“Marina” – Carlos Ruiz Zafón

Para nós (portugueses) Marina, recentemente editado pela Planeta, marca o regresso ao contacto com o mundo (ou seja, a Barcelona) de Carlos Ruiz Zafón, depois de já lá se ter passado em A Sombra do Vento e O Jogo do Anjo. Para os espanhóis, mais afortunados, Marina tinha sido (já em 1999) uma das primeiras oportunidades de deambular por esta Barcelona tão especial. Pode questionar-se, aqui, como é que este livro demorou tantos anos a chegar a Portugal, ainda para mais se se pensar nas tantas coisas insossas que se editam regularmente.
A leitura de Marina permite constatar que os ingredientes preferidos de Zafón (e o seu estilo) já lá estavam todos: Barcelona, os mistérios, sombras, ambientes góticos, crianças aventureiras, histórias de amor que inevitavelmente resultam em tragédias – aliás, são estas que, invariavelmente, fazem mover a história.
Poderia pensar-se que um tão grande recuo no tempo (onze anos) nos levasse ao encontro de um Carlos Ruiz Zafón ainda imaturo enquanto escritor, mas na verdade isso não se verifica. Já havia aqui suficiente maturidade enquanto escritor para nos apresentar uma obra belíssima, que o próprio fez questão de classificar como uma das suas preferidas. A diferença mais visível tem que ver com o número de páginas, não passa das 270. Zafón não fugiu, portanto, à tendência (parece um vírus que afecta imenso escritores) de, com o passar dos anos, sentir a necessidade de escrever romances cada vez maiores: A Sombra do Vento tem 512 páginas e O Jogo do Anjo 576.
O enredo de Marina, como já aqui referi, está situado em Barcelona, essencialmente em 1979 e 1980, mas com viagens ao passado. Óscar é um miúdo (adolescente) que vive num lar e que, numa das suas saídas, conhece Marina, uma rapariga que vive com o pai num casarão semi-abandonado. Nasce ali uma paixão que se vai desenvolvendo consoante, por uma série de acasos, este par começa a investigar uma estranha e trágica história de amor do passado de Barcelona, envolta em drama, tragédia, morte, doença e sofrimento. Ao explorarem uma mansão digna de um filme de terror desenterram uma história que todos querem ver esquecida e que faz lembrar, em certos pontos, o clássico “Frankenstein”. Passo a passo, escavam e desenterram cada vez mais o passado, chegando a um ponto sem retorno, com a agravante de, em simultâneo, também a doença afectar e fragilizar Marina, cada vez mais preocupada com a saúde do seu velho pai.
A história que desenterram (envolvendo uma bela cantora e um milionário barcelonês) é a grande força motora deste romance – poderia, sem dúvida, ter servido de base a um romance autónomo, um romance de terror, diga-se, pois é extremamente “gore”. Aliás, se assim fosse, só teria a ganhar, pois seria bem mais viva, ao contrário do que acontece como neste caso, quando a história é contada por terceiros.
Seja como for, não se deve abdicar da leitura de Marina.
Já agora refira-se que este não é um livro juvenil, ao contrário do que poderia pensar-se em virtude de assim ser classificado em Espanha. É (bem) adulto.

Baptista-Bastos reedita “As Bicicletas em Setembro”

A Oficina do Livro reeditou As Bicicletas em Setembro, de Baptista-Bastos, que anteriormente, em 2007 tinha sido lançado pela ASA. Trata-se de uma obra, diz a editora, “que confirma, uma vez mais, a importância de Baptista-Bastos na Literatura Portuguesa Contemporânea”.

Sobre o livro: «Num bairro lisboeta inventa-se a felicidade em jogos de cartas numa obscura taberna, descobre-se a medo a iniciação sexual, vivem-se os pequenos dramas de um quotidiano triste, expõe-se a perversidade das relações humanas, sonha-se além das imagens que as nuvens vão construindo. Em jeito de homenagem, também, ao poeta Eduardo Guerra Carneiro, há ainda neste livro espaço para os sentimentos, para a partilha, para os afectos. E para a perda e para a solidão, porque ambas se confundem com a própria natureza humana.»

