Clube do Autor junta «África Minha» e «Sombras no Capim», de Karen Blixen, num único volume

O Clube do Autor acabou de editar África Minha e Sombras no Capim , de Karen Blixen, num único volume. África Minha é sobejamente conhecido, o que pouca gente saberá é que a autora retomou a continuação da história da sua vida no Quénia com Sombras no Capim.

Sobre os livros: «Hino a África e à vastidão das suas paisagens, retrato perfeito das cores, cheiros e gentes africanas, obra de culto, já muito se escreveu sobre África Minha. Mais do que um livro de memórias da autora, trata-se de uma homenagem a todo um continente.
Na obra, Karen Blixen descreve com detalhe os hábitos, culturas e rituais de somalis, massais e kikuius, por um lado, e o colonialismo inglês na África Oriental, tanto na perspectiva institucional como social, por outro. A isto se junta o retrato de um modo de vida em comunhão com a natureza e com aquilo que há de mais primitivo na humanidade e eis algumas das razões pelas quais o livro se transformou numa referência literária mundial.
Adaptado ao cinema por Sydney Pollack em 1985, com Meryl Streep e Robert Redfort nos papéis principais, também o filme alcançou o epíteto de uma das mais belas e comoventes películas da história do cinema.
Em Sombras no Capim, a continuação da história da autora na Quénia, Karen Blixen retoma a história cativante da sua vida no Quénia iniciada em África Minha. Com afecto e sensibilidade, estas histórias iluminam o seu amor tanto pelos africanos, pela sua dignidade e tradições, quanto pela beleza e exuberância das paisagens. Sombras no Capim é, assim, um capítulo final na apaixonante história de Karen Blixen sobre África.»

«A Sombra do Vento», de Carlos Ruiz Zafón, em formato de bolso

Com as férias aí e também com as consequentes viagens, esta será a melhor altura do ano para os livros de bolso. E a colecção BIS-Leya apresenta, a 18 de Julho, a quem ainda não se rendeu a este formato mais três bons motivos para o fazer: A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón (9,95 euros), O Rapaz do Pijama às Riscas, de John Boyne (7,50 euros), e O Burro em Pé, de José Cardoso Pires (5,95). Os livros podem ser encontrados em livrarias, supermercados, aeroportos e estações de caminho de ferro.

A Sombra do Vento – Carlos Ruiz Zafón
«Numa manhã de 1945, um rapaz é conduzido pelo pai a um lugar misterioso no coração da cidade velha: o Cemitério dos Livros Esquecidos. Aí, Daniel Sempere encontra um livro maldito, que muda o rumo da sua vida e o arrasta para um labirinto de intrigas e segredos enterrados na alma obscura de Barcelona.
Juntando as técnicas do relato de intriga e suspense, o romance histórico e a comédia de costumes, A Sombra do Vento é sobretudo uma história trágica de amor, cujo eco se projecta através do tempo. Com uma grande força narrativa, o autor entrelaça tramas e enigmas ao modo de bonecas russas num inesquecível relato sobre os segredos do coração e o feitiço dos livros, numa intriga que se mantém até à última página.»

O Rapaz do Pijama às Riscas – John Boyne
«Bruno, de nove anos, nada sabe sobre a Solução Final e o Holocausto. Não tem consciência das terríveis crueldades que são infligidas pelo seu país a vários milhões de pessoas de outros países da Europa. Tudo o que ele sabe é que teve de se mudar de uma confortável mansão em Berlim para uma casa numa zona desértica, onde não há nada para fazer nem ninguém para brincar. Isto até ele conhecer Shmuel, um rapaz que vive do outro lado da vedação de arame que delimita a sua casa e que estranhamente, tal como todas as outras pessoas daquele lado, usa o que parece ser um pijama às riscas.»

O Burro em Pé – José Cardoso Pires
«Esta obra foi publicada em Dezembro de 1979, pela Moraes Editores, ilustrada com pinturas de Júlio Pomar e capa de Sebastião Rodrigues. Mais tarde, em 1999, foi editada pela Dom Quixote. Fazem parte do livro os seguintes contos: “Os reis-mandados; O conto dos chineses; Nós, aqui por entre o fumo; Dinossauro Excelentíssimo (versão revista pelo Autor após o 25 de Abril; Celeste & Làlinha: por cima de toda a folha.»

Porto Editora lança romance histórico «A 19.ª Esposa», de David Ebershoff

A 19.ª Esposa é mais um romance do escritor norte-americano David Ebershoff a ser editado pela Porto Editora, que anteriormente lançara A Rapariga Dinamarquesa. Trata-se de um romance histórico – a ser posto à venda a 11 de Julho – que decorre no século XIX, na América, quando algumas comunidades mórmon decidiram desobedecer à legislação de 1857 que proibia a poligamia. Nessa época, uma mulher – a 19.ª esposa de um líder religioso mórmon – que decidiu emancipar-se e desafiar as origens. Em torno desses factos, David Ebershoff efectuou a reconstrução histórica do êxodo da comunidade através do mid-west americano até fundar Salt Lake City.

