«As Avenidas Periféricas» do Nobel Modiano «abrem à circulação» a 12 de novembro

pe-perifericasComo seria de esperar, agora que Patrick Modiano conquistou o Nobel da literatura multiplicam-se as edições de obras suas em Portugal. Agora, chega a notícia do lançamento de um inédito no nosso país do escritor francês. Chama-se ele As Avenidas Periféricas e será lançado pela Porto Editora a 12 de novembro. Note-se que esta obra foi galardoada em 1972 com o Grande Prémio de Romance da Academia Francesa.

Sinopse: «Numa pequena aldeia ao lado da floresta de Fontainebleau, em plena Ocupação alemã, juntam-se ao fim de semana alguns personagens inquietantes. Entre eles, o pai do narrador.
Quem é esse pai? Um traficante? Um judeu acossado? Que faz ele no meio de tal gente?
Até ao fim, o narrador perseguirá, com ternura, esse pai fantasmático.»

Estão de volta os «Domingos de Agosto» e «Um Circo que Passa» do Nobel Patrick Modiano

Domingos de Agosto e Um Circo que Passa, do recentemente galardoado com o Nobel da Literatura Patrick Modiano, regressam às livrarias a 18 de novembro através de uma reedição com novas capas. As obras, edições Dom Quixote, já foram lançadas em Portugal por esta mesma editora, respetivamente, em 1988 e 1994.

Domingos de AgostoDomingos de Agosto: «Em Domingos de Agosto entramos num fascinante labirinto de mistérios. Por que motivo o narrador fugiu das margens do Marne com Sylvia para se esconderem num obscuro quarto de Nice? Qual a origem do diamante Cruz do Sul, que Sylvia arrasta consigo como uma promessa e uma maldição? De que morreu o popular ator Aimos? Quem é Villecourt? Quem são os Neal, esse estranho casal cujo carro ostenta uma matrícula diplomática? E por que estão tão interessados em Sylvia, no narrador e no Cruzeiro do Sul? Ao longo das páginas deste misterioso romance, onde se cruzam todos estes enigmas, nasce uma história de amor que exala um fascínio que irá dominar o leitor por muito tempo.»

Um Circo que PassaUm Circo que Passa«Um Circo que Passa revela bem o estilo de Patrick Modiano, fortemente marcado pela Guerra, pelos anos 40 e pela sua própria infância.
A polícia, os bares duvidosos e as ruas de uma cidade simultaneamente amiga e inimiga – é nesta Paris dos anos 60 que acompanhamos a fuga e as deambulações de um casal à procura do amor. Uma história que tem como narrador Jean, e em que toda a acção gira em torno do seu relacionamento, aos dezassete anos, com a misteriosa Gisèle. Ambos têm muito a esconder um do outro. Partilham, porém, os mesmos sonhos.»