Novidades Editoriais de Maio (II)

O Mundo ArdenteO Mundo Ardente – Siri Histvedt (Dom Quixote)
«
Harriet Burden é uma artista plástica consumida pela fúria. “Todo o trabalho intelectual e artístico”, escreve, “tem mais sucesso na mente da multidão, quando a multidão sabe que, algures por detrás da grande obra, ou do grande embuste, se encontra uma pila e um par de tomates.”
Sistematicamente menosprezada pelo meio intelectual nova-iorquino, Harriet decide levar a cabo uma experiência extrema a que chama Máscaras. Escondida por detrás de três identidades masculinas – três artistas que assumem a autoria do seu trabalho e o expõem –, ela tenciona revelar os preconceitos que imperam no mundo das artes. Pretende também desvendar os mecanismos da percepção humana e provar que ideias sobre sexo, raça e celebridade influenciam a maneira como olhamos para uma obra de arte. Mas a experiência vai longe de mais e o envolvimento da artista com a última das suas “máscaras” transforma-se num perigoso jogo psicológico de sedução e violência.
20 de Maio

PrintFelizes os Felizes – Yasmina Reza (Quetzal)
«Os “felizes” do romance de Yasmina Reza (o título é inspirado no Sermão da Montanha do Evangelho segundo São Mateus) são personagens de uma comédia humana que todos conhecemos: elas são atormentadas, cheias de raiva, histéricas, coladas a um quotidiano que já não controlam; eles, obcecados por um futuro que não conseguem imaginar, um futuro de desejos gorados, doenças e crises.
Yasmina Reza retrata momentos fugidios do dia a dia das personagens, também elas narradoras da sua história, e da dos outros, em capítulo próprio: a amizade, a filiação, o amor, a realização, a dependência. Tudo numa escrita seca, divertida e lúcida – em que “as emoções são assassinas”.»

asa-draculaDrácula – Bram Stoker (1001 Mundos)
«Uma verdadeira obra-prima, Drácula transcendeu gerações, linguagem e cultura para tornar-se um dos romances mais populares alguma vez escritos. É por excelência uma história de suspense e horror, que ostenta um dos personagens mais terríveis que já nasceram na literatura: o conde Drácula, um espectro trágico e noturno que se alimenta do sangue dos vivos, e cujas paixões diabólicas depredam os inocentes, os desamparados, e os belos. Mas Drácula também se destaca como uma saga alegórica de um ser eternamente amaldiçoado cujas atrocidades noturnas refletem o lado sombrio da era extremamente moralista em que foi originalmente escrito – e os desejos corruptos que continuam a atormentar a condição humana moderna.»
13 de maio

qe-meiaNove Semanas e Meia – Elizabeth McNeill (Quinta Essência)
«Esta é uma história de amor tão pouco frequente, tão apaixonada, tão extrema e tão real que o leitor não pode deixar de seguir, fascinado, o seu desenvolvimento ritual. Duas pessoas cultas, civilizadas e independentes conhecem-se um dia por acaso numa rua de Nova Iorque, um domingo de maio nos anos setenta, e iniciam uma relação que em breve se tornará uma experiência sadomasoquista de rara intensidade.
Desde o início, estabelecem espontaneamente entre eles estímulos sexuais que obedecem a um ritual instintivo de dominação e humilhação, ritual que é aceite primeiro com surpresa e depois com prazer genuíno, pela autora desta história chocante. Naturalmente, à medida que a relação progride, o casal embarca em jogos cada vez mais elaborados e sofisticados que, após nove semanas e meia, conduzem a mulher a uma absoluta falta de controlo do seu corpo e mente.»

Através da ChuvaAtravés da Chuva – Miguel Gullander (Dom Quixote)
«
Tendo perdido a maior parte do seu tempo de vida encarcerado num estranho coma, o senhor Svart desperta em Estocolmo com um único objectivo: ver uma palanca negra gigante no coração de Angola. Por coincidência, uma ONG contrata-o como consultor de um projecto de desenvolvimento rural. Encontrar a palanca negra gigante é uma das propostas. Partindo para África, o criptozoólogo sueco confronta-se com o seu passado não resolvido e a suspeita de que as coordenadas da realidade estão alteradas. Amores abandonados, convicções traídas e um arqui-inimigo dos tempos revolucionários reaparecem-lhe durante a viagem. Na sufocante circularidade da sua busca e fuga, o senhor Svart descobre que talvez ainda não tenha despertado do pesadelo.»
13 de Maio

