Porto Editora lança a 3 de Setembro “O Tempo entre Costuras”, da espanhola María Dueñas

A Porto Editora lança a 3 de Setembro O Tempo entre Costuras, de María Dueñas, apresentado pela editora como “o grande sucesso da literatura espanhola depois de Carlos Ruiz Zafón”. Trata-se de uma obra que já vendeu mais de meio milhão de exemplares em Espanha, cujo enredo passa também por Portugal, nomeadamente pela zona dos antigos armazéns do Chiado.

Enredo
«O Tempo entre Costuras é a história de Sira Quiroga, uma jovem modista empurrada pelo destino para um arriscado compromisso; sem aviso, os pespontos e alinhavos do seu ofício convertem-se na fachada para missões obscuras que a enleiam num mundo de glamour e paixões, riqueza e miséria mas também de vitórias e derrotas, de conspirações históricas e políticas, de espias.
Um romance de ritmo imparável, costurado de encontros e desencontros, que nos transporta, em descrições fiéis, pelos cenários de uma Madrid pró-Alemanha, dos enclaves de Tânger e Tetuán e de uma Lisboa cosmopolita repleta de oportunistas e refugiados sem rumo.»

“Marina”, de Carlos Ruiz Zafón, chega em Setembro

Marina, do espanhol Carlos Ruiz Zafón, é o grande destaque da Planeta para os meses que se avizinham. A obra, anterior a A Sombra do Vento, chegará em Setembro às livrarias, seguindo-se em Outubro livros como o policial nórdico Aurora Boreal, de Asa Larsson, e Anjo Caído, de Lauren Kate.

SETEMBRO

Marina – Carlos Ruiz Zafón
«Marina é um dos livros favoritos de Zafón. Trata-se da obra que precedeu o bestseller A Sombra do Vento e, tal como esse, está ambientado na cidade de Barcelona dos anos 70 e 80.»

OUTUBRO

Múltipla Escolha – Lya Luft
«Múltipla Escolha surge na sequência de Perdas e Ganhos, (mais de 700 mil exemplares vendidos no Brasil e presença durante mais de 50 semanas no top dos mais vendidos). Múltipla Escolha é um ensaio sobre vários temas que afectam a sociedade actual. Escrito num registo informal, a autora, uma das mais lidas no Brasil, reflecte e convida o leitor a reflectir sobre questões importantes como a insegurança, a família, as pressões sociais, etc.»

Aurora Boreal – Asa Larsson
«Na linha de Stieg Larsson, Asa Larsson estreia-se entre nós com um policial que já vendeu mais de um milhão de exemplares (só na Suécia) e está publicado em mais de 16 línguas. Venceu o Prémio para Melhor Estreia no Romance Policial (Associação Sueca de Escritores de Romance Policial) e o Prémio Melhor Policial Sueco.»

Anjo Caído – Lauren Kate
«Direitos vendidos para a Disney (adaptação ao grande ecrã). Anjo Caído, que chega com a promessa de alcançar o sucesso da saga Crepúsculo, é um romance sobre o amor entre anjos e humanos e outras criaturas sobrenaturais. Vendido para mais 20 países, Anjo Caído é bestseller do New York Times e considerado pela Publishers Weekly uma das estreias mais promissoras.»

Julieta – Anne Fortier
«Romance sobre uma jovem que descobre ser descendente do casal que inspirou uma das mais populares e trágicas histórias de amor de todos os tempos, a de Romeu e Julieta. “Uma estreia fabulosa”, diz a Publishers Weekly. Direitos para filme adquiridos pela Universal Pictures.»

Nicolau Breyner – É melhor ser alegre que ser triste – Sara Adamapoulos
«Vida e obra de um dos nomes maiores das artes e dos espectáculos em Portugal.»

NOVEMBRO

Os Mágicos – Lev Grossman
«Os Mágicos é da autoria de Lev Grossman, autor do bestseller internacional Codex. Embora remeta para o universo de fantasia de Harry Poter, Os Mágicos é, na verdade, uma fábula sobre o amadurecimento. Como diz George R.R. Martin, autor da série A Song of Ice and Fire, “Os Mágicos está para Harry Poter como uma dose de uísque irlandês está para um copo de água pura”.»

O Palestiniano – António Salas
«Resultado de uma perigosa investigação, O Palestiniano relata a experiência de António Salas (jornalista) no seio de redes internacionais de terrorismo. Salas aprendeu árabe, converteu-se ao islamismo, assumiu a identidade de um muçulmano durante 6 anos e os seus testemunhos ajudaram entretanto a desmantelar alguns movimentos terroristas.»