Dom Quixote edita “Brevíssimo Inventário” de Marcello Duarte Mathias

A Dom Quixote vai lançar diversas obras de não-ficção em Novembro, entre as quais se destaca, com saída no dia 15, Brevíssimo Inventário, de Marcello Duarte Mathias.

Brevíssimo Inventário – Marcello Duarte Mathias
«Compõem este volume três pequenos textos de Marcello Duarte Mathias, A Trouxe-Mouxe, conjunto de notas soltas, O Destino Velado, sobre o suicídio e a morte (1980), e Lembrar de Raízes, evocações de infância (1988).
Embora diversos, têm em comum o gosto e a prática do aforismo: a infância, a adolescência, as mulheres, o suicídio, a morte e as várias dimensões do tempo preenchem o essencial destas páginas que se cruzam e sobrepõem constituindo, à sua maneira, um só livro.

Por uma Social Democracia Portuguesa – Francisco Sá Carneiro
«No ano em que em que se assinala o trigésimo aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro, a Dom Quixote reedita o essencial do seu pensamento publicado originalmente em 1975. Com prefácio de Marcelo Rebelo de Sousa.»
Nas livrarias a 15 de Novembro

Ascensão e Queda do Comunismo – Archie Brown
«Professor de política em Oxford, Archie Brown conta a história dos 70 anos e dos vários tipos de comunismo. O que causou o seu colapso? Porque durou tanto tempo? O que resta dele? “Soberbamente consistente”, escreveu o The New York Times
Nas livrarias a 29 de Novembro

Educação Nacional lança em Novembro mais uma obra de Rébecca Dautremer

A editora Educação Nacional lança em Novembro mais uma obra da ilustradora Rébecca Dautremer, Rafael e o Segredo de Leonor, cuja história é assinada por Anik Le Ray. Ainda em Novembro destaque para a edição de Angélica e o Desejo Mágico e A Princesa da Neve, histórias de fadas e princesas, respectivamente.

Rafael e o Segredo de Leonor – Anik Le Ray/Rébecca Dautremer
«Ao receber de herança a biblioteca de Leonor, Rafael está longe de imaginar que ela esconde o mais incrível segredo… Quando Alice, Pinóquio, o Capitão Gancho e todos os personagens dos seus contos preferidos ganham vida e começam a sair dos livros, Rafael nem quer acreditar. Contudo, uma terrível maldição cai sobre eles e só Rafael os pode salvar.»

Angélica e o Desejo Mágico – Nicola Baxter/Marina Fedotova
«Um verdadeiro conto de fadas! Uma aventura mágica onde os desejos se tornam realidade. Entusiasmantes páginas 3D convidam o leitor a voar com a Angélica, acompanhando-a na sua atribulada viagem rumo ao Palácio da Fada Rainha…»

A Princesa da Neve – Emily hawkins/Lisa Evans
«Uma jovem princesa, amaldiçoada com um coração de gelo, vive sozinha num palácio de neve. Muitos príncipes tentam resgatá-la da terrível maldição…
Mas, só encontrará a felicidade quando perceber que o amor está mesmo debaixo do seu nariz…»

“O Grande Capital” encerra Trilogia U.S.A., de John dos Passos

Editorial Presença lançou o último volume da Trilogia U.S.A., do norte-americano John dos Passos, intitulado O Grande Capital. O Registo dos Mortos, de Patricia Cornwell, e Num Breve Fechar de Olhos, de Abbie Taylor, são outras novidades da Presença para a ultima quinzena de Outubro.

O Grande Capital (Trilogia U.S.A.) – John dos Passos
Sinopse: «Este volume, que encerra a monumental trilogia U.S.A., reconstitui o período que se segue à guerra de 1914-1918, acompanhando a recuperação económica a fundação das grandes empresas e os mercados de acções. Além das personagens que já conhecemos nos dois primeiros volumes surgem figuras típicas desta época, como Henry Ford, William Randolph Hearst, ou Margo Dowling. A febre da riqueza torna-se contagiante; multiplicam-se os escândalos, as grandes festas e os grandes negócios; uma vertigem que terminará com o crash de 1929. A singular técnica de escrita de John dos Passos mantém a forma e o ritmo únicos, indissolúveis da essência do próprio romance.»

