«Alabardas», inédito inacabado de Saramago, disponível a 23 de setembro

pe-Alabardas_JoseSaramagoApresentado como «O último fôlego narrativo» de José Saramago, Alabardas, alabardas, Espingardas, espingardas, romance inédito e inacabado do Nobel português, será publicado a 23 de setembro pela Porto Editora.
O romance, protagonizado por Artur Paz Semedo, é, segundo a editora, «uma reflexão sobre a violência que põe em relevo a fragilidade humana e social face às atrocidades da guerra».
«Afinal, talvez ainda vá escrever outro livro. Uma velha preocupação minha (porquê nunca houve uma greve numa fábrica de armamento) deu pé a uma ideia complementar que, precisamente, permitirá o tratamento ficcional do tema.», escreveu José Saramago nas suas notas, em agosto de 2009, e daí nasceria este Alabardas, alabardas, Espingardas, espingardas, título retirado de uma tragicomédia de Gil Vicente.
O livro conta com ilustrações Günter Grass (também ele Nobel da Literatura) e com dois textos, um de Fernando Gómez Aguilera, que comenta e situa este romance no contexto da obra de Saramago, e outro de Roberto Saviano, que apresenta «uma inquietação sobre o papel do Homem face à violência a partir da “orquestra de revelações” que é esta história.

Apresentação em Lisboa a 2 de outubro
A apresentação mundial de Alabardas, alabardas, Espingardas, espingardas vai decorrer a 2 de outubro na Sala Garrett do Teatro Nacional D. Maria II, às 18h30,com a presença do professor António Sampaio da Nóvoa, do juiz Baltasar Garzón e do escritor Roberto Saviano. Durante a sessão moderada pela jornalista Anabela Mota Ribeiro, serão projetadas as ilustrações de Günter Grass.
Mas antes, a 19 de setembro, será reeditado pela Porto Editora Memorial do Convento, cuja caligrafia da capa é da autoria de José Mattoso.

Sinopse: «Aquando do seu falecimento, em 2010, José Saramago deixou escritas trinta páginas daquele que seria o seu próximo romance, trinta páginas onde estava já esboçado o fio argumental, perfilados os dois protagonistas e, sobretudo, colocadas as perguntas que interessavam à sua permanente e comprometida vocação de agitar consciências.
Saramago escreve a história de Artur Paz Semedo, um homem fascinado por peças de artilharia, empregado numa fábrica de armamento, que leva a cabo uma investigação na sua própria empresa, incitado pela ex-mulher, uma mulher com carácter, pacifista e inteligente. A evolução do pensamento do protagonista permite-nos refletir sobre o lado mais sujo da política internacional, um mundo de interesses ocultos que subjaz à maior parte dos conflitos bélicos do século xx.»

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s