Um Longo Caminho para a Liberdade – Nelson Mandela
«Autobiografia de uma das figuras mais emblemáticas do século XX. Trata-se de uma narrativa épica de luta, contrariedades e esperança renovada. Eis, portanto, “o testemunho de um herói contemporâneo que tornou possível o milagre da reconciliação de uma nação.” Newsweek

Tintin começa a ser reeditado pela ASA em Setembro

As Edições ASA anunciaram recentemente que iam passar a editar as aventuras de Tintin em Portugal, o que até agora era feito pela Verbo. Assim, a partir de Setembro começará a ser reeditada a obra de Hergé com novas traduções e novo formato (mais pequeno) e logo neste mês haverá seis álbuns no mercado. Os primeiros álbuns serão: Tintin no País dos Sovietes, Tintin na América, Tintin no Congo, A Orelha Quebrada, O Lótus Azul e Os Charutos do Faraó.
A ASA aproveita a ocasião para passar a designar o herói belga da BD de Tintin, em vez de Tintim, como vinha acontecendo.
A ASA anunciou ainda que a 28 de Setembro, às 18h00, haverá uma festa de lançamento no Espaço Tintin, na Avenida de Roma, em Lisboa. A apresentação da colecção estará a cargo de Nuno Artur Silva.

“O Bosque dos Pigmeus” – Isabel Allende

O terceiro volume da trilogia As Memórias do Jaguar, intitulado O Bosque dos Pigmeus (Difel), é um livro de Isabel Allende dedicado essencialmente a um público mais jovem, mas suficientemente maduro e atractivo para qualquer adulto com gosto por histórias de aventuras. Encerra, assim, da melhor maneira a trilogia composta também por A Cidade dos Deuses Selvagens e O Reino do Dragão de Ouro.
Com a sua escrita viva e imaginativa, Isabel Allende capta a atenção do leitor desde a primeira linha: “A uma ordem do guia, Michael Mushasha, a caravana de elefantes parou. Começava o calor sufocante do meio-dia, quando os animais da vasta reserva natural descansavam. A vida parava por algumas horas, a terra africana transformava-se num inferno de lava ardente e até as hienas e os abutres procuravam a sombra”.
Em poucas linhas a autora coloca-nos no meio de África, sob um calor abrasador. É “só” o início de mais uma aventura de Alexander (um jovem americano) e da sua amiga brasileira Nadia, sempre com a sombra tutelar da avó Kate, repórter da International Geographic.
Os planos para fazer uma “simples” reportagem saem furados quando surge do nada um missionário que busca desesperadamente dois colegas desaparecidos numa das regiões mais inóspitas de África. O religioso desafia a equipa de Kate, que inclui uma piloto com o seu avião, a ajudá-los. Para complicar tudo, o avião avaria, o que os deixa sozinhos no meio do arvoredo. Resolvem continuar a pé, enfrentando os perigos da Natureza e… não só.
Enquanto procuram os missionários vão parar a uma aldeia que teimam em visitar apesar dos insistentes apelos em contrário lançados pelos pigmeus que conheceram na região.
Nadia e Alexander vão ter de enfrentar, então, o rei Kosongo, que com o comandante Mbembelé e o bruxo Sombe, aterroriza e escraviza o seu povo e os pigmeus. Tudo em nome do contrabando.
Nadia e Alexander (também Águia e Jaguar, na sua condição mais mística) vão ter a ajuda do mundo mágico dos espíritos para solucionar esta exploração.
Uma bela maneira de terminar a trilogia, a encontrada por Isabel Allende, que assim chama também a atenção para os problemas de África, um paraíso continuamente vítima de exploração interna e externa.
Em suma, um livro mágico.

“Caderneta de Cromos” de Nuno Markl sai em Setembro

A Objectiva lança em Setembro Caderneta de Cromos, de Nuno Markl, a “enciclopédia definitiva sobre o que nos deliciava nos anos 70 e 80 (mais saudável do que um Granizado Fá, embora deva ter a mesma quantidade de tinta)”. Trata-se de um livro que compila as crónicas apresentadas na Rádio Comercial, com ilustrações de Patrícia Furtado.
Pergunta a editora se “haverá história mais bizarra do que crescer nas décadas de 70 e 80?”
Trata-se de uma colecção de cromos que responde a questões pertinentes como:
– Samantha Fox e Kim Wilde: Qual delas para casar? Qual delas para coiso?
– Quantas maneiras havia de comer bolachas Belinhas?
– Usar um casaco branco igual ao do Don Johnson no Miami Vice resulta na vida
real quando se é caixa-de-óculos
– De que forma os Kalkitos são uma metáfora para as relações sexuais sem amor?
– Porque é que o Fizz Limão é o D. Sebastião da indústria dos gelados?
– Como se resolve, afinal, o Cubo Mágico?

Oficina do Livro desafia a “Brincar com Coisas Sérias”

Margarida Fonseca Santos e Rita Vilela – autoras de Histórias para Contar Consigo – regressam com Brincar com Coisas Sérias – Viver através dos contos, onde através de uma série de contos desafiam o leitor a conhecer-se melhor.