O Registo dos Mortos – Patricia Cornwell
Sinopse: «Quando a Dr.ª Kay Scarpetta se instala em Charleston, na Carolina do Sul, para abrir um serviço de medicina legal, pensa que vai conseguir começar uma nova vida. Mas as coisas estão longe de correrem de acordo com os seus planos, pois um criminoso inteligente e perverso promete pôr à prova todas as suas forças. O novo romance de Patricia Cornwell combina ciência forense e suspense para criar um thriller poderoso que desafia a imaginação.»

Num Breve Fechar de Olhos – Abbie Taylor
Sinopse: «Quando as portas da carruagem do metro se fecharam, separando o pequeno Ritchie, de treze meses, da sua jovem mãe, começava para Emma o pior pesadelo de toda a sua vida – ver o seu bebé ser levado sem conseguir fazer nada para o impedir. E quando tenta convencer a polícia de que Ritchie foi raptado, Emma só encontra incompreensão e suspeita, vendo-se obrigada a encetar uma investigação por conta própria. Romance de estreia da autora, Num Breve Fechar de Olhos oferece-nos uma narrativa de grande intensidade dramática, realismo e suspense.»

Quetzal lança mais um Bolaño, “A Literatura Nazi nas Américas”

A Quetzal lançou A Literatura Nazi nas Américas, mais uma obra de Roberto Bolaño, autor do imenso 2666. Outro lançamento da Quetzal é O Livro das Listas, de João Pombeiro, que antes se dedicara ao divertido 30 Anos de Mau Futebol.

A Literatura Nazi nas Américas – Roberto Bolaño
«A Literatura Nazi nas Américas é uma enciclopédia ficcional composta de pequenas biografias de autores pan-americanos imaginários. Estes personagens literários são retratados no interior de uma galeria de medíocres alienados, homens solitários e abandonados pela História, nascisistas, leitores e autores talentosos, criminosos, mas também snobes com sonhos de grandeza e capazes de gestos que os distinguem da banalidade do mal. E, a verdade, ainda que inventados, estes escritores são personagens de histórias, essas sim reais, de grandes nomes da literatura das Américas.»

O Livro das Listas – João Pombeiro
«Depois das longas horas de pesquisa na internet e hemeroteca para encontrar as frases de 30 Anos de Mau Futebol, João Pombeiro dedicou-se a coleccionar listas. A lista dos 15 vinhos com notas entre o pão torrado e o tijolo molhado, a lista dos 7 livros para deixar a bebida sem recorrer aos alcoólicos anónimos, a lista dos 25 lugares portugueses com nomes danados para o pecado, e muitas outras.
Um livro com os altos contributos de Filipe Nunes Vicente, João Miguel Tavares,  João Tordo, Jorge Reis-Sá, José Rentes de Carvalho, Onésimo Teotónio de Almeida, Paulo Moreiras, Pedro Marques Lopes, Pedro Vieira e Salvato Telles de Menezes.»

Miguel Pinheiro assina biografia “Sá Carneiro”

Miguel Pinheiro, director da revista Sábado, é o autor da biografia Sá Carneiro, editada pela Esfera dos Livros, que lançou também recentemente Mulheres que Amaram Demais, de Helena Sacadura Cabral, Carta a um Filho, de Rudyard Kipling, e Era uma vez… Os Contos Favoritos de Fernando Mendes.

Sá Carneiro – Miguel Pinheiro
«Aos 46 anos, no dia 4 de Dezembro de 1980, Francisco Sá Carneiro, fundador e líder do PSD, morreu em Camarate. Junto de Snu Abecassis, a mulher por quem se apaixonou e por quem desafiou a Igreja, a família e a sociedade. Os que o seguiam viam-no como a única esperança da democracia. Os que o combatiam criticavam-lhe a intransigência com que fazia política. A sua morte, há exactamente 30 anos, ficou envolta em mistério e polémica – e fez dele um mito.
Depois de cinco anos de pesquisa exaustiva – através da recolha de fotografias e documentos nunca vistos, perdidos em arquivos privados, e de 76 entrevistas aos familiares mais próximos, a amigos de infância, a companheiros e a adversários –, o jornalista Miguel Pinheiro traça a biografia completa, pessoal e política, de Francisco Sá Carneiro.
Neste livro, ficamos a conhecer os episódios até agora desconhecidos da vida do homem que durante onze meses foi primeiro-ministro de Portugal: a depressão que sofreu e tentou esconder a seguir ao 11 de Março de 1975, a decisão de ocultar o romance com Snu por receio de perder umas eleições, as cartas inéditas do divórcio, a tentativa de declarar a nulidade do casamento no Vaticano, a forma como gostava de desafiar a morte em avionetas e helicópteros e os detalhes dos violentos confrontos políticos com Álvaro Cunhal, Ramalho Eanes e Mário Soares.»

