oito personagens e a pergunta que nos assalta quando percebemos o fim: ainda me amas? Não sabem o que os faria felizes, nem se lembram do dia em que sentiram o peso da solidão, em que se amaram ou se desejaram. Hoje, não se reconhecem, não têm coragem para mudar de vida, para assumir o fim e procurar noutro amor o caminho de volta para o compromisso maior: ser feliz.
Num diário de emoções íntimas, falam na primeira pessoa do que sentem em relação a si e aos outros. Concluem que, cada um à sua maneira, todos foram infiéis: por pensamentos, actos ou omissões.
Com vidas entrelaçadas, cada um descreve no diário a sua viagem pelo mundo do sexo, do desejo, do pudor, do egoísmo, do amor-próprio, do envelhecimento, do sonho, da morte… Enfim, a matéria-prima da qual é feita a existência de gente vulgar.»

“O Primeiro Dia”, de Marc Levy, disponível a 2 de Julho

O Primeiro Dia, o novo romance do escritor francês Marc Levy, será posto à venda a 2 de Julho com a chancela da Contraponto, do grupo Bertrand.

Sobre o livro: «Um objecto misterioso encontrado num vulcão adormecido vai mudar para sempre a vida de Adrian e Keira. Juntos embarcarão numa aventura extraordinária que os levará das margens do lago Turkana, no coração de África, até às montanhas da China, em busca da resposta a uma das perguntas ancestrais da humanidade: como começou a vida na Terra?
Keira é uma arqueóloga ambiciosa e cheia de paixão que está a dirigir a sua primeira escavação no vale do Omo, na Etiópia. Quando uma tempestade de areia destrói a escavação, ela não tem outra hipótese senão abandonar a expedição e regressar a Paris. Traz consigo uma jóia estranha que lhe foi oferecida por um órfão etíope…
Adrian é um astrofísico de sucesso que está de licença sabática a fazer investigação num observatório remoto, no planalto de Atacama, no Chile. Contudo, incapaz de lidar com o ar rarefeito da altitude montanhosa, é obrigado a regressar a Londres.
Enquanto competem por uma bolsa prestigiosa em Londres, os caminhos de Keira e Adrian cruzam-se. Acidentalmente, Keira deixa a sua jóia com Adrian, fazendo despertar a sua curiosidade científica. Adrian começa a investigar as origens desta enigmática jóia, e rapidamente se apercebem de que há misteriosas personagens atrás do precioso objecto…»