Sobre o livro: « A partir da sua experiência, e contando com o poder das palavras, Margarida Fonseca Santos e Rita Vilela escreveram, em 2008, Histórias para Contar Consigo. Dois anos depois repetem a brincadeira e dão a conhecer novos contos que desafiam o leitor a conhecer-se melhor.
Brincar com Coisas Sérias é um livro que se torna num jogo e que proporciona momentos divertidos e de grande cumplicidade. Ao acabar uma história há várias perguntas e uma escolha; e outra história, e mais perguntas e escolhas, e no final… está preparado para o que vai ouvir?
Um livro para todos: pais e filhos, família e amigos, professores e alunos.
Brincar com Coisas Sérias é um livro a pensar em si e nos outros.
Junte os amigos ou a família, encontre-se consigo mesmo, leia a primeira história e faça a primeira pergunta. Depois, deixe-se surpreender pelo resultado final. Está disposto a arriscar?»

José Jorge Letria lança romance sobre Sidónio Pais

José Jorge Letria acaba de lançar mais um romance histórico, desta vez tendo por protagonista Sidónio Pais. Trata-se de Morro bem, Salvem a Pátria!, uma edição da Oficina dos Livros.

Sobre o livro: «Assassinado à queima-roupa na estação do Rossio, em Lisboa, Sidónio Pais é, sem sombra de dúvida, uma das figuras mais controversas e enigmáticas da História de Portugal.
A acção deste livro centra-se no dia da sua morte, recuando aos tempos que precederam o homicídio de Sidónio e prolongando-se até depois do seu desaparecimento.
Mais do que uma reconstituição histórica, trata-se de um texto ficcional, intenso e dramático, no qual, para falar de Sidónio Pais, são convocadas muitas vozes – de Fernando Pessoa a Álvaro de Campos, passando pelo Repórter X – que tentam perceber quem foi o homem, o que sonhou, o que desejou para Portugal, e como o presidente da “República Nova” via o mundo, de que se despediu aos 46 anos.»

Bertrand edita obra de Nazaré Barros sobre Bullying

A Bertrand lança a 13 de Agosto Violência nas Escolas – Bullying, uma obra assinada pela professora de filosofia Nazaré Barros, que fez um mestrado na área da educação, na especialização de Administração e Organização Escolar, na Faculdade de Ciências, onde defendeu a dissertação «Violência escolar ou escola violenta?»

Sinopse: «Violência nas Escolas – Bullying é um livro repleto de actualidade onde os problemas da indisciplina, violência e bullying escolares são abordados numa perspectiva actual e nas suas várias dimensões: pedagógica, relacional, social e organizacional.

Indisciplina, violência e bullying são fenómenos que estão presentes nas escolas portuguesas. Estamos perante um livro onde estes fenómenos são analisados sem alarmismos fáceis ou exageros mediáticos, mas com rigor e conhecimento científico. Numa linguagem simples e acessível, este livro é um contributo decisivo, um testemunho e uma ajuda para pais, professores e toda a comunidade educativa. Estamos perante fenómenos complexos, em que o trabalho na área da prevenção pode ser decisivo para marcar a diferença.»

Esfera do Caos lança “O Templo da Glória Literária”, de Miguel Almeida

A Esfera do Caos lança entre Julho e Agosto uma série de obras, entre as quais se deve destacar O Tempo da Glória Literária, de Miguel Almeida, que criou uma série de poemas de tributo aos grandes vultos da poesia.   

O Templo da Glória Literária – Miguel Almeida
Sinopse: «A ideia central que percorre toda esta obra é a de que algures ― talvez na mente de cada um de nós, fruto das leituras que fazemos e guardamos para sempre ― existe um templo, O Templo da Glória Literária. O critério que presidiu à construção do autor é o da fama e da glória literária, na expressão máxima da sua actualidade e perenidade, da sua eternidade e imortalidade. Homero, Píndaro, Virgílio, Ovídio, entre outros grandes nomes da poesia da Grécia e da Roma Antigas, mas também Dante, Petrarca, Camões, Cervantes, Shakespeare, Goethe, Byron, Baudelaire, Rimbaud, Yeats, Pessoa, Eliot, Lorca, Brecht, Neruda, Sophia, O’Neill, entre muitos outros, são o pretexto utilizado por Miguel Almeida para criar poemas originais de tributo aos maiores vultos da poesia de todos os tempos. É que… “O interior do templo é somente habitado por mortos que não se encontravam lá quando vivos e alguns vivos que são postos para fora, a maior parte deles, quando morrem.”»

