Novidades Editoriais de Janeiro (III)

pla-philoO Filho Perdido de Philomena Lee – Martin Sixsmith (Planeta)
«Enquanto adolescente na Irlanda de 1952, Philomena Lee engravidou e foi enviada para um convento – uma “mulher perdida, caída em desgraça”.
Durante três anos depois do nascimento do filho, cuidou dele naquele lugar. Depois a Igreja levou-o de si e vendeu-o, a exemplo de inúmeras outras crianças, para a América, onde foi adoptado.
Durante cinquenta anos Philomena procurou encontrar o filho mas nunca soube para onde foi. Sem saber que ele também a procurou toda a vida.
O filho, Michael Hess, nome dado pela família adoptiva, tentou procurar a mãe, mas a Igreja negou-lhe informações, pois receava a descoberta do macabro negócio de venda de crianças.
Michael foi um advogado de renome, conselheiro jurídico do presidente Bush, que acabou por morrer vítima de sida.
Este escândalo, quando foi descoberto, abanou os alicerces da Igreja Católica e embora, tenham pedido publicamente perdão às mães a quem venderam os seus bebés, sofreram a vergonha também pública de não serem perdoados.
Soberbamente contada por Martin Sixsmith, esta é uma história de que irá tocar o coração dos leitores, pois confirma que, mesmo na tragédia, o laço entre uma mãe e um filho nunca pode ser quebrado e o amor encontrará sempre um caminho.»
24 de janeiro

el-aquedutoAssassino do Aqueduto – Anabela Natário (Esfera dos Livros)
«
Nas ruas de Lisboa respira-se medo. A cidade não é segura e dentro de portas há um nome que atormenta os homens e mulheres da capital: Diogo Alves, de alcunha o Pancada. Poucos lhe conhecem o rosto, mas todos temem cair nas suas mãos. Lá do alto dos arcos do imponente Aqueduto das Águas Livres, sem dó nem piedade, Diogo Alves atira as suas vítimas num voo trágico de mais de 60 metros de altura. O grito, que faz estremecer tudo e todos, dá lugar ao silêncio da morte. A jornalista Anabela Natário, no seu primeiro romance, traz-nos a arrepiante história deste homem que aterrorizou Lisboa da primeira metade do século XIX. Nascido na Galiza, aos dez anos vem para Lisboa onde de criado nas casas mais abastadas da capital passou a ladrão e de ladrão a assassino cruel. Unido pelo coração à taberneira Parreirinha, com estabelecimento em Palhavã, Diogo Alves torna-se numa verdadeira lenda. Através da consulta dos jornais da época e de peças do processo, Anabela Natário recria o processo judicial de Diogo Alves, num romance recheado de mistério e intriga. É ao juiz Bacelar que cabe a difícil tarefa de descobrir e capturar Diogo Alves e o seu bando de malfeitores. Diogo Alves, embora deixe um rasto de violência e morte, consegue sempre escapar-se às mãos da justiça. É preciso detê-lo. O juiz não desiste e aos poucos, mergulhado no ambiente de violência e miséria que se vive na capital do reino, vai juntando as peças deste complicado puzzle de crimes e assaltos.»

pe-moncadaO Estranho Caso de Sebastião Moncada – João Pedro Marques (Porto Editora)
«Correm tranquilamente os primeiros dias de junho de 1832 quando um casal desconhecido vem alojar-se numa estalagem da Foz do Douro. Ele é um homem de meia-idade e porte altivo, chamado Sebastião Moncada, e ela, uma mulher mais nova, de olhar assutado e gestos inquietos.
O casal chega rodeado de uma atmosfera de mistério, cuja persistência vai exigir a intervenção da Polícia. Mateus Vilaverde é o oficial da Guarda Real que fica encarregado do caso, mas a sua investigação complica-se extraordinariamente com a chegada do exército liberal de D. Pedro, que, desembarcado nas praias do Mindelo, ocupa a cidade do Porto. É, então, num cenário de guerra que Mateus vai descobrindo a história de Sebastião Moncada. Mas à medida que o vai fazendo vê-se impelido a investigar-se a si próprio e a confrontar-se com os seus afetos, desejos e fantasmas.
Tendo como pano de fundo o Portugal das Guerras Liberais e o estoicismo das gentes do Porto, cercadas durante mais de um ano pelo enorme e impiedoso exército miguelista, O Estranho Caso de Sebastião Moncada é um romance sobre a importância do acaso e das coincidências na vida humana e sobre a coragem necessária para enfrentar e viver as consequências de um grande amor.»
28 de janeiro