pre-silenciosaA Mulher Silenciosa – A.S.A Harrison (Presença)
«Jodi Brett e Todd Gilbert vivem juntos há 22 anos, num confortável apartamento em Chicago com vista para o lago. Os dias decorrem numa tranquilidade aparente, à medida que a sua relação se vai lentamente consumindo. Até ao dia em que Jodi fica a saber que Todd tem um relacionamento sério com a filha de um dos seus melhores amigos, Natasha Kovacs. Em estado de negação, Jodi não reage quando Todd lhe diz que vai casar com Natasha ou quando a avisa de que ela terá de abandonar o apartamento onde vivem. Mas este será, para Jodi, um ponto de viragem sem regresso possível.
A Mulher Silenciosa é um romance avassalador, misto de comédia de costumes e thriller psicológico, que nos revela o lado negro do casamento e até onde uma mulher é capaz de ir quando já nada mais tem a perder.»

asa-NMN ou M? – Agatha Christhie (Asa)
«Em plena II Guerra Mundial, a Grã-Bretanha enfrenta não só a ameaça alemã mas também um arrepiante perigo interno: nazis que se fazem passar por cidadãos normais. Com o escalar da violência, os Serviços Secretos britânicos recorrem ao apoio de dois inesperados espiões: Tommy e Tuppence. A sua missão: identificar um casal de traidores, oculto entre os veraneantes de Sans Souci, uma respeitável estância balnear. Parece ser a ocasião perfeita para juntar trabalho e lazer. Não tivesse o sinistro casal acabado de matar o mais emblemático agente secreto de Sua Majestade…»
27 de maio

v-temA Europa na Tempestade – Herman Van Rompuy (Vogais)
«Com as eleições europeias à porta, e o tema da crise em cima da mesa, várias têm sido as figuras nacionais e estrangeiras que têm explanado as suas opiniões sobre as razões que deram origem à grave situação financeira que ameaçou a estabilidade da Zona Euro e a moeda comum.
Mas nenhuma destas personalidades terá tanta autoridade e conhecimento de causa para abordar o tema como Herman Van Rompuy, Presidente do Conselho Europeu, cujas funções cessarão este ano.
Afinal, durante o seu mandato enquanto “presidente da Europa” Van Rompuy investiu grande parte do seu tempo em lidar com os efeitos da crise financeira. E são exatamente as lições e os desafios que viveu ao longo deste tempo que o Presidente do Conselho Europeu aborda no livro A Europa na Tempestade.
Lançado no dia 29 abril, em Bruxelas, A Europa na Tempestade […] conta com o prefácio do Primeiro-Ministro  Pedro Passos Coelho.
Neste livro, o autor explica como os líderes europeus mantiveram a coesão da União Europeia no momento da verdade — e, nas suas palavras, salvaram o euro e as economias dos países mais afetados, como Portugal, evitando o colapso e a desintegração do projeto europeu. O livro analisa ainda o papel da Europa num mundo em mudança constante, examinando as expetativas, experiências e desilusões dos cidadãos.
A Europa na Tempestade é uma descrição única e notável dos corredores do poder político na Europa, essencial para compreender o impacto das decisões políticas tomadas a nível europeu nas vidas e na economia dos portugueses.»

Europa Beira AbismoA Europa à Beira do Abismo – Tony Phillips (coordenação) Roberto Lavagna, Christina Laskaridis, Tony Phillips, Mariana Mortágua, Anzhela Knyazeva, Diana Knyazeva, Joseph Stiglitz (Bertrand)
«A Europa está a sofrer uma desordem económica bipolar, um sinal de que se está a passar realmente por uma crise da dívida soberana. Os meios de comunicação têm dividido o continente em dois grupos de nações – o centro e a periferia –, não geograficamente mas através de classificações de crédito da dívida nacional.
A Europa à Beira do Abismo é uma investigação fundamental sobre a raiz da crise das dívidas públicas europeias e as escolhas políticas tomadas para «resolver» a crise. Aqui, os autores examinam as falhas estruturais e institucionais ao longo de cinco capítulos sobre a corrupção, o contágio, o fim dos mitos e os custos sociais e políticos do pensamento económico ortodoxo e dogmático para os cidadãos europeus, oferecendo ainda uma crítica construtiva sobre a UE e a política económica nacional que falhou na Europa.
Simultaneamente global e local, este livro fornece uma análise profunda sobre os casos de Portugal, Irlanda, Grécia e Argentina, assim como as perspetivas globais do Prémio Nobel da Economia Joseph Stiglitz e da sua equipa, em conjunto com a experiência, resultado de muitos anos de árduas negociações com o FMI, do ex-ministro da Economia argentino Roberto Lavagna.»

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s