Porque nos interessa a Filosofia? – coordenação de Maria Manuel Araújo Jorge
Sinopse: «Porquê pensar a metafísica, o que existe e o que é, o conhecimento e a ciência, os valores, o belo, o bem, a verdade, porquê pensar a vida e o próprio pensamento? E porquê fazê-lo em diálogo com outros, mesmo que tão distantes no tempo, como Parménides? Esta obra mostra, na variedade de questões que toca, como o prazer da reflexão filosófica reside, em parte, no reencontro com temas arquitectónicos do pensamento humano que, à distância, mas de um modo permanente, articulam o modo como, no dia-a-dia, procuramos algum sentido à nossa volta.
Escrito por filósofos para não-filósofos, este livro, numa linguagem clara e rigorosa, conduz o leitor pelos múltiplos temas de que a filosofia se ocupa, permitindo-lhe viajar livremente pelos diferentes territórios da cultura e do pensamento.»

Socialismo no Séc. XXI – Vários
Sinopse: «Este livro recolhe contributos de um amplo conjunto de personalidades dos meios político e académico que, pela riqueza do seu pensamento, suscitarão com certeza uma reflexão pública em torno de respostas concretas, identificadas com uma visão do que deve ser o Socialismo no século XXI.»

Cartografias Literárias – Annabela Rita
Sinopse: «Um livro para estudantes e professores de Literatura. Combinando didáctica da literatura e exercício ensaístico, a autora partilha nesta obra a experiência da leitura de textos de autores de referência (Eça de Queirós, Sophia, Teolinda Gersão), esclarecendo aspectos teóricos e metodológicos do trabalho analítico até nos exemplos que apresenta: sublinha o seu movimento aproximativo de leitura, desde a moldura em ‘grande angular’ compreensiva da modernidade literária (“Territórios”), até aos rostos autorais e imagens que os textos esboçam na sua imaginação, figurações; nos “Diários de Bordo”, desdobra itinerários de leitura, distinguindo-lhe etapas em progressão de complexidade (do mais literal ao mais abrangente e esteticamente expansivo) e demonstra o raciocínio que as relaciona, assim como o movimento intelectivo em que se geram, justificam e legitimam.»

Ambiente, Ciência e Cidadãos – Vários
Sinopse: «O ambiente é actualmente uma das questões determinantes das sociedades contemporâneas.
Os problemas ambientais, com efeito, condicionam, de um modo inultrapassável, o nosso presente e o nosso futuro. Surgem movimentos de cidadãos preocupados com o ambiente e a sua intervenção torna-se mais visível.
Mas estaremos nós conscientes do papel do ambiente no contexto da cidadania? Será relevante o destaque dado pelos meios de comunicação social às questões ambientais? Estará a ciência atenta à cobertura mediática das temáticas ambientais? Estarão o direito e as instituições a adaptar-se, atempadamente, ao evoluir dos novos desafios colocados pelo ambiente?
Focado na realidade portuguesa, este livro organiza-se em cinco partes: A necessidade de os media contribuírem para a formação de cidadãos esclarecidos em ambiente, no contexto da ciência e da tecnologia; O percurso legal e institucional do ambiente; O ambiente como ciência nas páginas dos jornais; O lugar do ambiente nos estudos sobre a ciência e a tecnologia na imprensa; A evolução do ambiente na esfera pública.»

Booksmile lança colecção infantil Uma História Mesmo Bestial

Uma História Mesmo Bestial é o titulo de uma nova colecção infantil a lançar (12 de Agosto) pela Booksmile, que tem como personagem principal Ulf, o pequeno lobisomem, que lidera uma equipa composta pelo gigante Orson, pela fada Tiana e pela Dra. Fielding, a veterinária da Sociedade Real para a Prevenção da Crueldade para com as Bestas (SRPCB), uma organização destinada a salvar criaturas fantásticas.
Os dois primeiros títulos desta colecção para maiores de oito anos serão Lobisomem contra Dragão e Monstros Marinhos e Outras Iguarias. As obras são assinados por David Sinden, Guy Macdonald e Matthew Morgan.

Lobisomem contra Dragão
«Ulf, o pequeno lobisomem, descobre um segredo negro e tenebroso quando um dragão entra na SRPCB.
Será que com a ajuda do gigante Orson, da fada Tiana e da Dra. Fielding, a veterinária da SRPCB, o pequeno lobisomem vai conseguir parar o caçador de bestas mais malvado de todo o mundo?»

Monstros Marinhos e Outras Iguarias
Um monstro marinho ferido é enviado para a SRPCB  e Ulf, o pequeno lobisomem, arrisca a vida para o salvar. Para isso, tem de enfrentar o malvado barão Marackai, que regressa ansioso por caçar novas bestas.
Conseguirá Ulf travar a cruel personagem?  O futuro da SRPCB depende dele. Junta-te a Ulf, à fada Tiana, ao gigante Orson e à Dra. Fielding, a veterinária da SRPCB, em mais uma fascinante aventura desta colecção mesmo bestial.