Mulheres que Amaram Demais – Helena Sacadura Cabral
«O amor é um conceito intrigante. Existem diversas formas de amar, diferentes objectos de amor, formas díspares de viver e sentir este sentimento universal. As nove mulheres que fazem parte deste livro são exemplo disso. São mulheres que, durante o século XX amaram sem limites, nem preconceitos, desafiando convenções e modelos estabelecidos, entregando-se de corpo e alma à sua paixão.
Depois do enorme sucesso de As Nove Magníficas, Helena Sacadura Cabral regressa à biografia, género que desenvolve com mestria, para nos apresentar Mulheres que Amaram Demais.
Marie Curie amou a ciência acima de tudo, Gabrielle Chanel, a moda, Marguerite Yourcenar, a sua literatura, a extravagante Gala Dalí entregou-se à arte, Jacqueline Kennedy Onassis viveu sempre perto de homens de poder, a misteriosa Wallis Simpson deixou-se fascinar pelo estatuto e pela riqueza, Golda Meïr amou a terra, o povo e um projecto político, a actriz Marlene Dietrich amou homens, mulheres e a sétima arte, já Madre Teresa de Calcutá entregou-se a Deus e ao outro, sem limites.
É a história destas extraordinárias mulheres, o modo como se entregaram ao amor físico, carnal, erótico e sensual, como viveram ao lado de homens e mulheres, companheiros que nunca lhes fizeram sombra, mas que serviram os seus propósitos, a forma como perseguiram os seus objectivos profissionais e de vida, que Helena Sacadura Cabral nos conta com a sua visão sempre actual e irónica da realidade.»

Carta a um Filho – Rudyard Kipling (texto) e Mauro Evangelista (ilustrações)
«O poema também conhecido como Carta a um Filho, escrito em versos e contado com imagens, foi composto por Rudyard Kipling em 1910.
(…)
É um poema duro, que exorta a nunca se render, a andar sempre de cabeça levantada, a não se deixar enganar, a não perder o sentido da responsabilidade inclusive nas circunstâncias mais adversas. Ter este código de conduta é, sem dúvida alguma, muito difícil, sugeri-lo a um filho, audaz e exagerado. Mas este discurso dito em voz alta, solene, calmo, íntegro, sem medo de utilizar palavras transcendentes, evoca um mundo de nobres valores luminosos e eternos.»

Era uma vez… Os Contos Favoritos de Fernando Mendes
«O Capuchinho Vermelho e o terrível Lobo Mau, a pobre da Gata Borralheira, o espertalhão do Gato das Botas, o coitado do Príncipe mais as suas malfadadas orelhas de burro, a veloz Lebre e a ainda mais rápida Tartaruga, a Cigarra cantante e a Formiga trabalhadora, a terrível Bruxa que pôs a bela Celeste a dormir, a Branca de Neve e os seus sete amigos anões, os Três Porquinhos, irmãos e amigos, mas tão diferentes entre si, os pequenos, mas incansáveis Duendes, o triste avarento mais o seu fantasma de Natal, a Baleia cantora de ópera, o Pinóquio e o seu nariz incontrolável, a formosa e bonitinha Carochinha pronta para casar com o seu João Ratão…
Todos estes príncipes e princesas, fadas e bruxas, seres mágicos e outras personagens que fazem parte da infância de todos nós reúnem-se no novo livro de Fernando Mendes.
(…)
O conhecido actor e apresentador de televisão escolheu 30 dos seus contos tradicionais favoritos e recriou estas magníficas histórias, ao sabor da sua imaginação, dando-lhe um toque pessoal de humor e emoção.
Era uma vez… Os Contos Favoritos de Fernando Mendes inclui um original CD com 12 histórias contadas de forma surpreendente pelo autor, com direcção musical de Luís Portugal, e uma canção original interpretada por Fernando Mendes.»