O enredo: «Os mistérios da Fé encobrem, por vezes, segredos terríveis. No seio de uma seita poligâmica do século XIX, Ann Eliza, a 19.ª esposa do líder e profeta da sua igreja, ousa revoltar-se contra os abusos sofridos pelas mulheres da comunidade em nome da religião. Dois séculos depois, Jordan Scott, um jovem expulso pela sua seita, regressa ao mundo que o baniu para descobrir a verdade por detrás do assassinato do pai, crime de que a sua esposa n.º 19 é injustamente acusada. Alternando magistralmente as duas histórias, David Ebershoff revela-nos os segredos que assombram uma das comunidades religiosas mais misteriosas e poderosas dos últimos séculos.»

«Big Nate Volta a Atacar» a 8 de Julho

A ArtePlural lança a 8 de Julho mais um divertido livro do indomável Big Nate, criado por Lincoln Peirce.
Em Big Nate Volta a Atacar, este nosso herói pretende superar todos os outros, mas não terá tarefa fácil, pois Gina, a sua maior inimiga, não o larga e pode estragar tudo!
Assim, a editora lança a questão: “Será que o Nate vai ganhar ou perder… ter outra nega… ou acabar no castigo MAIS UMA VEZ?”Mais uma ventura de um autodenominado génio, e que não é de todo o menino dos professores. Se o quiser conhecer melhor visite www.bignate.com e entretanto fica a promessa de que o livro 3 não tarda nada está aí.

Maria João Vieira lança «Manual de Sobrevivência Para Donas de Casa Desesperadas»

A Livros d’Hoje, lança a 6 de Julho Manual de Sobrevivência para Donas de Casa Desesperadas, um livro das autoria de Maria João Vieira que pretende revelar segredos para escapar à crise e ensinar a ganhar dinheiro sem sair de casa!

Sobre o livro:
«Sente que o seu dinheiro encolheu? Não entre em pânico! Este livro está cheio de boas notícias. Em vez de perder tempo a lamentar-se da crise, meta mãos à obra e comece já a viver melhor. É muito mais simples do que pensa, e em imaginação, convenhamos, ninguém bate as donas de casa portuguesas. Afinal, não fomos nós que inventámos a açorda, esse prato delicioso que com dois pães e um litro de água alimenta uma família? Ora, isto não é um livro de receitas. É muito mais do que isso. Por um lado, ensina-lhe os truques de mulheres portuguesas que conseguem multiplicar o pouco que têm. Por outro, dá-lhe ideias para ganhar dinheiro extra, todos os meses, sem precisar de sair de casa, como muitas donas de casa estão a fazer neste momento. Tem conselhos práticos para muitas outras áreas. É um livro cheio de segredos contados por mulheres comuns, que todos os dias usam a criatividade para viverem melhor. Pode estar certa de que vai mudar completamente a sua vida.»

GestãoPlus lança a 8 de Julho «Quando Deus Não Estava a Ver, o Diabo Inventou os Negócios»

A Gestão Plus lança a 8 de Julho Quando Deus Não Estava a Ver, o Diabo Inventou os Negócios, de J. R. Zyla, que usa como metáforas os conceitos de Céu e Inferno, Bem e Mal e Deus e o Diabo para fazer uma reavaliação crítica e ética do mundo empresarial dos nossos dias.

Sobre o livro: «“Imaginemos que existe um Deus. E imaginemos também que existe um Diabo. E algures, provavelmente no meio, reside uma forma de vida mista e interessante denominada empresário.”
É verdade: basta olharmos à volta para suspeitarmos que, entre sinais tão profundos e ininterruptos de crises económicas, financeiras, morais e humanas, poderá haver um toque diabólico em tudo o que se passa no mundo.
Ao longo destas páginas, J. R. Zyla, consultor de gestão, faz uma análise provocante e cheia de humor das filosofias de gestão contemporâneas e da forma como elas influenciaram a gestão moderna, sobretudo em épocas de crise, levando à criação de empresas que, basicamente, venderam a alma – e, ao fazê-lo, criaram ambientes de trabalho infelizes, pouco saudáveis, pouco produtivos… ou seja, infernais.»

Civilização lança em Julho «A Ponte Invisível», de Julie Orringer

A Civilização lança em Julho três novos títulos de ficção estrangeira, entre os quais A Ponte Invisível, de Julie Orringer, que esteve nomeado para o Orange Booker Prize 2011.

