“O Desertor” – Daniel Silva

O Desertor (uma edição Bertrand) é o mais recente thriller de espionagem do autor norte-americamo Daniel Silva, que dá de novo o protagonismo ao seu herói preferido Gabriel Allon, um peculiar agente secreto israelita que combina uma cultura notável com uma astúcia ainda mais apurada quando se trata de derrubar o inimigo.
Depois de se ter dedicado quase em exclusivo ao confronto com árabes e fundamentalistas islâmicos, Allon vê-se agora a braços com inimigos tão ou mais terríveis, os russos. Tudo começou com As Regras de Moscovo e agora tem seguimento com O Desertor. Os protagonistas são os mesmos, o enredo vem na sequência do livro anterior, mas quem só agora pretenda tomar contacto com esta série de aventuras pode fazê-lo à vontade. O autor, Daniel Silva, é superprofissional (pode até dizer-se, “sabe-a toda”) e a cada livro faz um enquadramento da história que permite a constante entrada a bordo de novos passageiros: Aos que gostarem (e têm sido muitos), basta-lhes ir procurar os livros anteriores (já há muitos!)
A série protagonizada por Gabriel Allon é uma máquina bem oleada e essa é, quanto a mim, para quem a acompanha desde o início, a sua maior pecha, pois por norma não há lugar à surpresa. A estrutura é basicamente sempre a mesma. Allon quer descansar (está farto da vida de agente secreto), dedicar-se à família e ao restauro de quadros (a sua especialidade), mas, invariavelmente, ocorre uma situação inesperada que obriga o contrafeito artista a regressar ao activo. Desta vez o inesperado tem que ver com um dissidente russo (Grigori Bulganov), um ex-espião que vive em Londres e desaparece de forma insólita, levando os seus “protectores” britânicos a acharem que era um agente duplo que entretanto resolveu regressar à casa-mãe. Gabriel Allon deve a vida a esse homem e não acredita que ele seja um traidor e entra em acção para o resgatar, enfrentando de novo os grandes mafiosos russos sustentados nas ruínas do KGB.
O envolvimento de Gabriel torna-se mais pessoal quando a sua mulher é raptada pelos mesmos homens que estão ligados ao desaparecimento do desertor. O lado mais negro de Allon emerge e revela-se, de novo, uma máquina de matar. A fórmula é a do costume. Abandonada a pausa idílica em Itália, onde trabalhava no restauro de arte, Allon reúne a sua equipa e passa ao planeamento da missão. Depois, segue-se a acção pura e dura. E a fórmula de Daniel Silva resulta, como sempre. As operações são bem descritas, o enquadramento histórico e político bem explicado e o leitor facilmente deixa-se envolver pela obra, que está escrita de uma forma simples, clara, intensa, em capítulos curtos, capazes de atrair os amantes do género. E, como é norma, o cenário da acção desloca-se frequentemente de país em país: Inglaterra, Rússia, Itália, Suíça, Alemanha, Israel, etc. Nota-se, contudo, uma nítida de aversão pela Rússia por parte do autor, tanto na descrição de ambientes como na das personagens.
Para quem gostar deste tipo de livros (como é o meu caso), tem entretenimento garantido ao longo de 400 páginas (sim, Daniel Silva tem escrito cada vez mais, mas a verdade é que não se nota aqui a presença de “gorduras” excessivas). Não há surpresas em O Desertor, é certo (além das habituais reviravoltas típicas dos thrillers), mas isso não impede uma agradável leitura.

2 pensamentos sobre ““O Desertor” – Daniel Silva

  1. Pingback: Fred’s Notes » Blog Archive » Leituras

  2. Pingback: Em outubro não podia faltar Daniel Silva, desta feita com «O Anjo Caído» | Porta-Livros

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.