Passatempo Vogais & Companhia – “Perfeitos”

O Porta-Livros tem para oferecer (em parceria com a Vogais & Companhia) um exemplar de Perfeitos, de Scott Westerfeld.
O primeiro leitor que desde já ultrapasse o seguinte desafio será presenteado com um livro.
O nome do vencedor será publicado neste blog e o mesmo será avisado por e-mail.
Para encontrar as respostas certas basta, por exemplo, fazer uma pequena busca neste blog.

1 – Qual o nome da série onde está incluído Perfeitos?

2 – Que editora adquiriu recentemente a Vogais & Companhia?

As respostas devem ser enviadas por e-mail para blogportalivros@gmail.com
Juntamente com as respostas, os participantes devem enviar os seus dados, nomeadamente: NOME, MORADA e E-MAIL.
O vencedor receberá oportunamente, por correio, o livro com que foi premiado.
Só podem participar residentes em Portugal.

Roma, futebol e evolução nas novidades Bertrand

A Bertrand lança a 22 de Outubro três obras novas no mercado, com destaque para Linha Avançada, de José Nunes, inspirado na rubrica de rádio homónima, e O Lance de Vénus, mais uma história passada na Roma Antiga assinada por Steven Sayloir, autor de Roma.

O Lance de Vénus – Um Mistério Na Roma Antiga
«Numa fria noite de Janeiro, em 56 a.C., dois estrangeiros percorrem sorrateiramente as ruas de Roma – um embaixador egípcio e um sacerdote eunuco – procurando Gordiano, o Descobridor, especialista em casos de homicídio. Mas este embaixador, um filósofo chamado Díon, veio pedir algo que Gordiano não lhe pode dar: ajuda para continuar vivo. Antes do cair da noite, Díon será assassinado. Gordiano inicia assim o seu caso mais perigoso de sempre. Contratado para investigar a morte de Díon, Gordiano segue o rasto da intriga política que o conduz às cúpulas do poder e às mais recônditas arenas do deboche. Aí, Gordiano perceberá que nada é o que parece – nem as provas irrefutáveis que descobre, nem o suspeito que envia para tribunal, nem mesmo a verdade acerca da morte da Díon, que permanece envolta em mistério. No final, não se trata de provas, mas de escolhas.»

Linha Avançada – Nos bastidores do futebol – José Nunes
«Da rádio para o livro, a Linha Avançada de José Nunes aventura-se nos bastidores do futebol, mostra como tudo se processa, faz o ponto de situação e desvenda os mistérios e histórias para lá das quatro linhas. Toni, Manuel José, Octávio Machado, Carlos Manuel ou Jorge Coroado são apenas alguns dos nomes que contam, na primeira pessoa, tudo aquilo que não sabemos sobre o futebol. E mais ainda.
Dos títulos de jornais, digamos, mais criativos, às histórias rocambolescas do Mundial e do mundo da bola em geral, às figuras, ícones e cromos da Linha Avançada nada falta neste compêndio futebolístico.
O público pediu e José Nunes rematou para golo!»

A Evolução Culminou no Homem? – Progresso, Contingências, Catástrofes e Extraterrestres – Teresa Avelar
«Teresa Avelar, uma das autoras de A Evolução a Duas Vozes – Darwin e a Evolução, regressa ao tema do evolucionismo e do darwinismo, pondo em questão muitos dos preconceitos criados nesta área.
De facto, continuamos a acreditar num progresso linear da história evolutiva pelo facto de sermos um dos seus resultados. Contudo, é possível ter uma atitude diferente e tentar compreender as verdadeiras implicações da evolução darwiniana. Se o fizermos talvez adquiram uma outra importância a protecção e a coexistência das outras formas de vida que connosco evoluíram e partilham o planeta. Um texto claro acerca de um tema sempre rodeado de interrogações.»