A Ponte Invisível – Julie Orringer
«Paris, 1937. Andras Lévi, estudante de arquitetura, chega de Budapeste com uma bolsa de estudo, uma única mala e uma carta misteriosa que prometeu entregar a Claire Morgenstern, uma jovem viúva que vive na cidade. Quando Andras conhece Claire, fica preso na sua vida secreta e extraordinária. Ao mesmo tempo, a tragédia começa a assolar a Europa, colocando-os num estado de terrível incerteza. De uma remota aldeia húngara às óperas grandiosas de Budapeste e Paris, do desespero do inverno nos Cárpatos a uma vida inimaginável em campos de trabalhos forçados, A Ponte Invisível narra a história de um casamento que sobrevive ao desastre e de uma família ameaçada de aniquilação e unida pelo amor e pela história.

Uma Questão de Atração – David Nicholls
«Brian Jackson, estudante universitário, chegou à faculdade com um desejo mais forte do que o da aquisição de conhecimentos: ser uma estrela do concurso mais famoso da TV. Mas o seu avanço no Desafio Universitário é de certo modo travado pela sua atração crescente pela sedutora Alice Harbinson, que luta para deixar a sua marca como atriz. E, à medida que os obstáculos impedem a sua relação, Brian fica cada vez mais convencido de que só um sucesso esmagador no concurso o fará conquistá-la.»

Madame Hemingway – Paula McLain
«Uma história de ambição e traição profundamente evocativa, Madame Hemingway retrata uma época notável e a relação amorosa entre duas pessoas inesquecíveis: Ernest Hemingway e a sua mulher Hadley.
Chicago, 1920: Hadley Richardson é uma jovem discreta de vinte e oito anos que quase perdeu a esperança de encontrar o amor e a felicidade. Até que conhece Ernest Hemingway. Depois de um namoro breve e de um casamento repentino, o casal parte para Paris, onde se junta a um grupo de enérgicos e voláteis expatriados, que inclui F. Scott Fitzgerald e a sua esposa, Zelda e, Ezra Pound. Ernest e Hadley são lançados numa vida de ambição artística, bebida e viagens intempestivas a Pamplona, à Riviera e aos Alpes Suíços. Mas a Paris da era do jazz não combina com vida familiar e fidelidade.»

«O Meu Primeiro Guia de Viagens – Hello Kitty»

Ora as férias estão aí à porta e é hora de começar a preparar tudo para que as coisas corram na perfeição. E se tem filhos ainda crianças, mais cuidados deve ter. Se calhar, o melhor mesmo é deixá-los também tratar das férias, ou seja, darem o seu contributo na escolha dos lugares a visitar, seja no campo, na praia, na cidade. Provavelmente, estará a pensar: “Mas eles não conhecem nada, o que é que hão-de dizer?” Se calhar, está na hora de começarem a pensar em conhecer. E foi a pensar nisso que a Porto Editora lançou recentemente O Meu Primeiro Guia de Viagens, do universo Hello Kitty.
O livro, com 112 páginas profundamente ilustradas, destina-se a crianças com mais de seis anos e incide principalmente sobre Portugal, embora também dê algumas sugestões para viagens ao estrangeiro, sem esquecer, obviamente, a inevitável Disneyland de Paris. Os outros destinos “forasteiros” são Espanha, Alemanha, Reino Unido, Itália e Grécia, com ofertas que vão de monumentos a parques de diversões e zoos.
O guia está muito bem estruturado e montado de forma chamativa, com bons jogos de cores. Indica aspectos essenciais a ter em conta antes de se iniciar uma viagem, mostra como preparar a mala e como viajar em segurança e sugere ainda jogos e brincadeiras que deverão tornar a viagem menos maçadora e cansativa.
Depois, percorre Portugal de norte a sul, dividido nos capítulos Porto e Norte, Centro de Portugal, Região de Lisboa, Alentejo, Algarve, Açores e Madeira, antes das já aqui referidas passagens pela Europa. Sobre cada terra ou região são apresentados breves dados históricos, tradições locais, pontos interessantes a visitar e alguns factos curiosos sempre capazes de despertar a atenção, como o nome dado aos habitantes de Guimarães, a lenda do galo de Barcelos ou a origem do nome do Castelo do Queijo. Por exemplo, sabia que o moliceiro é descendente dos barcos vikings? Ou que há esquilos em Monsanto?
No final do livro há ainda um espaço para um Diário de Viagem, onde é sugerido que as crianças façam desenhos, escrevam, colem fotos ou bilhetes, etc.
Para apreciar umas páginas tipo carregue aqui.
E caso, nas suas férias, haja algum tempo morto ou precise de um tempo só para si para descansar, a Porto Editora sugere também uns interessantes e didácticos livros da colecção Génio com jogos de lógica e de inteligência, que permitem desenvolver a memória, o raciocínio e a concentração. Enigmas para Resolver e Desafios Mentais trazem uma caneta electrónica que assinala as respostas correctas e pode ter a certeza de que há lá exercícios para os quais mesmo um adulto terá dificuldade em descobrir a solução.