pla-cidadeCidade Proibida – Eduardo Pitta (Planeta)
«Uma história de amor e sexo passada em Lisboa, entre um filho de muito boas famílias, da melhor sociedade lisboeta, e um inglês que aqui trabalha como professor.
Com a homossexualidade como pano de fundo, Eduardo Pitta retrata neste romance singular uma Lisboa de privilegiados, onde o amor ocupa um lugar sempre periclitante.
Cidade Proibida é o retrato de uma certa Lisboa, na actualidade. Uma cidade onde Rupert e Martim decidem viver juntos, mesmo que o tenham de fazer num meio tradicional, endinheirado e snob que poderá vir a cavar um fosso irremediável entre ambos. Mas o encontro que mudou a vida dos dois justifica esse desafio. Rupert é inglês e está em Lisboa como professor.
Martim nasceu e estudou no Estoril, doutorou-se em Oxford e mantém uma assessoria régia numa holding de comunicação. É em Londres, que Rupert conhece Martim. De regresso a Portugal, Rupert troca o seu modo de vida pelo de Martim.
Por seu intermédio, acede a um meio que lhe é completamente estranho, o das famílias tradicionais com casa no Estoril e assento em poderosos conselhos de administração.
Contrariado, vê-se obrigado a privar com homens arrogantes com quem Martim estava habituado a programar temporadas de ópera em Nova Iorque e Salzburgo, carnavais em Veneza e compras em Milão.
Rupert sabe que não faz parte desse mundo. Tudo visto, a única cedência de Martim foi ter concordado em deixar o gato em casa da mãe para irem viver juntos. No resto, manteve-se inflexível. E um certo alheamento da realidade fez com que levasse tempo a perceber que a história de ambos era atravessada por zonas de sombra…»
24 de janeiro (reedição)

qe_tenho_o_teu_numeroTenho o teu Número – Sophie Kinsella (Quinta Essência)
«Dez dias antes do casamento, Poppy perde o anel de noivado. Desesperada, Poppy começa a telefonar a toda a gente para pedir ajuda e alguém lhe arranca o telemóvel da mão! Também o roubaram! Como irão agora avisá-la se encontrarem o anel? E, imediatamente, Poppy vê um telemóvel num caixote do lixo, um telemóvel abandonado de que ela precisa urgentemente. Poppy dá o seu novo número a todos os amigos e também atende as chamadas recebidas e lê as mensagens endereçadas à anterior proprietária, a secretária (que acaba de se demitir) de Sam Roxton, um empresário importante. Enquanto continua à procura do anel, Poppy mantem-se em contacto com Sam Roxton, o novo proprietário do telefone. Sam vai deixá-la ficar com o aparelho, desde que ela lhe reencaminhe todas as mensagens que receber, mas às vezes Poppy responde por Sam em assuntos profissionais e também pessoais. Não se contém. Sam também começa a opinar sobre a vida de Poppy, o seu casamento, sobre os sogros e até sobre o noivo, que talvez, não seja tão maravilhoso como ela pensava.»
27 de janeiro

pla-cristalFlavia de Luce e a Bola de Cristal da Cigana – Alan Bradley (Planeta)
«
Flavia de Luce é brilhante, aos 11 anos esta heroína é apaixonada por química e tem como hobby pesquisar venenos e atormentar as duas irmãs mais velhas. Tem um laboratório muito bem equipado. Talvez por tudo isso, ou devido a uma curiosidade acima do normal adora desvendar crimes.
Vive com o pai e as irmãs na antiga mansão Buckshaw, e apesar da personalidade forte e solitária (a única amiga é a bicicleta, Glayds), é no fundo, uma jovem solitária que nunca se conformou com a morte da mãe que mal conheceu, e que não se consegue interessar-se pelas mesmas coisas que as irmãs – que só querem saber de roupas, maquilhagens e namorados.
O pai é um viúvo que ainda sofre com a perda da mulher, e que se isola no escritório com sua preciosa colecção de selos, sem dar importância com o que se passa à sua volta.
A história deste terceiro livro começa com um crime antigo, que nunca foi considerado como tal e um novo, o que leva Flavia a conseguir interligar os dois.
Durante a quermesse de Bishop’s Lacey, Flavia pediu a uma cigana que lhe lesse a sina, mas não estava à espera de, horas mais tarde, já de madrugada, ir encontrar a pobre mulher mergulhada numa poça de sangue no interior da sua caravana.
Teria sido um acto de vingança, perpetrado por algum habitante da terra, convencido de que, anos antes, a cigana raptara e levara consigo uma criança da aldeia?
Flavia é menina para compreender bem o doce sabor da retaliação; com efeito, a vingança é um passatempo com que não pode deixar de se deliciar quem tem duas irmãs mais velhas, ambas odiosas. Mas qual será a relação entre este crime e a criança desaparecida?
À medida que as pistas se vão acumulando, Flavia terá de as analisar com todo o cuidado, a fim de desembaraçar uns dos outros os fios negros de actos e segredos do passado.»
24 de janeiro

vog-A Dieta PerfeitaA Dieta Perfeita – Mariana Abecassis (Vogais)
«A boa forma de Carolina Patrocínio, aos sete meses de gravidez, fez saltar o nome da nutricionista Mariana Abecasis, até agora escondida dos holofotes, para a ribalta.
Desde de que a apresentadora surgiu ao lado da grande responsável pela sua excelente forma física, o telefone de Mariana Abecasis não tem parado de tocar.
E, porque tantas têm sido as solicitações, os segredos de Mariana Abecasis vão então chegar ao público em geral, em forma de livro. Em A Dieta Perfeita os leitores vão encontrar um plano alimentar flexível e adaptável às suas necessidades, sem restrições nem proibições, que fará perder até 4 kg (se for mulher) e 5 kg (se for homem).
«Sem exigir a eliminação de qualquer alimento, e criando hábitos de alimentação adequados, a minha abordagem tem como resultados a perda de peso consistente e duradoura, com ganhos imediatos para a sua saúde. Incluindo 100 receitas aplicáveis à sua dieta, e ainda regras e conselhos para emagrecer e nunca mais engordar, A Dieta Perfeita é a solução para comer bem e viver melhor, mantendo o corpo saudável e jovem!» – Mariana Abecasis
Através de uma dieta sem restrições e de dicas infalíveis sobre nutrição, este livro permite a qualquer pessoa:
Construir a dieta ideal para a sua vida – Comer bem, sem proibições nem sacrifícios – Esclarecer as dúvidas mais comuns sobre nutrição – Aplicar soluções alimentares a situações concretas do dia a dia – Criar e manter um diário de refeições – Interpretar corretamente os rótulos dos produtos alimentares – Atacar e reduzir a celulite – ou prevenir o seu aparecimento – Perceber as diferenças entre produtos light, diet e magros.»
30 de janeiro

per_PergunteAoPediatraPergunte ao Pediatra – Carlos González (Pergaminho)
«Pergunte ao Pediatra é a melhor ferramenta que os pais têm para combater a ansiedade e a incerteza que resultam do desafio que é criar um bebé. Afinal, há tantas coisas em que pensar ao mesmo tempo: Até que idade se deve amamentar? Como conseguir com que o bebé durma durante a noite? Será que está a ter uma alimentação suficientemente equilibrada? Como gerir o regresso ao trabalho de um ou de ambos os pais? E a transição para a alimentação sólida, deve ser direta ou passar por papas com pedaços? E se o bebé tiver alergias e intolerâncias? Para dificultar, parece haver um sem-fim de opiniões e respostas possíveis a cada dúvida; como poderão os pais saber qual é a melhor?»
24 de janeiro

Advertisements

One response to “Novidades Editoriais de Janeiro (III)

  1. Adoro ler os livros da Sophie Kinsella. Os livros dela são de fácil leitura e bem humorados.
    Beijos

    http://minhavidaagora.wordpress.com/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s